PUBLICIDADE
Topo

Alison chora após eliminação do vôlei de praia nas Olimpíadas de Tóquio

Alison durante o jogo contra a Letônia no vôlei de praia - Elsa/Getty Images
Alison durante o jogo contra a Letônia no vôlei de praia Imagem: Elsa/Getty Images

Beatriz Cesarini

Do UOL, em Tóquio

03/08/2021 23h54

Alison e Álvaro filho foram derrotados 2 a 0 por Plavins e Tocs, da Letônia, nas quartas de final das Olimpíadas de Tóquio-2020 e acabaram eliminados. Muito chateado com o jogo da noite desta terça-feira, Alison desabou ao encontrar com o técnico Leandro Brachola e deixou a arena chorando.

Parceiro de Álvaro, Alison conversou com os jornalistas após o confronto com os letões, destacou a boa atuação dos adversários e, ao deixar a zona mista — local de entrevista com a imprensa — encontrou com o treinador Leandro Brachola e começou a chorar. O técnico exaltou a participação do atleta durante os Jogos Olímpicos.

A dupla era a última esperança de medalha para o Brasil no vôlei de praia. O país sempre esteve representado entre os três melhores do vôlei de praia desde os Jogos de Atlanta em 96, quando a modalidade foi incluída no programa olímpico. Somando às eliminações de Bruno Schmidt e Evandro, Ana Patrícia e Rebecca e de Ágatha e Duda em Tóquio, será a primeira vez que o país não contará com uma dupla feminina medalhista desde os Jogos de Pequim, em 2008.

Aos 35 anos, Alison ainda não sabe se estará nas próximas Olimpíadas. Agora, ele quer voltar para casa, rever e família e pensar com calma sobre seu futuro.

"Sinceramente, de coração, eu volto para casa agora, para a minha família e não posso responder isso agora. O primeiro a saber disso será o Álvaro, o segundo minha equipe. Só vou continuar um ciclo olímpico se eu for competitivo. Cheguei bem fisicamente e fui competitivo aqui. Eu não vou queimar minha história só para falar que vim para minha quarta olimpíada. A minha chama tem que estar acesa e agora não posso responder. Preciso voltar para casa, ficar com minha esposa e minha família, após um mês aqui no Japão. É difícil, muito cansativo. Estou muito feliz, não pelo jogo, mas por tudo o que fizemos, pela nossa história e pelo o que este cara fez por mim (Álvaro). Vamos rir muito disso tudo ainda", disse ele em entrevista com os jornalistas.