! UOL Esporte - Retrospectiva 2006

UOL EsporteUOL Esporte
UOL BUSCA


Arte UOL

Conquista inédita de Marilson em Nova York, ouros
da ginástica e futebol de areia salvam ano do Brasil

Após o grande desfecho de 2005, o Brasil perdeu um pouco o brilho e não se manteve à altura as conquistas mundiais do ano passado. As vitórias, raras, foram garimpadas de um ano sem Mundiais. A principal delas veio apenas em novembro, com o maratonista Marilson Gomes dos Santos, que tornou-se o primeiro sul-americano a vencer uma das tradicionais provas do atletismo mundial, a maratona de Nova York. O brasileiro pôs fim ao domínio dos africanos, que dominavam o pódio americano desde 1996.

Ainda no atletismo vieram outras boas surpresas. No salto com vara, Fabiana Murer quebrou o recorde sul-americano em quatro oportunidades. A paulista de Campinas chegou a 4,66 m e conquistou a medalha de prata na Copa do Mundo de seleções, em Atenas, em setembro. Fabiana só ficou atrás da russa Yelena Isinbayeva, dona do recorde mundial da prova (5,01 m). O triplista Jadel Gregório, com um salto de 17,41 m, conquistou a medalha de prata, atrás apenas do americano Walter Davis, que anotou 17,54 m, 11 centímetros a mais do que o brasileiro.

Crédito Fabiana Murer Quebrou o recorde sul-americano do salto com vara 4x
Crédito Maurren Maggi
Saltadora é ouro no Troféu Brasil após três anos fora
Crédito Jadel Gregório
Triplista conquista a prata na Copa do Mundo de seleções
Outro ganho para o país foi a volta da saltadora Maurren Maggi. Após três anos de ausência nas competições intenacionais devido à sua suspensão por doping e ao nascimento de sua filha, Maurren saltou 6,84 m para levar o ouro do Troféu Brasil e confirmar sua melhor marca do ano, e a 9ª posição entre as 10 melhores marcas do mundo em 2006.

No âmbito internacional, o jamaicano Asafa Powell estabeleceu um novo recorde mundial para a prova dos 100 m rasos, a mais veloz e importante do atletismo. Aos 22 anos, Powell marcou 9s77 durante o meeting de Atenas, na Grécia. A marca anterior (9s78) pertencia ao norte-americano Tim Montgomery, alcançada em 2002, em Paris.

Único homem do mundo a correr os 100 m abaixo de 10 segundos em 2005, Powell já havia conseguido os dois melhores tempos do ano. A conquista de Asafa Powell traz alívio à Iaaf. O jamaicano tem um histórico irretocável.

No boxe, entretanto, o ano foi marcado, no final, por duas grandes perdas. Dono de quatro títulos mundiais pela OMB (Organização Mundial de Boxe) e AMB (Associação Mundial de Boxe), Acelino de Freitas, o Popó, anunciou sua aposentadoria em outubro com muita comoção. Dois meses depois, porém, já pode voltar aos ringues. Outro revés partiu de uma conquista internacional - e meteórica: em janeiro, Valdemir Pereira, o Sertão, levou o título mundial dos penas da FIB (Federação Internacional de Boxe), contra o tailandês Phafrakorb Rakkietgym, por pontos, em luta de 12 rounds. Cinco meses depois, porém, o brasileiro perdeu o cinturão ao ser desclassificado por um golpe baixo em combate contra o norte-americano Eric Aiken.

Camila Comin
Presente no Mundial, ginasta se aposentou aos 23
Folha Imagem
João Derly
Campeão mundial em 2005 desfalcou seleção, lesionado
Crédito
Sertão
Pugilista perdeu cinturão dos penas por golpe baixo
Crédito
E para quem viu outra consagração de um campeão mundial em 2005, o judô ficou apenas com o sétimo lugar no Mundial por equipes, na França. A seleção, formada pelos medalhistas olímpicos Leandro Guilheiro, Flávio Canto e Tiago Camilo, os medalhistas em mundiais Luciano Correa e Mario Sabino, além de Denílson Lourenço, Leandro Cunha, Moacir Mendes Jr, Hugo Pessanha e Daniel Hernandes, ficou desfalcada do campeão mundial João Derly, submetido a uma artroscopia no ombro esquerdo.

A falta de medalhas de ouros só foi sanadana última competição do ano da ginástica artística, a Super Final da Copa do Mundo, no Ibirapuera. Impulsionados pela torcida, Daiane dos Santos e Diego Hypólito se vingaram do Mundial sem ouros da Dinamarca e conquistaram os melhores resultados do ano da modalidade. Hypólito, que no Mundial teve a chance do bicampeonato no solo roubada pelo romeno Marian Dragulescu, e teve que se contentar com a prata, deu a volta por cima na Copa do Mundo.

Hypólito contou com a ausência de Dragulescu no solo para conquistar o ouro, o bicampeonato na competição (que é bienal) e consagrar o movimento que leva seu nome, o "Hypólito", que consiste em um salto duplo twist carpado com pirueta. No feminino, Daiane dos Santos também aproveitou a chance da desforra em casa do fraco quarto lugar no Mundial e levou o ouro no solo, com um novo movimento em sua série.

A chuva de medalhas continuou com Laís Souza e Daniele Hypólito. Se no Mundial a seleção brasileira formada por Laís Souza, Daiane dos Santos, Daniele Hypolito, Camila Comin, Juliana Santos e a estreante Bruna Costa ficou com o histórico, porém fraco, sétimo lugar por equipes, as ginastas se superaram no individual.

Ainda no solo, o Brasil levou três atletas à final, um feito histórico, que reuniu as oito melhores do ranking. Laís Souza ficou com a medalha de bronze; e Daniele Hypólito terminou em quarto lugar. Laís, que já tinha se destacado no Mundial com o quarto lugar no salto, levou prata no aparelho, atrás apenas da campeã mundial, chinesa Fei Cheng. Em meio às conquistas, Camila Comin manchou o desfecho ao anunciar, em dezembro, sua aposentadoria da seleção brasileira aos 23 anos.

Se os Mundiais passaram em branco, houve espaço para uma modalidade recuperar sua superioridade, o futebol de areia. No Mundial da Fifa, realizado em Copacabana, no Rio, o Brasil fez a alegria dos torcedores e retomou o domínio da disputa, perdido para Portugal em 2006, algoz dos brasileiros na semifinal. Na decisão, o Brasil goleou Uruguai por 4 a 1 e conquistou o título, inédito.
Doping marca ciclismo e pune Gatlin
O ano de 2006 também foi marcado por casos de doping.

O principal deles manchou a Volta da França, o torneio mais tradicional do ciclismo. O vencedor, o norte-americano Floyd Landis, teve que devolver o título após ser flagrado em exame antidoping para testosterona.

A UCI (União Internacional de Ciclismo) anunciou o vice da competição, o espanhol Oscar Pereiro, como novo campeão. Landis perdeu contrato com a equipe Phonak, e deve ser suspenso por dois anos.

Grande rival do jamaicano Asafa Powell, o velocista campeão mundial e olímpico dos 100 m, o americano Justin Gatlin, surpreendeu o mundo ao ser pego em um exame antidoping, também por testosterona.

O atleta foi suspenso pela Agência Antidoping dos EUA por oito anos.

A norte-americana Marion Jones, três vezes medalhista de ouro em Sydney, foi acusada pelo uso de EPO (eritropoetina). Em contraprova, porém, seu exame deu negativo e Marion foi inocentada.


COMO O UOL NOTICIOU
Crédito
Após série de boatos, Popó confirma sua aposentadoria aos 30
Crédito
Brasileiro Marilson
dos Santos vence a Maratona de Nova York
Folha Imagem
Hypólito perde Mundial, mas é ouro na Final da Copa do Mundo
Folha Imagem
Daiane apaga no Mundial, mas leva ouro na Copa do Mundo
Crédito
Fabiana Murer é prata no salto com vara na Copa do Mundo
EFE
Brasil bate Uruguai e conquista título inédito da Copa do Mundo
Reuters
Aos 23 anos, ginasta Camila Comin anuncia aposentadoria precoce