PUBLICIDADE
Topo

Esporte


Medina vence e segue com Italo na briga pelo título mundial de surfe

Gabriel Medina, durante etapa de Pipe Masters - WSL / Sloane
Gabriel Medina, durante etapa de Pipe Masters Imagem: WSL / Sloane

Do UOL, em São Paulo

19/12/2019 15h45Atualizada em 19/12/2019 18h02

Gabriel Medina segue vivo na briga pelo título do Circuito Mundial de Surfe (CT) de 2019. Em uma bateria com final polêmico, o brasileiro venceu seu compatriota Caio Ibelli, hoje, nas oitavas de final do Pipe Masters, a última etapa do ano, e se manteve na disputa para ser campeão com o também brasileiro Italo Ferreira.

Italo avançou às oitavas logo na primeira bateria do dia, após mais de uma semana sem competição pela má condição do mar em Pipe. O líder do raking mundial bateu o brasileiro Peterson Crisanto por 11,84 a 4,23.

Já Medina caiu na água na quinta bateria das oitavas. O bicampeão levou a melhor contra Caio Ibelli por 4,23 a 1,13, mesmo com uma interferência em uma bateria com um final polêmico.

Medina somava mais pontos e entrou de propósito na frente de Caio, que tinha a prioridade na última onda, para evitar que seu adversário tivesse a chance de virar a bateria nos segundos finais. Desta forma, Medina foi punido com uma interferência e teve sua segunda maior onda retirada do somatório. Porém, a nota de sua melhor onda (4,23) era maior que a somatória das duas melhores ondas de Caio (0,63 e 0,50), o que manteve o bicampeão na frente de seu compatriota no final da bateria mesmo com a interferência.

"Eu sabia o que estava fazendo. Ele falou: 'o que você fez?'. E eu falei: 'está tudo bem'. Está nas regras, eu joguei o jogo. Espero que o mar melhore, porque está difícil. Não encontrei nenhuma onda boa. Estou focado na próxima", disse Medina após a bateria.

Já Caio explicou que viu o técnico e padrasto de Medina, Charles, gritando para que Medina bloqueasse seu adversário. "Ele fez um sinal de ok para o pai dele. Acho que nunca vi isso. É o que um vencedor pode fazer, faz qualquer coisa para vencer. É o pensamento de um campeão, me motivou, vou treinar mais, estudar mais e vou levar a melhor na próxima. Eu perguntei o que tinha sido aquilo, ele pediu desculpa, e eu: 'Desculpa o que?'. Isso me motiva a vencê-lo da próxima vez", contou Caio.

Medina e Caio protagonizaram outra polêmica na penúltima etapa do ano, em Peniche, Portugal. O bicampeão mundial foi eliminado nas oitavas de final após cometer uma interferência contra Caio, que tinha a prioridade no momento. Medina chegou a pedir revisão para a Liga Mundial de Surfe (WSL), mas não foi atendido. Ele alegava que a prioridade deveria ser sua. Mais tarde, Caio usou as redes sociais para lamentar os ataques na web que recebeu após a vitória contra seu compatriota.

De volta ao Pipe Masters, Medina pegará o havaiano John John Florence nas quartas de final, enquanto Italo enfrenta o também brasileiro Yago Dora. Só Italo e Medina seguem na disputa pelo título. A vantagem é de Italo. Ele levará o caneco se vencer a etapa ou se for eliminado na mesma fase que Medina em Pipeline. Já o bicampeão chegará ao tri se vencer o Pipe Masters ou se acabar a etapa uma fase à frente de Italo.

Além deles, o americano Kolohe Andino também começou o dia com chances de título, mas precisava ser campeão em Pipe e torcer para Italo e Medina serem eliminados nas oitavas. Como os dois brasileiros avançaram às quartas, Kolohe acabou fora da disputa.

Os dois já estão classificados para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Eles garantiram as duas vagas que o Brasil tem direito pelo Circuito Mundial.

Esporte