PUBLICIDADE
Topo

Vinicius Rodrigues acelera no final e conquista prata nos 100m T63

Vinicius Rodrigues treinando em Tóquio - Ale Cabral/CPB
Vinicius Rodrigues treinando em Tóquio Imagem: Ale Cabral/CPB

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/08/2021 08h44

Depois de Petrúcio Ferreira e Washington Junior, o Brasil conquistou mais uma medalha nas provas de velocidade para deficientes físicos nesta segunda-feira (30) nas Paralimpíadas de Tóquio. Desta vez o pódio veio com Vinicius Rodrigues, que faturou a prata final dos 100 metros da classe T63 (para atletas amputados de membros inferiores com prótese) após ser superado por 1 milésimo, pelo russo Anton Prokhorov.

Como já havia acontecido nas eliminatórias, o brasileiro novamente não largou bem na prova, e tentou buscar a medalha no final, acelerando muito. Apesar da força na chegada, Vinicius não conseguiu ultrapassar Anton pela diferença mínima. A medalha de ouro ficou com o russo, com o tempo de 12s04, a prata foi para o brasileiro, que fez 12s05, e o bronze terminou com o alemão Léon Schäfer, que marcou 12s22

Essa conquista é inédita na carreira de Vinicius, corredor de 27 anos que faturou o bronze nos 100m no Mundial de Dubai em 2019 e chega no topo da carreira nas Paralimpíadas de Tóquio. Ele deixa o Japão ainda como recordista paralímpico da classe T63, já que o vencedor da prova compete por outra classe, a T42, para atletas com deficiência nos membros inferiores, mas que não usam prótese.

Em tese, a ausência de prótese seria uma desvantagem para Prokhorov e, na ausência de uma prova de 100 metros específica para a classe dele, ele é autorizado a participar da T63, onde estragou a festa de Vinicius. Todos os demais finalistas também eram da T63.

Após sofrer um acidente de moto aos 19 anos, Vinicius precisou amputar a perna. A medalhista paralímpica Terezinha Guilhermina o visitou no hospital e o incentivou a buscar o esporte. Um mês após sua reabilitação completa, o brasileiro começou no atletismo.