PUBLICIDADE
Topo

Kelvin revela que competiu com lesão no ombro: "Nunca fui favorito"

Felipe Pereira

Do UOL, em Tóquio

25/07/2021 02h46

Kelvin Hoefler, medalhista de prata no skate street, a primeira do Brasil na Olimpíada de Tóquio, revelou que sofreu uma lesão dias antes da competição e reconheceu que "nunca foi favorito" no torneio. Com 36,15 pontos somados, Kelven foi o segundo melhor na disputa, realizada no Ariake Park Skateboarding.

"Eu tive uma lesão esses dias, machuquei ombro, costela. Estava triste e cabisbaixo", disse Hoefler em entrevista à TV Globo após a prova. "Lembrei de onde vim, da luta que tive para chegar. Sou o coringa, sempre fui assim. Nunca fui favorito nem vou ser. Prefiro assim. Mantenho os pés no chão. Humildade sempre", acrescentou.

Único brasileiro na decisão, Kelvin terminou a primeira volta com a melhor nota (8,98) e recebeu aplausos do público em dois momentos. Na segunda parte, que consiste em realizar cinco manobras, o brasileiro encontrou dificuldades e acabou caindo duas vezes. No fim, no entanto, se encontrou, foi bem e garantiu a primeira medalha brasileira em Tóquio.

O atleta comemorou ter chegado tão longe, relembrando a infância e classificando a medalha como um "alívio" após a pressão em ter que representar uma nação nos Jogos Olímpicos.

"Vim de cidade pequena e não tinha a prática do esporte. Meu pai me levou para as pistas de skate no fim de semana. Ele era policial e era difícil conciliar, foi uma barra. Minha mãe me xingando, quebrando panela e prato. Muita dificuldade dentro de casa, até", revelou.

Emocionado, o brasileiro afirmou que a conquista foi apenas o "começo de uma geração que está por vir" e que "amanhã tem mais". Após a prata no masculino, as brasileiras Pâmela Rosa, Rayssa Leal e Letícia Bufoni entram em ação nesta segunda (26), a partir de 20h (de Brasília).