PUBLICIDADE
Topo

Darlan bate na trave de novo e fica em 4º lugar no arremesso de peso

Darlan Romani, na final do arremesso de peso masculino - Andrej ISAKOVIC / AFP
Darlan Romani, na final do arremesso de peso masculino Imagem: Andrej ISAKOVIC / AFP

Demétrio Vecchioli

Do UOL, em Tóquio

05/08/2021 00h22

Repetindo seu desempenho no Mundial de Doha, em 2019, o arremessador de peso Darlan Romani ficou em quarto lugar na final realizada nesta quinta-feira, em Tóquio. Em Olimpíadas, o brasileiro melhorou sua marca em relação aos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, quando ficou em quinto lugar. A prova foi vencida pelo americano Ryan Crouser, que conquistou o bicampeonato olímpico.

Darlan começou a final com um bom arremesso para 21,88m, sua melhor marca pessoal. Nas duas tentativas seguintes, no entanto, piorou as marcas arremessando para 21,88m na segunda e 20,96m na última. Mesmo assim, o brasileiro foi com tranquilidade para a última série de arremessos, que conta com oito competidores.

Em seguida, o brasileiro queimou as duas primeiras tentativas da fase final, e não conseguiu melhorar sua marca no dia, dificultando bastante o resultado para subir ao pódio. Na terceiro e último arremesso da última série, Darlan arremessou para 20,70m e, mais uma vez, não conseguiu superar a melhor marca dos três adversários diretos, e acabou ficando em quarto.

Na fase inicial, os americanos Ryan Crouser e Joe Kovacs mostraram um excelente nível. Crouser, inclusive, bateu o recorde olímpico logo na primeira tentativa, arremessando para 22,83m. Em seguida, quebrou novamente o recorde, aumentando seu lançamento no dia, chegando a 22,93m e, por último, lançou a 23,30m, um novo recorde mundial que sacramentou o seu bicampeonato olímpico.

Joe Kovacs, por sua vez, "perseguiu" o compatriota durante toda a final. Com a melhor marca de 22,65m, no entanto, ficou longe de Crouser e acabou ficando com a medalha de prata.

O neozelandês Tomas Walsh também foi bem e arremessou para 22,17m na segunda tentativa, sua melhor marca no dia, mantendo-se no pódio durante quase toda a prova. No quinto arremesso, melhorou em um cm sua marca, indo a 22,18m.

Desempenho em Tóquio

Natural de Concórdia, em Santa Catarina, Darlan Romani se classificou para a final após alcançar a marca de 21,31m na qualificatória realizada na terça-feira.

Na semifinal, para obter a classificação automática, era necessário que os arremessadores alcançassem os 21,20m.

Essa foi a segunda final olímpica de Darlan, que conseguiu um bom resultado no Rio-2016, quando ficou em quinto lugar na disputa do arremesso de peso.

No Mundial de Atletismo de 2019, realizado em Doha, Darlan passou boa parte da prova na terceira colocação, mas acabou sendo superado no final, mais uma vez ficando em quarto, resultado que ficou engasgado.

Preparação sem treinador

Por conta da pandemia, o ciclo olímpico não foi fácil para nenhum atleta mas, para Darlan em especial, os problemas foram enormes. Por conta de restrições causadas pela quarentena, seu técnico, Justo Navarro, não conseguiu sair do seu país natal, Cuba, o que atrapalhou muito a preparação de Darlan.

Para treinar, o arremessador de peso brasileiro chegou a improvisar uma estrutura em um terreno perto da sua casa, em Bragança Paulista. Sem o técnico, os treinos eram gravados e enviados para Navarro, que respondia com suas considerações.

Graças ao treinamento improvisado, Darlan começou a sentir dores lombares e foi diagnosticado com hérnia de disco, passando por uma cirurgia no meio do ano passado. Depois, ele e familiares contraíram a covid-19, mais um obstáculo a ser superado.