PUBLICIDADE
Topo

Esporte


NBA sobre morte de Kobe Bryant: "Um dos mais extraordinários da história"

Kobe Bryant e a filha, Gianna, durante partida de basquete. Ambos morreram em um acidente de helicóptero neste domingo (26) - Divulgação
Kobe Bryant e a filha, Gianna, durante partida de basquete. Ambos morreram em um acidente de helicóptero neste domingo (26) Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

26/01/2020 19h56

A NBA (Associação Nacional de Basquete) divulgou um comunicado oficial a respeito da morte de um dos mais icônicos atletas do esporte, Kobe Bryant, vítima fatal de um acidente de helicóptero neste domingo (26). Na aeronave estavam, ainda, a filha do atleta, Gianna, de 13 anos, e outras sete pessoas.

"A família da NBA está arrasada com a morte trágica de Kobe Bryant e sua filha Gianna. Por 20 temporadas, Kobe nos mostrou o que é possível quando talentos notáveis se misturam com uma devoção absoluta à vitória", diz Adam Silver, comissário da NBA.

"Ele foi um dos jogadores mais extraordinários da história, com conquistas lendárias: cinco campeonatos da NBA, um prêmio NBA MVP, 18 seleções da NBA AllStar e duas medalhas de ouro olímpicas. No entanto, ele será lembrado ainda mais por inspirar pessoas ao redor do mundo", continua. "Ele foi generoso com a sabedoria que adquiriu e entendeu, como missão, que deveria compartilhá-la com novas gerações de jogadores. Em especial, ele transmitiu seu amor pelo esporte à filha, Gianna".

"Enviamos nossas sinceras condolências à sua mulher, Vanessa, à sua família, a organização Lakers e todo o mundo do esporte".

O acidente

O helicóptero em que Kobe e a filha estavam caiu em uma área descampada, por volta das 10 horas do horário local (16h de Brasília). Segundo a polícia do condado de Los Angeles, o acidente foi seguido de um foco de incêndio que precisou ser controlado pelo Corpo de Bombeiros. Não houve vítimas no solo. A causa do acidente ainda é incerta.

Segundo a ESPN americana, a viagem era para um compromisso esportivo de Gianna: eles estariam a caminho de um jogo de basquete da garota na Mamba Academy, localizada na cidade Thousand Oaks, a 30 quilômetros do local do acidente.

Quem era Kobe Bryant

Vinte temporadas na NBA, com 18 presenças no All-Star, cinco títulos da NBA, dois prêmios de MVP das finais e MVP da temporada de 2008. Os maiores feitos de Kobe Bryant são números impressionantes, mas mesmo assim não ficam à altura do que ele fez durante os 41 anos de vida. Fã de Magic Johnson, Michael Jordan e Oscar Schmidt, Kobe primeiro viveu as comparações com o próprio pai. Joe Bryant jogou oito anos na NBA, entre os anos 1970 e 80, e foi seguir carreira na Itália.

Lá, o filho teve contato íntimo com o futebol, tornou-se fluente em italiano e desenvolveu sólidos fundamentos táticos de basquete, o que seria um diferencial importante naquela geração de atletas norte-americanos. Kobe voltou aos EUA em 1992, magro e alto, para vestir o número 32 do ídolo Magic Johnson na escola de Lower Merion, na Filadélfia. Ali, no entanto, encontrou dificuldades e jogou poucos minutos nas primeiras temporadas. Foi apenas após quatro anos de trabalho duro que ele se tornou estrela do colégio.

Neste momento, quando o nomal seria defender alguma das faculdades de renome que tinham feito proposta, o garoto de 17 anos resolveu ir direto para a NBA. Foi o 13º escolhido do Draft de 1996, pelo Charlotte Hornets, que cometeu o que seria um dos maiores erros estratégicos da história da NBA: eles imediatamente cederam o adolescente aos Lakers. Em Los Angeles, Kobe se tornaria imortal. Seu espelho era Jordan, que na época era onipresente no basquete norte-americano.

A estrela do Chicago Bulls virou a meta de Bryant, que passou a analisar incansavelmente as atuações do ídolo, adotar suas manias e inspirar-se no estilo de jogo aéreo e extremamente físico. "Sua obsessão por Michael era óbvia", dizia Phil Jackson, técnico que conquistou seis títulos com Jordan em Chicago, depois mais cinco com Kobe nos Lakers. A dupla protagonizou a passagem de bastão no topo da NBA.

Enquanto Jordan vivia os últimos anos de seu reinado, Kobe começou a escrever sua própria história, marcada pelo estilo espetacular e vontade de vencer. Em 1999, Phil Jackson organizou um encontro entre Kobe e Jordan, na esperança de que o jovem jogador tomasse conselhos com o ídolo, já aposentado. "A primeira coisa que Kobe disse foi: se jogarmos um contra um, eu acabo com você", lembrou Jackson em sua autobiografia. A era Kobe Bryant teve uma parceria imparável com Shaquille O'Neal, que dominou a NBA entre 2000 e 2002.

Trabalhador incansável, varava a noite em longas sessões de arremessos após os treinos oficiais, lia análises de técnicos e encarava árduas sessões de preparação física. Daí a fama de monomaníaco que acarretou em vários desentendimentos com companheiros de equipe — incluindo O'Neal, que por isso trocaria de time. O sangue frio em quadra e as jogadas precisas renderam o apelido de Black Mamba (uma cobra conhecida pelo veneno letal). Em 2003, viveu o período mais obscuro da carreira.

Acusado de estupro por uma funcionária de um hotel de luxo no Colorado, ele admitiu a relação sexual, mas alegou consentimento da jovem de 19 anos — o processo foi abandonado após um acordo com a vítima. Jogador de basquete mais famoso e bem pago do mundo, Bryant empilhou conquistas impensáveis. Uma delas foi a partida em que marcou 81 pontos (contra os Raptors, em 2006). Venceu cinco títulos da NBA, duas medalhas de ouro olímpicas e esteve no All-Star Game 18 vezes em uma carreira de 20 anos.

Na reta final da carreira, Kobe ficou marcado por lesões graves e péssimas campanhas dos Lakers. Sua última temporada, porém, motivou agradecimentos que fizeram ressurgir o mito: foram várias homenagens em jogos fora de casa, em uma espécie de última turnê de uma estrela. No último jogo, aos 37 anos, Kobe deu adeus ao basquete marcando incríveis 60 pontos contra o Utah Jazz, em um Staples Center lotado para o adeus.

No final de tudo, Kobe Bryant se tornou um dos melhores jogadores de basquete da história por viver uma única obsessão: vencer. Por isso nem sempre foi bem visto por companheiros, imprensa ou torcedores, mas ao mesmo tempo se torna eterno justamente pela mente enigmática, bem longe da compreensão dos meros mortais.

Esporte