Topo

Esporte


Com nota 10, Medina vira, vai à semi e fica a uma bateria de ser bicampeão

Gabriel Medina pega tubo em Pipeline - brian bielmann / AFP
Gabriel Medina pega tubo em Pipeline Imagem: brian bielmann / AFP

Do UOL, em São Paulo

17/12/2018 19h23

Gabriel Medina está a uma bateria de se sagrar bicampeão mundial. Nesta segunda-feira (17), o brasileiro reagiu após ficar em situação complicada em sua bateria nas quartas de final contra o americano Conner Coffin, mas virou com direito a uma nota 10 e avançou à semifinal em Pipeline (Havaí), na última etapa do Circuito Mundial de Surfe (WCT).

Medina podia ser campeão fora d'água se o australiano Julian Wilson, único com chances de tirar o título do brasileiro, perdesse nas quartas contra o francês Joan Duru, mas ele venceu e se manteve vivo na briga. Mesmo assim, o surfista de Maresias ainda só depende de si e ficará com o bi se vencer na semifinal e chegar à final.

Logo no começo da bateria, Medina e Conner remaram juntos, mas o americano estava mais bem posicionado, conseguiu surfar a onda e recebeu nota 6,83. Depois, Conner pegou outro tubo e ganhou 6,77, o que deixou o brasileiro na combinação. A situação do surfista de Maresias ficou mais complicada quando o americano recebeu nota 7,43.

Porém, Medina respondeu com sua primeira boa onda na disputa e obteve 9,43. Pouco depois, o brasileiro pegou belo tubo e conquistou a primeira nota 10 da competição para virar a bateria e ficar com um somatório quase perfeito: 19,43 contra 14,26 de Conner.

Veja a nota 10 de Gabriel Medina:

Mais Esporte