"É muito difícil de escapar"

Campeão brasileiro de 2009, Andrade discute racismo, Libertadores e Jesus. E avisa: "Acabou isso de cheirinho"

Vanderlei Lima Do UOL, em São Paulo
Ricardo Borges/UOL

Paralelo entre time histórico de 1981 e o Fla de Jesus

Andrade, aos 62 anos, está empolgado com o Flamengo de 2019. A confiança é tão grande que ele até mesmo compara a equipe atual, que lidera o Brasileirão, ao histórico time de 1981, campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes.

"É um time muito parecido na forma de jogar. Tem uma alegria, entendeu? Joga pra frente, no campo do adversário, não tem medo de correr risco, como era aquele nosso time", comentou o ex-volante.

"Aquele time nosso, eu sempre falo, era mágico. Era um time que muitas vezes estava perdendo de 2 a 0 e a gente nunca se desesperava, era um time frio e virava o placar. O torcedor sempre acreditava. Esse time do Jesus de hoje está no mesmo caminho".

Opinião de peso, já que Andrade não é um ex-jogador qualquer. O ex-volante era um dos pilares daquele grupo campeão e, além disso, é o técnico do último grande Flamengo, aquele de 2009, com Petkovic e Adriano que foi campeão nacional após 17 anos.

Nesta entrevista, Andrade falou sobre cheirinho do Fla, avisou que um título em 2019 "é difícil de escapar" e que o time pode ser campeão "do Brasileiro e da Libertadores", mas também ficou sério quando o assunto foi racismo: Andrade foi o último técnico negro a ser campeão do Brasileirão.

É um time para ganhar a Libertadores e ganhar o Brasileiro. Agora, tem que estar determinado para isso, e esse grupo atual do Flamengo está determinado a isso

Andrade

Ricardo Borges/UOL Ricardo Borges/UOL

"Cheirinho" não! É superior ao Grêmio

A brincadeira do time do "cheirinho" acompanha o Flamengo desde 2016, quando a torcida consagrou o termo durante o Brasileiro. Na oportunidade, os cariocas chegaram a liderar a competição, mas no fim o título ficou com o Palmeiras. Andrade diz que a competência do Fla 2019 tende a acabar com qualquer gozação.

Pelo momento que esse time está vivendo hoje, é muito difícil de escapar. Eu acho que aquele 'cheirinho' já passou. Hoje já é uma realidade".

"O Flamengo leva uma certa vantagem, individualmente. Tem os melhores jogadores. O Grêmio tem uma vantagem do quê? Já tem um grupo jogando há mais tempo junto, deve ser uns quatro anos, tem um pouco mais conjunto. Mas, individualmente, o time do Flamengo é mais talentoso", opinou.

O duelo brasileiro na semifinal da Libertadores será definido na semana que vem, no dia 23, no Maracanã. No primeiro jogo, empate em 1 a 1.

João Vitor Rezende Borba/Agif João Vitor Rezende Borba/Agif

Jesus é o melhor técnico do futebol brasileiro

A cara do Flamengo na temporada mudou a partir do momento que Jorge Jesus assumiu o comando do time, pouco depois da saída de Abel Braga. Hoje, o português de 65 anos tem nas mãos a equipe mais badalada do futebol nacional. Para Andrade, o estrangeiro é o melhor treinador em atividade no país.

"Com o time que ele tem nas mãos, tem que se dizer isso, é o Jesus. Eu não sei hoje se ele estivesse no Fluminense ou no Vasco, se estaria realizando o mesmo trabalho, entendeu?", comentou.

"O Renato Gaúcho esteve por muito tempo fazendo um grande trabalho, e agora o time do Grêmio teve uma queda. Mas hoje não tem como discutir, o Jesus hoje faz o melhor trabalho, mais pela qualidade do time, que ajuda muito o treinador", complementou.

Por mérito deles, estão aqui no nosso país. Penso que deveria ser a mesma coisa lá também. Nós, treinadores brasileiros, deveríamos ter a mesma facilidade lá fora. É mais difícil, há muitas exigências. Fala-se muito por aí: 'ah, treinador brasileiro é ultrapassado'. Mas somos pentacampeões do mundo, temos cinco títulos mundiais

Andrade, campeão brasileiro com o Fla em 2009, em comentário sobre técnicos estrangeiros no país

Ricardo Borges/UOL Ricardo Borges/UOL

Quase vilão na final de 1981

Uma autêntica guerra esportiva marcou a decisão da Libertadores de 1981, no terceiro e decisivo jogo em Montevidéu, no Uruguai (campo neutro). Ao todo cinco jogadores foram expulsos na partida em que o Flamengo derrotou os chilenos do Cobreloa para conquistar seu único título da Libertadores. Andrade esteve nesta lista de cartões vermelhos e temeu virar vilão naquele dia.

O volante foi expulso quando o placar apontava 1 a 0 a favor do Flamengo. Poucos minutos depois de uma agressão a Júnior, Andrade acabou revidando e levou o vermelho, mesmo sem o amarelo antes disso. Naquele momento o Cobreloa já havia perdido um jogador também.

"Vem na tua cabeça: que besteira que eu fiz. O jogo daquela importância, mas foi um jogo de muita provocação, e tu vai para o jogo para tudo ou nada. E às vezes você acaba perdendo a cabeça. Era o jogo da vida", relembrou.

"Mas no final deu tudo certo. O Zico fez o segundo gol de falta e deu tranquilidade para a gente, foi 2 a 0, mas nós poderíamos ter feito quatro e tivemos todo o controle do jogo", afirmou.

Ricardo Borges/UOL Ricardo Borges/UOL

Chance no Fla livrou a família de despejos

Mineiro de Juiz de Fora, Andrade chegou ao Flamengo aos 17 anos, vindo de um histórico familiar de muita dificuldade. A oportunidade em um grande do país significava, acima de tudo, um alívio material para a família.

"Nós fomos despejados várias vezes. Umas três, quatro vezes, porque não tinha dinheiro para pagar aluguel. Uma das coisas que eu falei quando ia começar ganhar dinheiro era comprar um apartamento para a minha família, aí eles nunca mais vão ter problema com despejo, porque ficamos até traumatizados", recordou.

O conto de fadas do volante foi relativamente rápido, com uma breve escala no time da cidade. Uma chance meio ao acaso o levou a se juntar à melhor geração da história do Flamengo.

"Eu morava num bairro modesto em Juiz de Fora chamado Monte Castelo. Jogava no time do meu bairro, chamado Vila Branca. Tive o convite para jogar no Tupi, que é o time da cidade. Fui lá fazer um teste na base, fui aprovado e fiquei uns três meses. Aí apareceu um senhor lá e perguntou se eu não queria fazer um teste no Flamengo. Na época foi eu e mais uns quatro. Fui aprovado. Voltei à minha cidade porque eu era de menor de idade, para os meus pais assinarem. Foi em 1974, estou no Rio até hoje."

Também fui campeão brasileiro com o Vasco. Sou recordista de Brasileiro, tenho seis (cinco como jogador, uma como treinador). A minha história foi tão grande, tão extensa no Flamengo, que o torcedor não se importa com este título com o Vasco. Eles não se lembram

Andrade, sobre o título nacional de 1989

Ricardo Borges/UOL Ricardo Borges/UOL

"Se você parar para pensar, não tem diretor negro, também"

A lista de ídolos do futebol brasileiro é cheia de personagens negros. Técnicos, porém, são raros. Andrade, ídolo da década de 1980 no Flamengo, é um deles. Em 2009, era o comandante do Fla campeão do Brasileirão. Foi o último treinador a se identificar como negro a levantar o título nacional.

Antes dele, apenas outros dois foram campeões. Carlinhos Violino, chamado assim por sua maestria com a bola nos pés e ídolo do mesmo Fla de Andrade dos anos 80, venceu com o clube os torneios de 1987 e 1992. Vanderlei Luxemburgo, que se declarou negro em entrevistas, é pentacampeão (com Palmeiras, em 1993 e 1994, Corinthians, em 1998, Cruzeiro, em 2003, e Santos, em 2004).

"É difícil falar sobre isso", admite Andrade. "Se você parar para pensar, não tem diretor negro, também. Não tem nem mesmo treinador negro. Tem o garoto do Bahia, o Roger Machado, fazendo um bom trabalho", completa.

Foi o próprio Roger quem levantou a questão no último fim de semana. Após a derrota do Bahia para o Fluminense, ele fez um discurso sobre como o racismo é estrutural no Brasil. Incluindo no futebol. Naquele jogo, Roger enfrentou o ex-volante Marcão. Os dois são negros e entraram em campo com camisetas do Observatório da Discriminação Racial no Futebol com #chega de preconceito nas costas.

"A estrutura social é racista, sempre foi racista. Nós temos um sistema de regras que é estabelecido pelo poder do Estado, das comunicações, da igreja. Quando esses poderes não enxergam ou não querem aceitar e assumir que o racismo existe, que é preciso corrigir esse curso, eles dizem que estamos nos vitimando ou que existe racismo reverso", afirma Roger.

Além de fazer um recorte histórico sobre o racismo no país, citou também a ausência de mais treinadores negros na elite do futebol brasileiro. "O preconceito que sofri não foi de injúria racial. O que sofro é quando vou a um restaurante e só tem eu de negro. Fiz uma faculdade onde só eu era negro. As pessoas podem falar que não há racismo porque estou aqui e eu nego: há racismo porque só eu estou aqui".

Ricardo Borges/UOL Ricardo Borges/UOL

O título de 2009 e o desabafo

Andrade já sofreu com esse racismo que Roger cita. Funcionário do Flamengo, ele assumiu o time como interino seis vezes. Só foi efetivado na sétima vez. Segundo ele, por sua cor. "Como no início de todas as profissões a gente é visto com desconfiança. Muitos não acreditavam que poderíamos conseguir, principalmente porque tem o negócio da minha cor", contou, em entrevista ao UOL em 2009, pouco depois de ser campeão nacional com o Fla.

Alguns anos antes, ele já tinha sido alvo de uma crítica ainda mais dura: "Em 2004, quando eu e Adílio assumimos o time do Flamengo, um diretor das categorias de base disse que o futebol tinha virado 'Urubu Flamengo'. Foi um comentário maldoso, errado e desrespeitoso comigo e com Adílio".

1% de chance de ser campeão

O desabafo veio após um título surpreendente. Há dez anos, contra todas as probabilidades, Andrade levou o Flamengo ao hexacampeonato brasileiro. Seu time chegou a estar dez pontos atrás do então líder Palmeiras, na 27ª rodada, mas aos poucos foi recuperando terreno até a consagração na rodada final, diante do Grêmio no Maracanã.

"Eu conhecia bem o grupo, sabíamos das dificuldades que cada um estava passando. Todo mundo achava que o Flamengo iria brigar para não cair, os matemáticos davam 1% de chance de ser campeão, mas as coisas foram tomando outro rumo. Ficamos seis jogos sem perder, o time começou a ganhar confiança", acrescentou.

Vitórias emblemáticas como contra o Palmeiras no antigo Palestra Itália, com golaço de Petkovic, acabaram enchendo o time de confiança. A liderança chegou na penúltima rodada, graças ao triunfo sobre o Corinthians, em jogo disputado em Campinas. Ali a equipe de Andrade deixava palmeirenses, são-paulinos e colorados para trás.

Ricardo Borges/UOL Ricardo Borges/UOL

Culpa Patrícia Amorim por saída: "foi política"

Meses depois de conquistar o título brasileiro, Andrade acabou demitido do cargo de treinador. Segundo o ídolo, a substituição foi planejada nos bastidores do clube. "Em 2009, o presidente era o Delair Dumbrosck. O Flamengo já estava há 17 anos sem ser campeão brasileiro, fomos campeões no domingo e no dia seguinte eram as eleições. Para a surpresa geral, o Delair acabou perdendo, aí veio a Patrícia Amorim. A Patrícia é uma pessoa política e implantou a política dentro do clube.

"Ficaram esperando um tropeço meu, e qual foi o tropeço? Em 2010 estávamos disputando o Carioca e a Libertadores. A Libertadores era a prioridade, todo mundo sabia. Nós chegamos na final do Carioca com 8 pontos à frente do segundo colocado, que era o Botafogo. Fomos fazer a final, o que aconteceu? Perdemos a final num jogo que o Adriano perde um pênalti. Mas a gente classificado para as oitavas da Libertadores e pegaram isso como pretexto. Me demitiram

Andrade então foi substituído pelo interino Rogério Lourenço, que acabou sendo efetivado no cargo. A equipe foi até as quartas de final da Libertadores, com eliminação para a Universidad do Chile.

Era um time vencedor, perdia pouco. Aos poucos foram acabando com tudo."

Naquele momento eu fiquei muito decepcionado, porque tinha chance de ganhar aquela Libertadores. A oportunidade era muito grande, até porque eu já conhecia a Libertadores, tinha alguns clubes que a gente já tinha jogado. Você se decepciona com as pessoas. Por isso estou até hoje afastado do futebol devido à decepção que tive

Andrade, ex-técnico do Flamengo, sobre a demissão durante a temporada 2010

Ricardo Borges/UOL Ricardo Borges/UOL

Sem chances no mercado e poucas visitas à Gàvea

Mesmo com um título brasileiro pelo Flamengo no currículo, o treinador teve uma sequência de carreira pouco movimentada após a demissão na Gávea. Foram poucas oportunidades, com as passagens por Brasiliense e Paysandu como destaques. A escassez de boas ofertas obrigou o ídolo a se recolher no interior de Minas Gerais.

"Eu resolvi dar um tempo e ficar mais próximo da família. A gente passa a vida toda como jogador longe da família, viajando, concentrando, aí depois você para vai ser treinador e concentra de novo, viaja de novo, fica sem receber do clube, e isso foi me aborrecendo. Falei: vou dar um tempo", disse.

A rotina profissional esfriou, bem como a relação com o clube onde foi tantas vezes campeão. Apesar do afeto, Andrade diz que hoje frequenta muito pouco a sede do Flamengo.

"De vez em quando eu vou à Gávea, mas eu não vou ao CT onde tem os treinamentos. Na época do Bandeira (de Mello, ex-presidente), tinha uma política de ligar para avisar que você ia. Para evitar qualquer tipo de constrangimento, prefiro não ir. Hoje, ficou um pouco mais aberto com o presidente (Rodolfo) Landim, está mais maleável a coisa, mas eu não vou. Eu não vou com tanta frequência e o futuro a Deus pertence", descreveu.

Ricardo Borges/UOL Ricardo Borges/UOL

Curtiu? Compartilhe.

Topo