PUBLICIDADE
Topo

Quem é o tunisiano que largou da raia 8 para ser campeão olímpico em Tóquio

Ahmed Hafnaoui comemora o ouro nos 400m livre nas Olimpíadas de Tóquio-2020 - VCG/VCG via Getty Images
Ahmed Hafnaoui comemora o ouro nos 400m livre nas Olimpíadas de Tóquio-2020 Imagem: VCG/VCG via Getty Images

Thiago Braga

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/07/2021 12h00

Aos 18 anos, Ahmed Hafnaoui fez história na madrugada deste domingo (25), primeiro dia de competições de natação nas Olimpíadas de Tóquio-2020. Ele largou na raia 8 da piscina no centro aquático olímpico como azarão nos 400m livre. Só que 3min43s36 depois, bateu na borda antes que todos os rivais, surpreendendo o mundo ao conquistar a quinta medalha de ouro da história da Tunísia em Jogos Olímpicos. O australiano Jack McLoughlin ficou com a prata, e o americano Kieran Smith, com o bronze.

"Eu não acreditei. Pensei nos meus pais, nos meus treinadores. Estou muito feliz, é um sonho que se torna realidade. É fantástico. Senti-me melhor na água esta manhã do que ontem e é isso. Agora sou o campeão olímpico. Pus a minha cabeça na água e pronto. Não consigo acreditar", disse Hafnaoui após a prova.

O novo astro da natação tunisiana é filho do ex-jogador de basquete Mohamed Hafnaoui. O começo na natação foi aos 6 anos, com o incentivo do pai que o colocou para aprender a nadar.

Antes das Olimpíadas a expectativa do medalhista era frequentar uma faculdade nos Estados Unidos. Após o sucesso em Tóquio-2020 não deverão faltar propostas de universidades americanas interessadas em contar com o talento de Ahmed Hafnaoui.

Depois de um ritmo intenso nos primeiros 200 metros, com nadadores extremamente rápidos, com ritmo abaixo do recorde mundial, os tempos abrandaram na segunda metade da corrida. No entanto, Hafnaoui ficou mais forte nos últimos 50 metros da prova, deixando para trás os adversários para conquistar o ouro em Tóquio-2020.

O feito o colocou no seleto grupo de medalhistas da Tunísia —esta foi apenas a quinta medalha do país africano em toda história das Olimpíadas. O corredor Mohammed Gammoudi foi o primeiro, com o ouro nos 5000m nos Jogos da Cidade do México, em 1968. O país só subiria ao lugar mais alto do pódio 40 anos depois, quando o nadador Oussama Mellouli venceu os 1500m em Pequim-2008. Quatro anos mais tarde, Mellouli venceu a prova dos 10km em Londres-2012. Na mesma edição, o corredor Habiba Ghribi levou o ouro nos 3.000m com obstáculos.

O mais surpreendente, além do fato de ganhar os 400m livre depois de fazer o pior tempo da semifinal, é que, em 2019, Hafnaoui disse ao jornal francês LaPresse considerar que a Olimpíada em que teria mais chances seria a próxima, Paris-2024.

Para se ter uma ideia, nos Jogos Olímpicos da Juventude-2018, em Buenos Aires, o nadador tunisiano terminou em 8º nos 400m e 7º nos 800m. Em 2019, foi classificado em 100º lugar no mundo no estilo 400m livre.