PUBLICIDADE
Topo

Mariana D'Andrea conquista 1º ouro paralímpico do Brasil no halterofilismo

Mariana D"Andrea exibe medalha de ouro conquistada no helterofilismo nas Paralimpíadas 2020 - REUTERS/Marko Djurica
Mariana D'Andrea exibe medalha de ouro conquistada no helterofilismo nas Paralimpíadas 2020 Imagem: REUTERS/Marko Djurica

Do UOL, em São Paulo

29/08/2021 01h58

Em sua estreia nos Jogos Paralímpicos, Mariana D'Andrea quebrou um jejum histórico para o Brasil. Aos 22 anos, ela conquistou neste domingo (29), em Tóquio, a primeira medalha de ouro do Brasil no halterofilismo, na categoria até 73kg.

A atleta, que tem nanismo e nasceu em Itu (SP), alcançou o feito ao erguer 137kg, três quilos a mais do que a chinesa Lili Xu e cinco acima da marca da francesa Souhad Ghazouani.

Ainda que os dois esportes partam do mesmo princípio, o levantamento de peso e o halterofilismo têm nomes diferentes no movimento olímpico e paralímpico. Neste, a prova é disputada com os atletas na horizontal, inclusive as pernas, o que também difere do tradicional supino.

Cada atleta tem três tentativas para levantar o peso, progredindo na carga. Mariana obteve sucesso em suas três apresentações. Na primeira, ela ergueu 130kg, seguido pelos 133kg da segunda. Já em sua última tentativa, levantou 137kg e ultrapassou Xu. A chinesa foi a última atleta a competir e falhou na tentativa de erguer 138kg, o que garantiu o ouro para a brasileira.

"Esperava muito por este momento. Não tem gratidão maior do que ganhar esta medalha após cinco anos de treinamento. Agradeço a todos pela torcida e pela oração. Quero deixar registrado aqui, que se você tem sonho, corra atrás dos seus objetivos e os conquiste", disse Mariana.

A medalha parallímpica é mais uma conquista de Mariana, que chegou ao esporte depois de ser convidada por um técnico, Valdecir Lopes, que a viu na rua. Depois, foi campeã nos Jogos ParapanAmericanos de Lima, em 2019. Chegou a Tóquio como líder do ranking mundial e agora confirmou o seu favoritismo.

Antes dela, na história do Brasil no halterofilismo, Evânio Rodrigues da Silva foi prata no Rio-2016. Em Tóquio, essa foi a sétima medalha de ouro conquistada pelo Brasil nas Paralimpíadas. O país também faturou 5 pratas e 13 bronzes, em um total de 25 pódios. Foi o segundo do dia, pois Renê Campos Pereira levou o bronze na disputa do single skiff PR1 masculino do remo.