PUBLICIDADE
Topo

Halterofilista pode se tornar a primeira transgênero nas Olimpíadas

Laurel Hubbard compete pela Nova Zelândia em abril de 2018 - Paul Childs/Reuters
Laurel Hubbard compete pela Nova Zelândia em abril de 2018 Imagem: Paul Childs/Reuters

Do UOL, em São Paulo

08/05/2021 14h07

A halterofilista Laurel Hubbard, da Nova Zelândia, está perto de se tornar a primeira mulher transgênero a competir em uma Olimpíadas. Segundo informações do jornal britânico "The Guardian", a atleta se classificaria para uma vaga na Olimpíada de Tóquio devido a mudanças nas regras.

A Nova Zelândia ainda não selecionou seus atletas para a competição. No entanto, uma fonte da Federação Internacional de Halterofilismo confirmou ao jornal britânico que a atleta se classificaria automaticamente na categoria superpesada de levantamento de peso. Isso porque, o Comitê Olímpico Internacional aprovou emendas às regras que aceleram as classificações devido à pandemia da covid-19 que forçou o cancelamento de muitas competições classificatórias.

Ela é elegível para competir nas Olimpíadas desde 2015, quando o COI emitiu novas diretrizes permitindo a qualquer atleta transgênero a competir como mulher, desde que seus níveis de testosterona estejam abaixo de 10 nanomoles por litro por pelo menos 12 meses antes de sua primeira competição.

No entanto, é possível que sua classificação gere controvérsias, já que há quem diga que ela se beneficiaria na competição feminina.

Desde que fez a transição, em 2012, a atleta de 43 anos vem se destacando nas competições e já ganhou uma medalha de prata no mundial de 2017.

A federação de levantamento de peso da Austrália tentou impedir Hubbard de competir nos Jogos da Commonwealth de 2018 na Gold Coast, mas os organizadores rejeitaram a medida.

A Olimpíada de Tóquio está prevista para começar em 23 de julho depois de ter sido adiada de 2020 para este ano devido à covid-19.