UOL Olimpíadas
BUSCA




RECEBA O BOLETIM
UOL ESPORTE
 

 
30/09/2004 - 00h01
Fim dos Jogos abre sucessão no Comitê Paraolímpico

Por Fernando Itokazu
Da Folhapress
Em Atenas (Grécia)

Encerrada a Paraolimpíada de Atenas, o Comitê Paraolímpico Brasileiro se prepara agora para organizar seu processo eleitoral.

Embora ainda não haja nenhum candidato oficial, é quase certo que esta será a primeira vez que haverá disputa pelo comando da entidade que dirige o esporte paraolímpico no país.

O pleito deve ser realizado em fevereiro de 2005. E o colégio eleitoral está baseado em quatro entidades filiadas: Abradecar (Associação Brasileira de Desportos em Cadeiras de Rodas), Abdem (Associação de Desportos de Deficientes Mentais), ABDC (Associação Brasileira de Desportos para Cegos) e Ande (Associação Nacional de Desporto para Deficientes).

Para a assembléia geral, cada entidade indica um delegado. Além disso, cada filiada tem direito a nomear novos delegados -no máximo cinco- de acordo com o número de suas modalidades esportivas que estiveram no programa dos Jogos de Atenas.

A disputa eleitoral é importante para a definição do futuro dos atletas. Os 98 membros da delegação brasileira que competiu em Atenas devem receber a bolsa paraolímpica (de R$ 700) só até dezembro. Depois disso, ainda não há definição sobre o assunto.

Até a competição na Grécia, os medalhistas em Sydney-2000 recebiam também, além da bolsa, um bônus. Esse premio variava de acordo com a medalha obtida. O ouro valia R$ 3.000, a prata, R$ 1.800, e o bronze, R$ 1.200.

O presidente do CPB, Vital Severino Neto, disse que o assunto não o preocupa porque "em novembro ou dezembro já deve ser sabido quem será o presidente".

O dirigente afirmou que estaria sendo "hipócrita" se dissesse que não gostaria de continuar no cargo -o estatuto do CPB permite uma única reeleição.

Apesar de admitir sua intenção, Severino não quis se alongar sobre o assunto em Atenas. Disse que isso poderia atrapalhar o desempenho dos competidores. No último dia da Paraolimpíada, quando faltava apenas a final do futebol de 5, ele disse que era uma questão que será debatida somente quando voltasse ao Brasil.

Postura parecida é adotada por Ciraldo de Oliveira Reis, presidente da Abradecar e apontado como um dos nomes fortes da oposição. "Não há discussão em torno disso (eleição) agora", declarou Reis. "Isso vai acontecer de maneira natural."

O dirigente, por enquanto, nega qualquer pretensão de substituir Severino. "Eu apóio o movimento paraolímpico", afirmou ele. "Não sou candidato e, se for, você pode me chamar de moleque."

Das quatro entidades filiadas ao CPB, a Abradecar é a única que aparece no site do comitê com a situação cadastral irregular.

Criado em fevereiro de 1995, em Niterói, o CPB teve apenas dois presidentes até hoje. O primeiro foi João Batista de Carvalho, nomeado para ocupar o cargo.

No ano seguinte, foi reeleito nas primeiras eleições. Após Sydney-2000, Severino participou do pleito como candidato único.

Desde 2001, o comitê recebe verba da Lei Piva. No ano passado, foram cerca de R$ 10 milhões.

Veja também



22/11/2004
10h36 - WADA tem orçamento acrescido em US$ 1,47 milhão

19/11/2004
20h13 - Brasileiro fica em 25º no Mundial de luge e soma ponto para Turim

18/11/2004
13h22 - Polícia faz diligência em empresa responsável por Turim-2006

12/11/2004
19h31 - COB anuncia indicados ao Melhor Atleta do Ano

10h20 - Jogos de Atenas custaram mais de 9 bilhões de euros à Grécia

05/11/2004
08h59 - Chineses adotam data "da sorte" para abertura dos Jogos de 2008

04/11/2004
14h38 - Presidente de comitê dos Jogos de Turim vai pedir demissão

13h51 - Putin recebe no Kremlin 182 medalhistas russos em Atenas 2004

09h06 - Barcelona ajudará candidatura de Madri às Olimpíadas de 2012

02/11/2004
10h09 - Governo dará a Paris 2,5 bilhões de euros para campanha olímpica

Mais notícias