Como será o Palmeiras-2019?

Campeão brasileiro, clube alviverde começa a temporada com elenco mais completo do futebol brasileiro

Danilo Lavieri Do UOL, em São Paulo

O Palmeiras tem como principal trunfo a manutenção da base do time que foi campeão brasileiro em 2018. Sem ter vendido nenhum atleta até aqui, a equipe poderá colocar à disposição de Felipão os mesmos nomes que o treinador teve durante toda a temporada passada, com exceção de Willian, que está machucado e só volta no segundo semestre.

Além disso, o Alviverde acertou com cinco reforços: Matheus Fernandes, volante do Botafogo, Carlos Eduardo, atacante do Pyramids (EGI), Felipe Pires, atacante do Hoffenheim, Zé Rafael, meio-campista do Bahia, e Arthur Cabral, atacante do Ceará.

Além disso, o Palmeiras segue a estratégia de ter até em alguns casos três nomes fortes por posição, como no gol, que conta com Weverton, Fernando Prass e Jailson.

Borja no banco de Deyverson

Por Julio Gomes, blogueiro do UOL

O time que considero ideal do Palmeiras é essencialmente o do ano passado - ou pelo menos aquele que Felipão parecia preferir nos jogos grandes de fim de temporada.

Mayke ganhou a posição de Marcos Rocha ao longo do ano, e Moisés é um jogador mais completo que Lucas Lima. No lugar de Willian, contundido, Gustavo Scarpa poderia ter uma chance. E prefiro Deyverson do que Borja - acho que Felipão também.

É necessário esperar para saber o que os reforços apresentarão. Raphael Veiga é um candidato ao meio de campo, e Arthur ao comando de ataque, que, na minha opinião, é o ponto fraco deste Palmeiras.

Daniel Vorley/AGIF

Com rodízio, ataque é dúvida

Como manteve a base de 2018, Felipão deve repetir a mesma estratégia que teve na temporada passada, com o rodízio entre seus atletas nas diferentes competições. O clube deverá ter escalações diferentes quando estiver jogando a Copa Libertadores ao mesmo tempo do Campeonato Paulista ou do Brasileirão.

As maiores dúvidas estão no ataque. Uma delas fica por conta da substituição de Willian, machucado e recuperando-se de uma cirurgia no joelho. Gustavo Scarpa pode ser o escolhido, mas briga com reforços como Zé Rafael, Carlos Eduardo e Felipe Pires.

O outro ponto de interrogação é na função de centroavante. Borja foi o artilheiro do time em 2018, mas Deyverson tem um estilo que agrada mais Felipão, brigando por bolas aéreas e ajudando mais na marcação. Quem vai jogar nos duelos mais decisivos do ano?

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

R$ 60 milhões em reforços

Com as cinco contratações confirmadas para 2019, o Palmeiras gastou aproximadamente R$ 60 milhões. O clube vive momento financeiro saudável e tem fontes de receita sólidas como o Allianz Parque e o programa de sócio-torcedor Avanti. Além, é claro, do patrocínio da Crefisa, que já fez aportes milionários para ajudar a contratar jogadores no passado.

Confira o que foi investido em cada reforço:

Carlos Eduardo (Pyramids-EGI) - R$ 23 milhões
Arthur Cabral (Ceará) - R$ 5,5 milhões
Zé Rafael (Bahia) - R$ 14,5 milhões*
Matheus Fernandes (Botafogo) - R$ 16,5 milhões
Felipe Pires (Hoffenheim-ALE) - empréstimo

* valor que foi só para o Bahia

E a base, como fica?

Hoje, posso te dizer que o Palmeiras, antes de contratar, analisa a base. Se, na avaliação da comissão, a base supre as necessidades, não trazemos ninguém de fora. Se a gente está trazendo, é porque quem está de olho todo dia neles, avaliando tecnicamente, fisicamente e até emocionalmente, acha que eles ainda não estão prontos

Ler mais

Alexandre Mattos, diretor de futebol do Palmeiras

Topo