PUBLICIDADE
Topo

Cargnin visualizou rival assustado para se motivar na luta pelo bronze

Judoca brasileiro Daniel Cargnin em ação em Tóquio - Gaspar Nóbrega/COB
Judoca brasileiro Daniel Cargnin em ação em Tóquio Imagem: Gaspar Nóbrega/COB

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/07/2021 23h24

O judoca Daniel Cargnin revelou que, antes da luta contra o israelense Baruch Shmailov, que definiu a medalha de bronze na categoria até 66kg nas Olimpíadas de Tóquio, lembrou-se dos últimos confrontos contra o adversário e pensou no rival assustado, algo que o motivou no duelo. Na última vez que os dois se enfrentaram antes do torneio olímpico, Cargnin havia vencido o israelense.

"Pensei que ele deveria lembrar que a última [luta] fui eu quem ganhei. Olhei para ele, não sei se ele estava assustado, mas foi uma coisa que eu criei para me motivar. Não sei se é real, mas, de certa forma, me ajudou e deu certo", contou Cargnin.

Antes dos Jogos Olímpicos, o brasileiro e o judoca israelense já tinham se enfrentado três vezes. Shmailov venceu duas vezes, enquanto Cargnin saiu vitorioso em um, justamente o anterior às Olimpíadas.

Apesar de ter vencido o rival, o brasileiro estava preocupado porque, segundo ele, a vitória foi muito apertada naquela ocasião. Por outro lado, nas duas vitórias, o israelense competiu muito bem.

Na luta que definiu a medalha de bronze, Cargnin conseguiu um waza-ari a 2min29 do final. Depois, foi muito forte e conseguiu segurar a pontuação, garantindo a vitória.

"Eu geralmente não sou um cara que comemora tanto. Quando ganhei o Mundial Júnior, coloquei a mão na cabeça e pensei 'que legal'. Só que nessa, teve um combo de coisas", conta ele, que chorou muito após conquistar a medalha. "Antes da competição, pensava como era possível [o atleta] chorar na zona mista, e na hora da zona mista, só soluçava", concluiu.