PUBLICIDADE
Topo

O aumento na fervura de provocações que obrigou o COB a recomendar foco

Bárbara, goleira da seleção de futebol em Tóquio-2020 - Zhizhao Wu/Getty Images
Bárbara, goleira da seleção de futebol em Tóquio-2020 Imagem: Zhizhao Wu/Getty Images

Denise Mirás

Colaboração para o UOL, de São Paulo

29/07/2021 08h31

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) decidiu intervir nas discussões entre atletas que esquentaram nas redes sociais e emitiu nota oficial na quinta-feira (29) recomendando que se concentrem na própria competição. Os atritos começaram mais leves, com os skatistas Kelvin Hoefler, medalha de prata, e Letícia Bufoni. Ganhou um tom acima com o ginasta Arthur Nory se defendendo de haters. Passou pela leveza dos vídeos bem-humorados de Douglas Souza, da seleção de vôlei, mas ferveu de vez na quarta-feira (28), com resposta da goleira Bárbara, da seleção de futebol, à atleta da canoagem paraolímpica Andréa Pontes.

"O COB recomenda fortemente que durante seu período competitivo em Tóquio, atletas e oficiais concentrem-se prioritariamente em sua performance e no contato com seus amigos e familiares através de canais diretos, evitando distrações que podem tirá-los do foco principal", diz parte da nota.

O COB mantém um manual de conduta para os atletas que vão a Jogos Olímpicos, onde toca em pontos como veto a trabalhos publicitários (a imagem de todos, durante determinado intervalo que inclui períodos antes, durante e depois dos Jogos, pertence ao COB). Também reitera, por exemplo, a questão da intolerância ao doping e a responsabilidade sobre o próprio corpo.

Também tenta blindar os atletas na Vila Olímpica, restringindo visitas (o que nem é possível no Japão, pela pandemia) ou mesmo levando equipes inteiras para hotéis separados. Mas é cada vez mais difícil, desde que a internet derrubou muros físicos. Não tem como, nem faz parte de seu estatuto, ser fiscal de redes sociais.

Coisas de família

Letícia Bufoni, do skate, escreveu, depois da medalha de prata de Kelvin Hoefler: "Estão me perguntando por que não posto o Kelvin nos meus stories. (...) nunca está com a gente nos rolês, nunca faz parte das nossas atividades por uma opção dele. Ninguém aqui tem nada contra ele, não gosta dele. Está todo mundo comemorando, muito feliz que o Brasil ganhou uma medalha, a primeira medalha das Olimpíadas".

O medalhista falou em entrevistas que eles simplesmente não têm mais a convivência do início de carreira e agora é mais próximo de Pâmela Rosa. E ficou na dele. Pâmela disse que conversa com todo mundo, mas pensa como Kelvin, que gosta de ficar no próprio canto, focada na competição.

Na ginástica artística, Arthur Nory foi atacado pela má performance. Um discussão pelas redes começou com a cantora Valeska Popozuda. Na sequência, o atleta respondeu: "É normal tanto xingamento, ódio e desejar o mal aqui no Twitter?". Vanessa seguiu: "Não é. Mas quando a gente erra, é melhor assumir o erro e pedir desculpas. Porque aqui no Twitter ninguém passa pano mais não". Nory não deixou quieto, sobre acusações de racismo: "Eu errei e eu assumi. Paguei por ele e, até hoje, pago por isso! Nunca escondi meu erro e sempre busquei conhecimento para me tornar uma pessoa melhor. Eu não sou o mesmo de cinco anos atrás".

Pesou e COB apareceu

Bárbara, a goleira da seleção de futebol, se irritou com comentário de Andréa Pontes, da paracanoagem, que pediu sua substituição pela outra goleira Bárbara Arenhart, a Babi, da seleção de handebol. A paratleta falou da goleira do futebol como "Cheinha" e a chamou para uma corrida de 200 metros. A resposta veio em frase estendida da versão simplificada "VTC".

Foi quando o COB entrou no meio.

"Nota Oficial Missão Tóquio 2020 - Uso de Redes Sociais

O Comitê Olímpico do Brasil acredita que o período dos Jogos Olímpicos seja um período de muita emoção e extrema sensibilidade. Os ânimos ficam exaltados e é fácil ser absorvido pelas redes sociais, um ambiente ainda mais intenso de opiniões e fértil para discussões.

Assim, o COB recomenda fortemente que durante seu período competitivo em Tóquio, atletas e oficiais concentrem-se prioritariamente em sua performance e no contato com seus amigos e familiares através de canais diretos, evitando distrações que podem tirá-los do foco principal.

Ressaltamos ainda que o COB orienta todos os integrantes da delegação brasileira a atentarem e seguirem as diretrizes para uso de redes sociais do Comitê Olímpico Internacional."