UOL Olimpíadas
BUSCA




RECEBA O BOLETIM
UOL ESPORTE
 

 
26/08/2004 - 00h01
Bimba culpa TV e helicóptero e deseja 2008

Por Guilherme Roseguini
Enviado especial
Da Agência Folha
Em Atenas (Grécia)

A probabilidade era remota. O velejador britânico precisava vencer e Ricardo Winicki Santos completar a derradeira regata da classe mistral fora do grupo dos 15 primeiros. Só esse cenário deixaria o brasileiro sem medalha.

Aconteceu. Bimba largou bem, mas, depois, foi ultrapassado pelos rivais. Terminou a prova na 17ª posição. Nick Dempsey, o competidor que não poderia chegar em primeiro, triunfou. Classificação final do Brasil: 4º lugar, o resultado mais inusitado da delegação até aqui em Atenas.

"Claro que fico desapontado pelas circunstâncias, mas minha atuação na Olimpíada foi ótima. Em Sydney, terminei em 15º. Agora estou em quarto. Faltou sorte."

O ouro acabou nas mãos do israelense Gal Fridman, primeiro atleta do país a alcançar o título de campeão em Jogos. Nikos Kaklamanakis, da Grécia, levou a prata. Dempsey fechou o pódio.

Fora dele, Bimba questionou critérios da organização. Disse que a regata não poderia ser realizada sem vento. "Uma medalha não pode ser decidida assim. A organização informou que, quando a TV transmite a prova, eles fazem tudo para largar na hora. Competimos quase sem vento."

Sobrou ainda para os helicópteros que captavam as imagens da prova. "Eles produzem rajadas de vento que fazem a diferença. Quem aproveitou se deu bem."

Bimba não aproveitou. E deixou escapar a chance de colocar sua classe, que considera desprestigiada na vela brasileira, em posição de destaque . Até aqui, só o paulista Robert Scheidt obteve uma medalha -ouro na laser.

Natural do Rio, Bimba aprendeu a velejar na prancha com o pai, André, e depois foi lapidado pelo marinheiro José Fernando Ermel. Apesar do revés, disse que continua na categoria e quer chegar até os Jogos de Pequim-2008.

"Não vou desanimar. Já vi muita gente sair do zero e mostrar uma grande recuperação em quatro anos", diz, citando a trajetória do atacante Ronaldo entre a Copa de 98 e o Mundial de 2002.

O final de sua caminhada na Grécia foi tão complicado quanto o começo. Antes do início do torneio, ele enfrentou um problema nada corriqueiro. Os equipamentos que havia preparado no Brasil para adaptar sua embarcação às condições do mar local não chegaram a Atenas. "Precisei improvisar algo por aqui", explica.

A derrota de Bimba ecoou no resto da delegação. "Botaram muita pressão em um garoto de 23 anos. Não pode ser assim. Antes do fim, ninguém ganha nada", diz Torben Grael, 44, líder da classe star com Marcelo Ferreira e mais velho integrante da seleção.

Quem também ficou surpreso foi Lars Grael, que está em Atenas como diretor técnico da equipe. "Nem fui acompanhar a regata para não pressioná-lo. Precisamos rever tudo para descobrir onde ocorreram erros."



22/11/2004
10h36 - WADA tem orçamento acrescido em US$ 1,47 milhão

19/11/2004
20h13 - Brasileiro fica em 25º no Mundial de luge e soma ponto para Turim

18/11/2004
13h22 - Polícia faz diligência em empresa responsável por Turim-2006

12/11/2004
19h31 - COB anuncia indicados ao Melhor Atleta do Ano

10h20 - Jogos de Atenas custaram mais de 9 bilhões de euros à Grécia

05/11/2004
08h59 - Chineses adotam data "da sorte" para abertura dos Jogos de 2008

04/11/2004
14h38 - Presidente de comitê dos Jogos de Turim vai pedir demissão

13h51 - Putin recebe no Kremlin 182 medalhistas russos em Atenas 2004

09h06 - Barcelona ajudará candidatura de Madri às Olimpíadas de 2012

02/11/2004
10h09 - Governo dará a Paris 2,5 bilhões de euros para campanha olímpica

Mais notícias