PUBLICIDADE
Topo

"Não tem padrão. Nada tem padrão", diz JR Duran sobre corpos de atletas

Do UOL, em São Paulo

25/06/2021 12h21

Os Jogos Olímpicos de Tóquio começam no dia 23 de julho. Durante duas semanas, você verá os melhores atletas do mundo competindo por medalhas. Nem todos esses melhores atletas do mundo tem o corpo que você imagina ser o ideal, aquele que se vê nas capas de revista, magros e com tanquinho. O corpo perfeito de um atleta é aquele que o torna o melhor naquilo que ele faz. E pode ser alto ou baixo, longo ou curto, magro ou gordo.

Para mostrar cinco corpos perfeitos que desafiam o estereotipo que a sociedade definiu como ideal, o UOL Esporte convidou o fotógrafo JR Duran para contar a história de cinco atletas que fogem do padrão de beleza imposto diariamente a cada um de nós. Nas próximas cinco segundas-feiras, você entenderá como Maria Suelen Atlheman (judô), Marcos Ferrari (strongman), Beatriz Souza (judô), Thiago Paulino (atletismo) e Rafael Silva, o Baby (judô), convivem com o próprio corpo, que eles transformaram em arma para suas conquistas.

Em cada uma das cinco reportagens, eles compartilham como a força e o peso são, na essência, o que os transformou em campeões. É esse corpo —já tão criticado— o instrumento de resistência e vitória desses esportistas e deveria ser também o motivo de orgulho para todos que não se veem representados pelo padrão. Eles são foda porque são gordos.

Bastidores do ensaio Corpo de Atleta com JR Duran - Fernanda Schimidt/UOL - Fernanda Schimidt/UOL
JR Duran nos bastidores do ensaio Corpo de Atleta
Imagem: Fernanda Schimidt/UOL

Produzo imagens que, eu espero, façam com que as pessoas se interessem pela vida dessas pessoas. Pelo que elas têm para contar. Porque é isso: não tem padrão, nada tem padrão".

JR Duran, fotógrafo

Nesse espírito, JR Duran preparou um ensaio em preto branco para mostrar toda a perfeição desses corpos. "O desafio aqui é chegar a sequência de imagens que crie um certo interesse. E o preto e branco, e aí é uma frase típica de fotógrafos, retrata o essencial. E eu queria o essencial dessas pessoas. Alguém que sonha em fazer uma coisa a cada quatro anos. É um projeto de vida, de sacrifício, de constância", explica. "E eu queria ter isso muito claro nesses personagens."

"Retrato de esportista é sempre uma coisa difícil, interessante, fascinante e, quando fica bom, super gratificante. Eu tinha uma ideia, um conceito, uma proposta. E uma coisa que é incomensurável: a liberdade. Há uma confiança de que você vai fazer uma coisa que vai ser interessante. E a liberdade de fazer uma coisa de uma maneira que dá chance à chance. Então não fica uma coisa engessada e pode ficar uma coisa original".

Corpo de Atleta, com JR Duran