PUBLICIDADE
Topo

Federação erra, e nadadores poloneses voltam de Tóquio antes das Olimpíadas

Alicja Tchorz, da Polônia, no Mundial de Natação de 2017, em Budapeste - Getty Images
Alicja Tchorz, da Polônia, no Mundial de Natação de 2017, em Budapeste Imagem: Getty Images

Colaboração para o UOL, em SP

20/07/2021 01h17

Seis nadadores poloneses tiveram de retornar de Tóquio antes mesmo do começo dos Jogos Olímpicos. Alicja Tchorz, Bartosz Piszczorowicz, Aleksandra Polanska, Mateusz Chowaniec, Dominika Kossakowska e Jan Holub embarcaram de volta para seu país no domingo, pouco depois de pisarem em solo japonês, porque a federação de natação de seu país (FZP, na sigla em polonês) cometeu um erro administrativo e inscreveu mais atletas do que o permitido.

Alguns dos nadadores, que estavam inscritos para competirem apenas em provas de revezamento, manifestaram sua insatisfação nas redes sociais. Em sua conta no Facebook, Tchorz escreveu: "Imagine dedicar cinco anos de sua vida e lutar para competir no mais importante evento esportivo, abrir mão de sua vida privada e seu trabalho, sacrificando sua família. O resultado de sua dedicação é um fiasco total. Seis dias antes do grand finale, acaba que você tem seus sonhos negados por causa da incompetência de terceiros."

No Instagram, Chowaniec disse estar "profundamente chocado" e que se trata de "uma situação absurda para mim que nunca deveria ter acontecido. Espero eventualmente acordar deste pesadelo. Lamento que, devido a pessoas incompetentes da FZP, eu esteja na Polônia e não na capital do Japão."

O time olímpico quase inteiro, que agora tem apenas 17 atletas em Tóquio, assinou um documento pedindo a demissão de toda a diretoria da federação polonesa de natação. Os seis excluídos também ameaçam tomar medidas legais.

Mais tarde, a FZP publicou um comunicado explicando a situação e pedindo desculpas. Nela, Pawel Slominski, presidente da entidade, escreveu que "tal situação não deveria acontecer, e a reação dos nadadores, suas emoções e o ataque à FZP são compreensíveis e justificáveis". Ele também alega ter ficado sabendo apenas no dia 14 de julho que o pedido para inscrição dos atletas havia sido rejeitado. Nesse momento, os nadadores já haviam embarcado rumo a Tóquio.