Topo

Esporte


Wakeboard é comum entre crianças, como filho de Huck, mas requer cuidados

Kevin Van Passen/AFP
Imagem: Kevin Van Passen/AFP

Rubens Lisboa

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/06/2019 14h10

Esporte com uma prancha em que a pessoa é puxada por uma lancha para praticar manobras na água, o wakeboard era a modalidade praticada por Benício, filho dos apresentadores Luciano Huck e Angélica, de 11 anos, quando sofreu um acidente no último sábado, chamando a atenção para seus riscos na infância, embora seu aprendizado seja comum entre crianças.

Benício fazia wakeboard na baía da Ilha Grande, em Angra dos Reis (RJ), quando caiu e bateu a cabeça na prancha, o que causou um traumatismo cranioencefálico, de acordo com Huck, que explicou que o filho precisou de uma cirurgia após afundamento e hematoma no lado direito da cabeça.

Medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos Rio-2007 e classificado para representar o Brasil mais uma vez no Pan de Lima no esporte, o paulista Marcelo Giardi, o Marreco, explica que a prática da modalidade é comum para crianças, mas alerta que há cuidados que devem ser tomados.

"Dou aulas há 20 anos, ensino crianças a partir dos 4, já ensinei criança de 3 anos. As pessoas têm que entender que é um esporte radical. Muita gente, como eles, tem casa em Angra, tem a prancha lá no barco e vai dar uma brincada, mas tem que tomar cuidado, principalmente a pessoa que está dirigindo o barco, tem que saber a velocidade correta, às vezes se tem muito vento é perigoso andar", explica Marreco.

Ele aponta a importância de equipamentos de proteção para crianças, assim como o cuidado do responsável por guiar o barco e o tamanho adequado da prancha e lembra que os cuidados que devem ser tomados em esportes radicais, como skate.

"Criança quando vai ter aula comigo, eu ponho o capacete. A criança tem mais elasticidade, então às vezes cai de cara na prancha e pode bater na cabeça, atrás", explica.

"Normalmente o pessoal tem uma prancha para todo mundo usar e ela é grande, a bota é grande. Eu recomendo que você compre uma prancha adequada para seu filho, use capacete e colete salva-vidas sempre. E a pessoa que está dirigindo o barco deve estar prestando atenção no atleta, se vê que a pessoa está caindo, tem que desacelerar", completa o atleta.

Marreco tem 36 anos, dá aulas de wakeboard desde os 16 e viu poucos acidentes com crianças em sua escola, nenhum com a proporção de Benício, e acredita que a velocidade do barco pode ter influenciado no caso do filho de Huck e Angélica.

"Não quero culpar alguém, mas pode ter acontecido de o barco estar muito rápido e ele ter caído muito forte. As pessoas têm que andar de wake porque é divertido, mas tem que ter um pouco de cuidado, pelo menos uma noção básica do que está fazendo porque se aprende com segurança. Se você aprende da forma certa, você se diverte muito mais", afirma o profissional.

O atleta aponta que o aprendizado na infância é bom para o desenvolvimento, inclusive sua filha de apenas 3 anos já começou a ter aulas aos poucos, mas lembra que é necessário ter cautela com a segurança e procurar escolas capacitadas para se orientar antes de praticar o sozinho.

"Não tem uma idade que é perigosa para a criança. Quanto mais novo começar, melhor. Mas se seu filho quer andar de wake, procure uma escola, tem escolas em vários lugares no Brasil, no site da Associação Brasileira de Wakeboard (ABW) tem uma lista, então procure um cara que vai dar uns toques, vai ensinar como dirigir, isso é importante", alerta Marreco.

O atleta lamenta o acidente com Benício e fica aliviado por não ter sido ainda mais grave. Ele espera que sirva de alerta aos pais e praticantes para os cuidados necessários antes de ir para a água com a prancha.

"É uma propaganda negativa, foi um acidente com o filho de uma pessoa famosa - e a gente nem sabe se estava fazendo wakeboard ou wakesurf, que é uma prancha de surfe em que você vai atrás do barco, e é solta no pé. De qualquer forma, serve para as pessoas verem que precisam procurar algum tipo de informação, isso ainda falta um pouco no Brasil", declara Marreco.

Errata: o texto foi atualizado
A foto em destaque exibida primeiramente nesta notícia era de um praticante de slalom, e não de wakeboard. A foto foi trocada.
Diferente do informado anteriormente nesta notícia, o filho de Luciano Huck que se acidentou praticando wakeboard foi o Benicio, e não o Joaquim. O erro foi corrigido.

Mais Esporte