Topo

Esporte


Antonio Brown, da NFL, é acusado de assédio sexual e estupro

Antonio Brown aquece antes de jogo de pré-temporada do Oakland Raiders contra o Arizona Cardinals - Christian Petersen/Getty Images/AFP
Antonio Brown aquece antes de jogo de pré-temporada do Oakland Raiders contra o Arizona Cardinals Imagem: Christian Petersen/Getty Images/AFP

Do UOL, em São Paulo

10/09/2019 22h52

O receiver do New England Patriots, Antonio Brown, foi acusado de estuprar sua ex-treinadora, segundo processo movido hoje na Flórida.

O documento diz que o atleta — em três momentos diferentes, dois em junho de 2017 e um em maio do ano seguinte — agrediu sexualmente Britney Taylor, 28 anos, uma ginasta que ele conheceu na Central Michigan University e que depois a contratou como treinadora.

"Sr. Brown nega toda e qualquer alegação no processo", disse um comunicado de Darren Heitner, advogado que representa o jogador. "Ele buscará todos os recursos legais para não apenas limpar seu nome, mas também para proteger outros atletas profissionais contra falsas acusações".

A declaração também dizia que "qualquer interação sexual com Brown foi inteiramente consensual", reconhecendo que que os dois praticaram sexo.

De acordo com o processo, Brown agrediu sexualmente Taylor duas vezes durante as sessões de treinamento em junho de 2017. Primeiro, ele se expôs e a beijou sem a permissão dela.

Mais tarde naquele mês, segundo o processo, enquanto ela assistia a um programa de televisão em sua casa, Brown começou a se masturbar atrás dela e ejacular de costas. Brown se gabou do incidente em mensagens de texto que estão anexadas no processo.

Taylor parou de trabalhar com Brown, diz o processo, mas vários meses depois, quando ele a contratou para pedir desculpas, ela cedeu. Ela estava, de acordo com os documentos, "influenciada por sua garantia de que ele cessaria qualquer avanço sexual".

Na sequência, em 20 de maio de 2018, Brown a forçou a se deitar com ela, empurrou o rosto da mulher no colchão e a violentou. Ela tentou resistir a ele, gritando e repetidamente gritando "não" e "pare", diz o processo, mas Brown recusou e a penetrou.

"Como vítima de estupro de Antonio Brown, decidir se manifestar foi uma decisão incrivelmente difícil", disse Taylor em comunicado divulgado por seu advogado. "Encontrei força em minha fé, minha família e nos relatos de outros sobreviventes de agressão sexual."

Taylor ainda disse que vem cooperando com a NFL em uma investigação. O New England Patriots, por outro lado, disse que o time não teve ciência ainda da acusação.

Mais Esporte