PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Após recusar Yasmin, COB leva marido de lançadora como técnico em Tóquio

Andressa de Morais terá o marido como treinador em Tóquio - Luis ROBAYO / AFP
Andressa de Morais terá o marido como treinador em Tóquio Imagem: Luis ROBAYO / AFP
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

15/07/2021 10h20

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) aceitou credenciar como treinador para a Olimpíada de Tóquio, de última hora, o marido da atleta de lançamento de disco Andressa Morais, Everton Luiz Ribeiro. Ele sabidamente não é técnico principal dela, posto ocupado pelo cubano Julian Meija, que inclusive é contratado pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). O caso guarda diversas semelhanças com a polêmica do COB com Yasmin Brunet e Gabriel Medina, mas a postura adotada pelo Comitê foi oposta.

Everton foi convocado ontem (14), depois que COB e a CBAt encerraram as tratativas para tentar levar outro cubano para Tóquio. Justo Navarro, técnico de Darlan Romani e Geisa Arcanjo, está em Cuba desde o fim do ano passado e não consegue sair de lá. Existiam negociações com o comitê cubano para incluí-lo na viagem ao Japão, passando pela Espanha, mas essas conversas acabaram depois que protestos estouraram em Cuba, no começo da semana. Os brasileiros ficaram sem resposta e aceitaram a derrota.

Inicialmente a CBAt queria levar para o Japão todos os treinadores individuais dos 54 convocados, mas o COB vetou, admitindo fornecer 20 credenciais para os treinadores de atletismo. Ficou acertado que as escolhas seriam por grupo de provas, como de velocidade, barreiras, meio-fundo, saltos horizontais, etc. Para lançamento e arremesso foram chamados Navarro e João Paulo Cunha, técnico de Izabela Rodrigues e Jucilene Lima. Os dois deveriam treinar um total de sete atletas em Tóquio.

Com a desconvocação de Navarro, a CBAt optou por convocar o técnico da segunda brasileira mais bem posicionada no ranking mundial das provas desse grupo, Andressa de Morais. E, no sistema da confederação, quem aparece como treinador é o marido dela, Everton Luiz Ribeiro, que é quiroprata e tem uma clínica em Bragança Paulista (SP), onde eles moram e treinam. Everton tem registro de técnico e formação em educação física.

Todas as partes sabem que o treinador principal de Andressa, quem a transformou em candidata a medalha em Tóquio, é o cubano Julian Meija, que trabalha no Brasil há mais de uma década. Meija inclusive é contratado pela CBAt para trabalhar no centro de treinamento de Bragança Paulista atendendo diversos atletas da elite do país, no adulto e nas categorias de base.

Mas Andressa registrou o marido, e não Meija, como técnico pessoal dela no sistema da CBAt. E, por isso, oficialmente, Meija não tem nenhum atleta classificado para a Olimpíada, o que a CBAt diz que é critério para a convocação. Assim, quem vai para Tóquio como treinador de todo o grupo de provas, para treinar inclusive um forte candidato a medalha (Darlan), não é o técnico da confederação, mas o marido de Andressa, que só treinou a própria esposa na carreira, e faz isso há pouco tempo.

Esse sistema é maleável. Por exemplo: quando anunciou a convocação olímpica, a CBAt informou que Rosângela Santos era treinada por Adalberto Almeida, que na verdade é seu empresário. Depois, quando o critério para a convocação de treinadores passou a ser quem treina mais atletas convocados, Rosângela mudou o seu treinador no sistema, para seu verdadeiro treinador, Renan Valdiero, que acabou convocado.

Procurada, a Confederação Brasileira de Atletismo disse que Everton é o "treinador oficial" de Andressa. "E ele não terá só essa função. Está indo pelo grupo de provas e terá a atribuição de acompanhar outros atletas, assim como o João Paulo Alves da Cunha", informou a entidade.

A reportagem procurou o COB e perguntou por que o Comitê aceitou o credenciamento de Everton como técnico, mesmo sabendo que o treinador principal de Andressa é Julian. No caso de Gabriel Medina, que tentou indicar Yasmin Medina como sua oficial técnica, a justificativa do COB para negar o pedido foi que o treinador dele é o australiano Andy King, que foi quem acabou credenciado. Diferentemente do atletismo, o surfe não tem um registro de treinadores oficiais.

À coluna, o COB disse o seguinte: "Everton Luiz Ribeiro foi convocado pela Confederação Brasileira de Atletismo para substituir o treinador Justo Manuel Despaigne Navarro, oficial do mesmo grupo de provas, que está impossibilitado de comparecer aos Jogos. Everton Luiz Ribeiro tem registro como treinador na CBAt".