PUBLICIDADE
Topo

Mãe de colega de Simone Biles tem prisão adiada para ver a filha em Tóquio

Jordan Chiles e Simone Biles durante a final por equipes da ginástica artística em Tóquio - Mike Blake/Reuters
Jordan Chiles e Simone Biles durante a final por equipes da ginástica artística em Tóquio Imagem: Mike Blake/Reuters

Do UOL, em São Paulo

27/07/2021 14h00

A ginasta Jordan Chiles assumiu um papel de protagonismo na final por equipes da ginástica feminina das Olimpíadas de Tóquio, nesta terça-feira (27). Ela foi escalada para substituir a principal estrela da ginástica, Simone Biles, no meio da competição. Apesar de ter falhado no solo, onde sofreu uma queda, Chiles conseguiu ajudar os EUA a ficarem com a medalha de prata.

Fora da ginástica, entretanto, a ginasta de 20 anos vive uma história complexa. Sua mãe, Gina, foi condenada pelo crime de fraude após ter desviado mais de 1 milhão de dólares. Ela deveria ser presa ainda no mês de julho, mas conseguiu que o início da detenção fosse postergado para agosto para que pudesse ver a filha competir nos Jogos Olímpicos.

Pela sentença original, Gina Chiles deveria se apresentar para detenção justamente nesta terça-feira (27), mas seus advogados alegaram que seria importante para ela ver a filha competir em sua estreia olímpica. "Jordan precisa ter um tempo a mais com a mãe para receber apoio emocional nesse momento da carreira", afirmou a defesa na petição pelo adiamento da prisão. Os promotores do caso não se opuseram à medida, e Gina começará a cumprir pena em 26 de agosto.

Gina, que era administradora de propriedades, foi condenada a um ano de prisão por desviar dinheiro de seus clientes entre os anos de 2014 e 2018. Ela admitiu o crime e, além da pena por fraude, também terá de devolver a quantia roubada após o período de reclusão.

Por conta das restrições da covid-19, Jordan não pôde levar a mãe até Tóquio, mas a Justiça americana garantiu que as duas mantivessem contato durante a competição. Por outro lado, os ex-clientes de Gina entenderam o adiamento da prisão como "uma ação ridícula".