PUBLICIDADE
Topo

Brasileiro do vôlei de praia brinca após 'cantada' de Anitta: 'Resenha'

"O lance com a Anitta não passa de uma resenha, até porque admiramos demais ela como artista", disse Vinicius - Reprodução Instagram
"O lance com a Anitta não passa de uma resenha, até porque admiramos demais ela como artista", disse Vinicius Imagem: Reprodução Instagram

Colaboração para o UOL, em São Paulo

31/07/2021 09h45Atualizada em 31/07/2021 09h45

O jogador de vôlei de praia Vinícius Freitas, de 26 anos, que está em Tóquio por conta dos Jogos Olímpicos, ganhou um número expressivo de seguidores essa semana.

O motivo? Ele foi "cantado" pela cantora Anitta, de 28 anos, nas redes sociais. "Eu adoro vôlei de praia", escreveu ela, em uma das fotos do rapaz.

Ao falar sobre o episódio, Vinícius lembra que a repercussão foi extremamente rápida. "Eu não estava online. Por conta do fuso horário, eu estava dormindo e, quando eu acordei, tinha inúmeras mensagens e notificações. Acho que cheguei em Tóquio com aproximadamente 9.200 seguidores e ganhei em torno de 24.600 seguidores no Instagram", declarou ele, em entrevista ao site Gay.Blog.

Entretanto, apesar do entusiasmo da intérprete de "Vai Malandra" em garantir um novo affair, logo fãs do atleta começaram a respondê-la, dizendo que o mesmo não poderia corresponder às expectativas, pois além de homossexual, estava em um relacionamento monogâmico.

Sobre isso, Vinícius confirma o alerta dos fãs. "Sim, [eu e Rafael] estamos namorando há pouco mais de dois anos. Nos conhecemos através de amigos em comum. Temos um relacionamento monogâmico. O lance com a Anitta não passa de uma resenha, até porque admiramos demais ela como artista. E uma terceira pessoa na nossa relação não faz parte do nosso interesse", explicou.

Apesar da visibilidade que recebeu por conta da cantora, o atleta olímpico explica que nem sempre foi tão fácil lidar com a sexualidade. Sua família, por exemplo, não lida bem com isso.

"Minha família é muito religiosa e não reagiu de uma forma muito boa. Eu sofri muito. Mas me agarrei muito a Deus e ao esporte pra permanecer firme. Ainda não me aceitam, mas aprenderam a me respeitar e dar o meu espaço. Não é como eu queria, mas é só o que eu preciso. Ainda moro com eles. É difícil me expor, falar sobre minha orientação, porque tudo que repercute respinga neles. Mas faço, porque tenho consciência que é uma forma de combater, e assim esperar que, num futuro próximo, as pessoas e as famílias mudem a mentalidade e para que ninguém sofra mais com essa intolerância enraizada", desabafou.

Todavia, o apoio que não recebeu em casa, Vinícius Freitas ganhou no vôlei. "Me sinto acolhido por todos eles. Inclusive minha equipe, que teve um papel fundamental desde o início pra que eu pudesse ser eu mesmo e encontrar o melhor de mim", encerrou.