PUBLICIDADE
Topo

Rayssa Leal registra encontro com Tony Hawk após ser 'lançada' por ele

Do UOL, em São Paulo

24/07/2021 13h58

Ivan Moré exibiu no UOL News Olimpíadas o encontro da skatista Rayssa Leal com o ídolo Tony Hawk durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, que foi o responsável pela repercussão de um vídeo dela fazendo manobras com skate aos 6 anos e o programa debateu se a pressão em uma atleta de 13 anos não poderia ser prejudicial a ela.

Demétrio Vecchioli acredita que não deve ser o caso dela, mas reprova a possibilidade de atletas tão jovens competirem em Olimpíadas pelo precedente que se abre com a liberação e o quão prejudicial isso pode ser na carreira e na vida dos atletas que carregam a responsabilidade no maior evento esportivo do mundo, tanto na questão física quanto psicológica.

"No Brasil, não pode jogar os Jogos Escolares com 13 anos, só pode jogar com 14 anos. Existe proibição em outras modalidades, na natação, na ginástica e nos saltos ornamentais. Na ginástica e nos saltos, principalmente porque o corpo pequeno é bom, então quem quer ganhar resultado, quem quer fabricar resultado, força quem tem 11 anos a entregar o resultado cedo para depois descartar aos 19 anos", diz Demétrio.

"Para a Fadinha, a família dela, ainda que ela seja um arrimo de família, ela sustente a família, talvez não seja uma pressão, só que quando você abre um precedente, você não coloca uma regra você permite que outros países, ou outos brasileiros em outros contextos, de outras famílias, com 11 e 12 anos, se sintam obrigados a treinar por horas, se sintam obrigados a ter resultado, para serem descartados logo", explica o jornalista.

O colunista do UOL reforça sua posição contrária sobre crianças competirem com adultos e cita que Rebeca Andrade, ginasta que está em Tóquio para a Olimpíada, poderia ter competido quando criança se não houvesse uma proibição, mas isso acarretaria problemas posteriores.

"A Rebeca, que hoje está brigando por medalha na ginástica, se ela pudesse, com 11 anos ela estavam a Olimpíada, ela não foi com 11 anos, com 12, porque não podia. E não podia porque se ela fosse com 12 anos para a Olimpíada, se ela já treinasse como adulta aos 12 anos, aos 18 ela estaria arrebentada, então existe um porquê. Eu sou contra crianças nos Jogos Olímpicos, sou contra crianças competindo em alto rendimento, sou contra crianças competindo contra adultos", conclui.