PUBLICIDADE
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bronze de Piu foi na prova mais forte da história do atletismo, diz Demétrio Vecchioli

Do UOL, em São Paulo

03/08/2021 15h16

O brasileiro Alison dos Santos, o Piu, conquistou a medalha de bronze inédita nos 400m com barreiras em uma prova que teve quebra de recorde mundial por parte do norueguês Karsten Warholm, além do americano Rai Benjamin e Piu correndo abaixo de uma marca de quase 30 anos, que havia sido derrubada há um mês.

Em sua participação no UOL News Olimpíadas, Demétrio Vecchioli, repórter do UOL em Tóquio, afirma que esta pode ser considerada a prova mais forte da história do atletismo.

"Eu acho que não é exagero falar que é a prova mais forte da história do atletismo e a gente não está falando do atletismo dos 400m com barreiras, a gente não está fazendo recorte da prova mais forte olímpica, a gente está falando da prova mais forte da história do atletismo, o 400m com barreira tinha até um mês atrás, dia 3 de julho desse ano, o recorde mais antigo das provas de pistas masculinas, recorde que vinha desde 1992 e que parecia inquebrável", conta Demétrio.

"O Warholm, que é um norueguês, foi lá e quebrou, superou o recorde por 8 centésimos e parecia assim, vai ser difícil superar isso, aí ele foi lá e melhorou esse recorde em 76 centésimos e não só ele, o segundo colocado, que foi o americano, também correu abaixo desse antigo recorde, muito abaixo, o Alison correu abaixo desse recorde, só 2 centésimos acima do recorde do Walholm um mês atrás", completa.

Demétrio conta que na equiparação de diferentes provas do atletismo, a final dos 400m com barreiras de Tóquio seria quebra de recorde em algumas das demais, além de os tempos dos cinco primeiros serem melhores que em quase todas as edições olímpicas na história.

"Quarto e quinto colocados também correram muito bem. Para ter uma ideia, até o quinto colocado todos ganhariam todas as provas da história da Olimpíada, a única exceção é que o quarto e o quinto não ganhariam Barcelona. É uma prova fortíssima, o atletismo tem uma tabela de pontos que permite a gente comparar o resultados dos 400m com barreiras com o resultado dos 400m, do salto em altura e etc. Nos 100m seria 9s60 o resultado do Walholm, nas outras provas, nos 200m, nos 400m e nos 800m seria todas muito acima do recorde mundial", conta.

"É um nível de desempenho nunca antes atingido no esporte, nunca antes atingido numa Olimpíada, é um feito incrível e é impressionante que o Piu esteja nessa prova. Ele não é o terceiro melhor do mundo hoje, ele é o terceiro melhor do mundo na história, isso é muito grande isso é muito legal e a gente vive dizendo que tem medalha de bronze que tem sabor de ouro, essa não tem sabor de ouro, ouro é do Warholm, o segundo colocado é o americano, a prata é do americano, o que o Piu tem é um bronze e um bronze que significa muito", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL