Topo

Americano se ajoelha durante premiação do Pan para protestar contra Trump

Americano Race Imboden se ajoelha durante a execução do hino nacional - Leonardo Fernandez/Getty Images
Americano Race Imboden se ajoelha durante a execução do hino nacional Imagem: Leonardo Fernandez/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

11/08/2019 13h36

Os Estados Unidos levaram o ouro no florete por equipes masculinas da esgrima nos Jogos Pan-Americanos, mas a cerimônia de pódio não foi só festa. Durante a premiação na última sexta-feira (9), o americano Race Imboden se ajoelhou após receber a medalha dourada. O ato foi um protesto contra o racismo e intolerância em seu país, além do presidente Donald Trump.

Nas redes sociais, o esgrimista explicou a decisão de se ajoelhar no pódio. Para Imboden, os EUA precisam de uma conscientização.

"Nós devemos lutar por mudança. Nesta semana, tive a honra de representar os Estados Unidos nos Jogos Pan-Americanos, levando para casa um ouro e um bronze. Meu orgulho, no entanto, foi cortado pelos múltiplos problemas do país que tenho em meu coração. Racismo, falta de controle de armas, maus-tratos a imigrantes e um presidente que espalha o ódio estão no topo de uma longa lista", escreveu o esgrimista no Twitter.

"Escolhi sacrificar meu momento no pódio para chamar atenção para questões que acredito que precisam ser abordadas. Encorajo outros a usar suas plataformas para uma mudança", acrescentou.

Vale lembrar que esse tipo de manifestação se tornou recorrente entre atletas dos Estados Unidos. O gesto, que ficou famoso com ex-quarterback do San Francisco 49ers Colin Kaepernick, tem sido repetido por vários esportistas do país. Recentemente, Megan Rapinoe campeã mundial de futebol feminino com os EUA também se ajoelhou durante o hino e criticou Trump.