PUBLICIDADE
Topo

Casão diz que Simone Biles foi forte para 'encarar demônios'

Simone Biles após receber a medalha de prata nas Olimpíadas de Tóquio - Ezra Shaw/Getty Images
Simone Biles após receber a medalha de prata nas Olimpíadas de Tóquio Imagem: Ezra Shaw/Getty Images

Colaboração para o UOL

28/07/2021 22h03

Em sua coluna no "GE", Casagrande revelou que situações envolvendo esportistas com problemas psicológicos o deixam abalado, e demonstrou empatia por Simone Biles, após a ginasta norte-americana desistir de competir nos Jogos de Tóquio para priorizar a saúde mental.

"Sempre que fica explícito um atleta que desiste de um sonho e assume que está com problemas psicológicos e que os seus demônios estão atacando, eu fico muito mexido.

Apesar dos motivos serem diferentes, entendo totalmente esse momento difícil que a Simone Biles está passando. Até porque vários esportistas passaram e passam por isso", escreveu o comentarista.

"Ela foi forte por reconhecer uma fragilidade publicamente, principalmente na era das redes sociais, que a pessoa é julgada por qualquer motivo.

Para ela fazer isso, o problema estava insuportável e quando os seus próprios demônios começam a te atacar, e não estou falando de demônios bíblicos, e sim dos nossos próprios medos, dúvidas, insegurança, além do ataque mental tem o ataque físico", disse Casão após a atleta se pronunciar publicamente sobre sua situação.

O ex-jogador ainda afirmou que "em qualquer profissão, quando a pessoa começa a se sentir fraca de energia, nada vai rolar bem". Ele comentou que, numa situação como a de Simone, o importante é "parar e cuidar da saúde psicológica". Finalizou o assunto dizendo que torce muito pela recuperação da ginasta: Que ela consiga resolver os seus problemas e que com isso todos os seus demônios adormeçam e se possível para sempre.

Casagrande falou, também, sobre Rayssa Leal. O comentarista afirmou que a skatista de 13 anos, medalhista de prata nas Olimpíadas, ainda pode conquistar muito mais.

"Ela encantou o mundo com a sua alegria, talento e por conseguir se divertir e competir em alto nível. É uma garota de 13 anos que está realizando os seus sonhos como skatista e brilhantemente ganhando a sua primeira medalha, de prata, e tem tudo para ganhar muitas"

Além disso, elogiou a 'fadinha' pelo vídeo que ela publicou em suas redes sociais pedindo para que não haja aglomeração para recebê-la no aeroporto.

"O vídeo que a Rayssa gravou pedindo para as pessoas não irem esperá-la no aeroporto para não causar aglomerações porque ainda não é o momento de vacilarmos é demais. Ela incentivou as pessoas a tomar a vacina, continuar a usar máscaras e higienização com álcool gel. Demonstra uma consciência que alguns atletas com quase 30 anos não alcançaram", escreveu Casão.

"Enquanto a Fadinha pede a vacina, outros fazem festas clandestinas, outros participam e tiram fotos sem máscaras e com aglomeração. A maturidade da consciência nem sempre vem com a experiência. Algumas vezes ela vem da índole, do caráter, da empatia, sem que a idade interfira. Bom, a Rayssa encantou o mundo e mostrou nesse vídeo o verdadeiro patriotismo que é o de se preocupar com o seu povo", finalizou relembrando de maneira indireta os casos de atletas que quebraram os protocolos de saúde em relação à pandemia.