PUBLICIDADE
Topo

Italo brinca sobre Juliette: "Trocamos ideia, sou tímido mas foi divertido"

Italo Ferreira já treina em Baía Formosa poucos dias após ganhar a medalha de ouro no surfe das Olimpíadas de Tóquio - REUTERS/Rodolfo Buhrer
Italo Ferreira já treina em Baía Formosa poucos dias após ganhar a medalha de ouro no surfe das Olimpíadas de Tóquio Imagem: REUTERS/Rodolfo Buhrer

Colaboração para o UOL, em São Paulo

05/08/2021 11h38

Nessa manhã, Italo Ferreira, nosso medalhista de ouro no surf, conversou com Ana Maria por vídeo no programa "Mais você", e a apresentadora perguntou sobre as brincadeiras que rolaram nos últimos dias na internet envolvendo a ex-BBB Juliette Freire. Sem graça, Ítalo respondeu de forma divertida que chegou a bater um papo com a milionária:

"Pior que a internet realmente vai tentar inventar as coisas e vai linkando, mas isso foi engraçado, falo pros moleques que resenha boa é essa. A gente chegou a se falar e troca ideia rápida, eu sou muito tímido, não falo muito mas foi divertido".

Na entrevista, Ítalo detalhou o instante que sua prancha quebrou e ficou aliviado por ter sido no momento certo da bateria: "Ana, eu tava muito confiante, acredito que ainda bem que a prancha quebrou no início, tive com resetar minha cabeça e vi que o adversário não estava se achando. Quando eu voltei pro fundo, entrei sem dificuldade, não veio nenhuma série. 'Entra tranquilo e pega suas ondas', pensei. Tinha surfado de manhã e troquei a quilha, a prancha ficou bem melhor, consegui construir as notas e colocar pressão no meu adversário. Acho que foi bom a prancha quebrar no começo porque depois tive como surfar, imagina se o adversário faz duas notas e prancha quebra no meio e eu tenho que voltar na areia para voltar pro fundo. Foi tudo escrito da melhor maneira possível".

Na madrugada em que retornou para o Brasil e chegou em sua casa, o surfista falou que muitas pessoas o receberam, e muitos jornalistas o esperavam para conversar sobre o incrível feito: "Baía formosa tem 8 a 9 mil habitantes, cidade pequena. Tinha vários repórteres na frente de casa, perguntei se dariam 15 minutos para comer, fiz uma refeição e voltei para atender todo mundo".

"Tava lá na conversa e falei que daqui uma hora a gente ia surfar, e eles ficaram esperando a hora que a gente saiu, acompanharam o lugar onde a gente surfa. As outras emissoras não tinham carro 4x4, e a gente vai em um lugar que precisa, tinha uma emissora que tinha e aí eles colocaram todo mundo e levaram para a praia que a gente tava. Tava todo mundo na areia filmando e pegando o momento que eu tava na água, as pessoas imaginam que eu ia estar dormindo, ia descansar, mas fui para água. Eu gosto de estar com meus amigos, surfar em Baia Formosa, aproveitar. Até nas redes sociais perguntam se eu não durmo, quando eu estou em casa não durmo, não tenho muito tempo para ficar lá", contou ele sobre o dia que foi surfar logo após chegar do Japão.

O brasileiro abriu seu coração e contou para Ana o que move o atleta a conquistar o impossível: "Nas minhas orações as pessoas perguntam o que eu peço, eu sempre falo para Deus que não quero ser famoso, não quero fama, não quero dinheiro, quero mostrar que o Deus que eu creio é o Deus do impossível, que ele pode fazer qualquer coisa nas nossas vidas, e minha vida é exemplo disso. No ano que fui campeão o outro brasileiro Gabriel tava 15 mil pontos na frente, seria quase impossível, eu fui lá acreditei, pedi a Deus que mostrasse o caminho e desse forças para continuar, e aí fui campeão. Nas Olimpíadas foi exatamente do mesmo jeito, claro que cotavam como favorito, tanto eu quanto Gabriel, e eu fui lá e acreditei até o fim. Fui nas Olimpíadas com a vontade e o desejo de ganhar para mostrar que o Deus que eu creio é o Deus do impossível que pode mudar e transformar nossas vidas".

Após conquistar uma medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio, Italo não tem tempo para descansar, o atleta embarca hoje para o México disputar uma etapa do WSL: "Tem uma etapa do circuito mundial, três para finalizar o ano, e eu tive uma semana em casa pra me preparar, voltei do Japão com lesão no joelho esquerdo, desconforto, tive que buscar fortalecer e ganhar mobilidade e força e hoje estou me sentindo melhor. Vamos manter rotina de treino, dois a três dias antes de começar a competição. Surfei lá no México quando fiz minha primeira viagem internacional, então vai ser legal voltar lá e ver, estar competindo o circuito mundial com os melhores do mundo e eu estou aproveitando tudo".

O nordestino entrou para a história como o primeiro surfista a conquistar uma medalha de ouro na minha prova da modalidade nas Olimpíadas, colocando o surfe do Brasil em outro patamar: "Eu realmente fico muito feliz de inspirar as pessoas com minha história, com o que eu faço e graças a Deus tenho tido boas oportunidades de estar no caminho certo, buscar evoluir, crescer, respeitar e ajudar o próximo. As coisas têm acontecido bem rápido na minha vida, sempre aproveite as oportunidades, sabia da oportunidade das Olimpíadas, representar o Brasil, a chance da medalha de ouro, e completar esse ciclo na minha vida, nem falo como profissional mas vida pessoal, de conquista. No início foi difícil acreditarem que eu podia chegar e hoje eu posso mostrar tudo o que eu fiz e a história que eu acabei escrevendo, é muito gratificante".