PUBLICIDADE
Topo

Olimpíadas, dia 3: prata histórica para Rayssa e surfe mais perto do pódio

Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/07/2021 13h02

A segunda-feira brasileira nos Jogos Olímpicos Tóquio-2020 tem nome, sobrenome e apelido: Rayssa Leal, a Fadinha. A jovem de 13 anos, que já encantava o Brasil nas redes sociais, foi prata no skate, conquistando a terceira medalha do país no evento com um show de manobras, alegria e carisma.

O dia, porém, teve muito mais, incluindo três vitórias brasileiras no surfe e até um pedido de casamento na esgrima. Quem também competiu neste Dia 3 dos Jogos foi o veteraníssimo Robert Scheidt, que escalou a tabela de classificação da classe Laser. Role a página e confira o que mais aconteceu de importante enquanto você dormia —ou não!

Skate: Fadinha encanta Tóquio

O grande nome do Brasil na segunda-feira foi Rayssa Leal, a Fadinha. Com apenas 13 anos, ela conquistou a prata no street e se tornou a mais jovem medalhista olímpica da história do país. Na soma que combinou as quatro melhores notas após duas voltas e cinco tentativas de manobras, Rayssa acumulou 14,64 pontos. O ouro ficou com a japonesa Momiji Nishiiya (15,26), que também tem 13 anos. O bronze também ficou em casa, com a local Funa Nakayama (14,49). As brasileiras Pâmela Rosa e Letícia Bufoni não passaram à final.

A Fadinha, que tem esse apelido por causa de um vídeo de 2015 no qual fazia manobras vestindo uma fantasia de fada, chamou atenção de todo o país durante sua competição. De Gil do Vigor a Bruna Marquezine, a skatista recebeu uma onda enorme de apoio de gente famosa. A nova medalhista também viu suas redes sociais explodirem. Ela já tem mais de 2,2 milhões de seguidores no Instagram.

medina r16 - Lisi Niesner/Reuters - Lisi Niesner/Reuters
Imagem: Lisi Niesner/Reuters

Surfe: Silvana, Medina e Ítalo nas quartas

Dos quatro brasileiros que entraram na água nesta segunda-feira, três avançaram às quartas de final: Silvana Lima, Gabriel Medina e Ítalo Ferreira. Silvana superou a portuguesa Teresa Bonvalot por 12,17 a 7,50; Medina passou por Julian Wilson por 14,33 a 13,00; e Ítalo derrotou o neozelandês Billy Stairmand por 14,54 a 9,67.

O surfe olímpico continua na manhã de terça-feira, noite de segunda no Brasil, nas quartas de final, que começam às 19h (de Brasília). Na segunda bateria do dia, Medina enfrenta o francês Michel Bourez. Logo depois, Ítalo duela com o japonês Hiroto Ohhara. Silvana faz a terceira bateria feminina e vai enfrentar a americana Carissa Moore.

Nas redes sociais, o destaque da madrugada foi live de Yasmin Brunet, esposa de Medina, no Instagram. Veja o que rolou.

Esgrima tem pedido de casamento

A esgrimista argentina María Belén Pérez Maurice perdeu sua luta de estreia nos Jogos de Tóquio, mas saiu da área de competição e recebeu um pedido de casamento. Seu treinador e namorado, Lucas Saucedo, fez a proposta —que ela aceitou!— enquanto María Belén dava uma entrevista ao vivo para um canal de TV argentino. Assista abaixo!

O brasileiro Guilherme Toldo também competiu nesta segunda-feira e perdeu na sua primeira luta em Tóquio. Ele foi eliminado pelo japonês Toshiya Sato, que fez 15 a 10. Foi a terceira Olimpíada de Toldo, que alcançou seu melhor resultado no Rio de Janeiro, onde avançou até as quartas de final. Em 2019, nos Jogos Pan-Americanos de Lima, ele conquistou a medalha de prata na disputa por equipes.

Milena Titoneli - Maja Hitij/Getty Images - Maja Hitij/Getty Images
Imagem: Maja Hitij/Getty Images

Taekwondo: Titoneli fica no quase

Por muito pouco Milena Titoneli não ganhou a quarta medalha do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, na categoria até 67kg do taekwondo. Após estrear com vitória sobre Juliana Al-Sadeq, da Jordânia, na decisão dos árbitros, a atleta perdeu nas quartas de final para a croata Matea Jelic pelo placar de 30 a 9. No entanto, Titoneli manteve as chances de ganhar uma medalha de bronze, ao ir para a repescagem.

Com mais um triunfo, sobre a haitiana Lauren Lee (26 a 5), a brasileira duelou com a marfinense Ruth Gbagbi na luta válida pela terceira posição. Mas a africana, medalhista de bronze na Rio-2016, repetiu sua campanha de cinco anos atrás no Brasil com um triunfo por 12 a 8. Desta forma, Titoneli ficou fora do pódio, e terminou na quinta posição.

Quem também competiu pelo Brasil foi Ícaro Miguel, na categoria até 80kg no masculino. Mas ele foi eliminado logo na estreia, ao perder para o italiano Simone Alessio, por 22 a 3.

Rússia campeã na ginástica artística masculina - Jamie Squire/Getty Images - Jamie Squire/Getty Images
Imagem: Jamie Squire/Getty Images

Ginástica: Rússia quebra tabu de 25 anos

Demorou um quarto de século para que a seleção russa de ginástica artística masculina voltasse a conquistar uma medalha de ouro na competição por equipes masculinas. O quarteto formado por Nikita Nagornyy, Arthur Dalaloyan, Denis Abliazin e David Belyavskiy sagrou-se campeã na manhã desta segunda-feira (26), com direito a muita emoção no final. Em uma disputa acirrada com o Japão, a vitória russa só foi conhecida na última nota de toda a competição, no solo. O time saiu vitorioso com a somatória de 262.500 pontos, contra 262.397 do time da casa. A China ficou com o bronze, com 261.894 pontos.

O último ouro da Rússia na competição por equipes entre os homens havia sido nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996.

Brasil x Argentina no vôlei masculino - Julio Cesar Guimarães / COB - Julio Cesar Guimarães / COB
Imagem: Julio Cesar Guimarães / COB

Vôlei: Brasil consegue virada incrível

Em um jogo tenso, cheio de altos e baixos e com uma superação incrível, o Brasil superou a Argentina na segunda rodada do torneio do vôlei masculino em Tóquio. A seleção treinada por Renan Dal Zotto venceu de virada por 3 sets a 2 (19-25, 21-25, 25-16, 25-21 e 16-14), após ficar muito perto da derrota.

A equipe vizinha, comandada por Marcelo Mendez (ex-Sada Cruzeiro), fez 2 a 0 nas parciais, e chegou a abrir uma confortável vantagem de seis pontos (17 a 11) no quarto set, quando liderava por 2 a 1. Mas o Brasil, com um incrível poder de reação, virou o placar e ganhou também o tie break.

Uma vitória que, mais do que dois pontos na classificação, dará moral para a sequência da competição. O próximo jogo será contra a Rússia, na quarta-feira.

Vela: Scheidt ganha posições

A segunda-feira teve mais duas regatas da classe Laser na raia olímpica de Enoshima, e o dia terminou com saldo positivo para o bicampeão olímpico Robert Scheidt, que busca sua sexta medalha. O brasileiro conquistou um décimo e um quarto lugares nas provas do dia e ganhou três posições na classificação geral. Ele agora tem 14 pontos perdidos e ocupa a oitava posição. A liderança é do finlandês Kaarle Taper, com 5 pontos perdidos. O croata Tonci Stipanovic (9) e o cipriota Pavlos Kontides (9) vêm imediatamente atrás.

Na RS:X feminina, Patrícia Freitas teve mais três regatas hoje e acumulou um 11º, um 12º e um décimo lugares. Na classificação geral, ela acumula 50 pontos e segue em 11º lugar, mesmo posto que ocupava ao fim do primeiro dia de regatas. A briga pela liderança está dividida. A francesa Charline Picon e a britânica Emma Wilson somam 14 pontos. Em terceiro vem a chinesa Yunxiu Lu, com 16. Na vela, os atletas somam pontos equivalentes às suas posições nas regatas. Por isso, o vencedor é quem acumula menos pontos.

djokovic - Reuters - Reuters
Imagem: Reuters

Tênis: Djokovic e Osaka avançam

A segunda-feira teve três zebras consideráveis: Aryna Sabalenka, #3 do mundo, Iga Swiatek, #8, e Petra Kvitova, #13, deram adeus ao torneio. Quem se deu bem com isso foi Naomi Osaka, que vai ficando mais favorita a cada dia. Na segunda rodada, a japonesa superou a suíça Viktorija Golubic (#49) por 6/3 e 6/2 e garantiu seu lugar nas oitavas de final.

Na chave masculina, Novak Djokovic fez seu dever de casa com competência e derrotou o alemão Jan-Lennard Struff (#48) por 6/4 e 6/3. O sérvio também passou às oitavas e vai encarar na sequência o espanhol Alejandro Davidovich Fokina (#34).

Vôlei de praia: outra dupla estreia bem

Ana Patrícia e Rebecca tiveram uma estreia tranquila em Tóquio-2020. Elas superaram as quenianas Makokha e Khadambi, dupla número 99 do mundo, por 2 sets a 0, com parciais de 21/15 e 21/9. A partida valeu pelo grupo D, que tem também Claes e Sponcil, dos Estados Unidos, e Graudina e Kravcenoka, da Letônia. As duas melhores duplas de cada grupo avançam às oitavas.

O Brasil tem 100% de aproveitamento na primeira rodada de vôlei de praia. A outra dupla feminina brasileira, Ágatha e Duda, Evandro e Bruno Schmidt e Alison e Álvaro também começaram a caminhada olímpica com triunfos.

Natação: oitavo lugar no 4x100m livre

A sempre badalada prova do revezamento 4x100m livre não foi tão boa para o Brasil em Tóquio. A equipe formada por Breno Correia, Gabriel Santos, Pedro Spajari e Marcelo Chierighini ficou apenas em oitavo lugar —o último— na final, fechando a prova em 3min13s41. O ouro ficou com os Estados Unidos, que registraram 3min084s87. A prata foi da Itália (3min10s11), e o bronze ficou com a Austrália (3min10s22).

Nos 200m livre, Fernando Scheffer se classificou para a final da prova ao avançar em oitavo lugar, nadando para 1min45s71 em sua série. O mais rápido entre os classificados foi o romeno David Popovici (1min45s68). Ele largará entre o russo Martin Malyutin (1min45s45) e o lituano Danas Rapsys (1min45s32). Scheffer acredita que tem chances de terminar no pódio.

Nos 100m costas, Guilherme Guido, nadou as semifinais, mas não alcançou a final. Com o tempo de 53s80, o brasileiro ficou 0s60 atrás do oitavo e último classificado, que foi o romeno Robert Glinta. O mais rápido entre os semifinalistas foi o espanhol Hugo González (53s05).

Leonardo de Deus - Dominic Ebenbichler/Reuters - Dominic Ebenbichler/Reuters
Imagem: Dominic Ebenbichler/Reuters

Mais natação: Leo de Deus se classifica

Horas após a realização das finais da natação, na noite de domingo (25), a modalidade voltou a realizar provas na manhã desta segunda-feira (26), com as eliminatórias de quatro provas. O destaque brasileiro foi Leonardo de Deus, que teve uma boa performance nos 200m borboleta e avançou para as semifinais na terceira posição, com a marca de 1m54s83. O mais rápido foi o húngaro Kristof Milak, com o tempo de 1m53s58. As duas baterias que valerão vagas na decisão da medalha acontecerão na noite desta segunda-feira, a partir das 23h35 (horário de Brasília).

Nos 1.500m livre feminino, as brasileiras Viviane Jungblut e Beatriz Dizotti não conseguiram avançar para a final. Jungblut terminou em 20º lugar (16m21s29), e Dizotti finalizou sua performance na 24ª posição (16m29s37). O melhor tempo foi da americana Katie Ledecky, com 15m35s35.

handebol masc - GettyImages - GettyImages
Imagem: GettyImages

Handebol: seleção masculina perde outra

A seleção masculina foi superada pela França por 34 a 29, nesta segunda-feira, e amargou sua segunda derrota em Tóquio-2020. O resultado, no entanto, era esperado. Os franceses foram ouro em Pequim-2008 e Londres-2012 e prata na Rio-2016. Após duas rodadas, o Brasil ocupa a quinta posição no Grupo A, atrás de França, Alemanha, Noruega e Espanha. O sexto e último lugar é da Argentina, que também perdeu seus dois jogos e tem saldo de gols pior do que o Brasil.

Judô: dia sem vitórias

Eduardo Barbosa, da categoria até 73kg, foi o único brasileiro no Budokan nesta segunda e não teve sorte. Ele foi derrotado pelo francês Guillaume Chaine, que levou a melhor no golden score.

Durante o tempo extra, o brasileiro até conseguiu derrubar o adversário, mas o movimento não foi considerado como pontuação. Segundos depois, o francês finalizou Eduardo. Os árbitros até conferiram no vídeo o movimento anterior à finalização, mas confirmaram a vitória de Chaine.

Mais covid

Vários atletas já haviam testado positivo para covid-19 em Tóquio, mas agora dois casos de atletas já em competição foram detectados. Um deles foi o remador holandês Fin Florijn, que competiu na última sexta-feira. Ele estava na vila olímpica e ficou fora da repescagem do single skiff.

Nesta segunda, a Federação Internacional de Tênis (ITF) confirmou que o também holandês Jean-Julien Rojer testou positivo. Ele e seu parceiro na chave de duplas, Wesley Koolhof, que venceram seu jogo de estreia e avançaram para as oitavas de final, foram retirados da chave. Com isso, os neozelandeses Marcus Daniell e Michael Venus passaram por WO às quartas.

Jucielen Romeu - Jonne Roriz/COB - Jonne Roriz/COB
Imagem: Jonne Roriz/COB

Boxe: Jucielen eliminada na estreia

A brasileira Jucielen Romeu, medalhista de prata nos Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019, foi eliminada na manhã desta segunda-feira (26) na primeira rodada do boxe feminino, na categoria até 57kg. Sem conseguir marcar um ponto sequer, ela foi derrotada pela britânica Kariss Artingstall por 5 a 0 e disse adeus aos Jogos Olímpicos de Tóquio.