PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Romário proíbe na Justiça modelo transexual de falar sobre suposto caso

Aiuri Rebello

Do UOL, em Brasília

02/04/2014 16h47

O deputado federal Romário (PSB-RJ) conseguiu na Justiça proibir a modelo transexual Thalita Zampirolli, de 25 anos, de falar publicamente sobre um suposto relacionamento amoroso que teria mantido com o ex-craque da seleção brasileira ou exibir fotos e vídeos dos dois juntos, caso este material exista. Se não cumprir a ordem judicial, Thalita terá que pagar R$ 10.000 de multa por cada vez que ela lembrar a história, em público ou na imprensa.

Romário nega o envolvimento amoroso com a modelo transexual. Tudo começou em dezembro do ano passado, quando o deputado foi fotografado deixando uma casa noturna no Rio de Janeiro de mãos dadas com Thalita. De acordo com o jornal carioca "Extra" na época, o ex-jogador tentou obrigar o fotógrafo a apagar as fotos feitas na porta da balada.

A foto "viralizou" nas redes sociais e foi compartilhada milhares de vezes. Poucos dias depois, Romário usou sua página no Facebook para publicar a imagem e explicar o episódio. "De acordo com esta foto, estão colocando mais uma na minha conta, só que dessa vez uma transgênero", afirmou ele na ocasião. "O nome dela é Thalita, gente boa, sangue bom, inclusive é minha camarada, minha parceira e de alguns amigos meus também", começava o baixinho.

 “Há algum tempo, disse que respeito o gosto pessoal de qualquer pessoa, mas volto a afirmar: eu gosto de mulher!”, explica. Após a divulgação da foto, Thalita ganhou notoriedade e desmentiu Romário em entrevistas, dizendo que teve sim o caso com ele. 

De acordo com a decisão da 25ª Vara Cível de Brasília a proibição é provisória, enquanto Thalita não apresenta sua argumentação e o mérito do processo não é julgado pela corte. Além da proibição de divulgação de detalhes, fotos e vídeos do suposto caso por parte de Thalita, Romário pede no processo que move contra a modelo R$ 100.000 de indenização por danos morais.

Romário pretendia ainda proibir Thalita de mencionar seu nome em qualquer situação ou condição, mas a Justiça não aceitou. "Deflui dos autos que a autor e a parte ré saíram de mãos dadas de casa de shows na cidade do Rio de Janeiro em 13 de dezembro de 2013, fato afirmado pelo autor [Romário]", afirma o juiz Julio Roberto dos Reis em sua decisão.

"Porém, tal evento não permite, em tese, à parte demandada [Thalita] divulgar imagens ou mesmo narrar eventual (is) encontro (s) íntimo (os), cuja exposição, a princípio, malfere a regra de confiança, caracteriza abuso de direito e tem o condão de macular a intimidade, com potencialidade lesiva a direito de personalidade, ainda que o autor seja pessoa pública e alvo da curiosidade de grande parte da população", conclui ele ao prover parcialmente a causa de Romário.

Procurado pela reportagem o deputado, por meio de sua assessoria de imprensa, informa que não irá mais comentar o caso. Até a publicação desta matéria, a modelo Thalita Zampirolli não foi localizada para falar da polêmica. Atualmente ela participa de um quadro no programa "Pânico na Band", da TV Bandeirantes.

Esporte