PUBLICIDADE
Topo

Galvão critica seleção brasileira por não usar agasalho: 'Lamentável'

Galvão Bueno durante participação no Ohayo, do SporTV - Reprodução
Galvão Bueno durante participação no Ohayo, do SporTV Imagem: Reprodução

Colaboração para o UOL, em São Paulo

08/08/2021 08h50

Nesta manhã, na cerimônia de encerramento das Olimpíadas, Galvão Bueno criticou o posicionamento dos atletas da seleção brasileira de futebol que subiram no pódio para receber a medalha de ouro sem o agasalho definido, que é obrigatório.

Após a conquista por 2 a 1 contra a Espanha, os jogadores foram buscar a medalha com o agasalho do COB amarrado na cintura, e não como todos os outros atletas que seguiram a obrigatoriedade e vestiram durante a cerimônia de premiação.

"Enaltecer a conquista do bi olímpico ontem mas lamentar a atitude tomada. Eu gostaria de saber de onde partiu a decisão de não usar o uniforme inteiro do Comitê Olímpico, amarrar na cintura, e usar a camisa do time da CBF. Profundamente lamentável a atitude, não sei de quem partiu isso, vou seguir buscando quem seria o responsável. Fratus disse que foram inconsequentes, ele está certo, eles podem prejudicar muito a sequência dessas pessoas, desses atletas, que precisam muito desse amparo de patrocínio. Brilhante a conquista, fantástica a conquista do futebol, lamentável atitude de não usar o uniforme, seria obrigatório usar para receber a medalha de ouro".

Hoje, o COB emitiu uma nota de repúdio após a atitude da equipe, que descumpriu a determinação e não utilizou o agasalho fornecido pela empresa da China, a Peak. O comunicado afirmou que trará a público as medidas tomadas após o comportamento dos jogadores. Os atletas da seleção indicaram que a recomendação para a não utilização surgiu da própria confederação brasileira de futebol.

Nosso medalhista olímpico nos 50m rasos da natação, Bruno Fratus, criticou, e muito, a conduta dos jogadores, que pode prejudicar os atletas que não possuem patrocínios e vivem uma realidade muito diferente do universo do futebol: "A mensagem foi clara: não fazem parte do time e não fazem questão. Também estão completamente desconexos e alienados às consequências que isso pode gerar a inúmeros atletas que não são milionários como eles".