PUBLICIDADE
Topo

MMA


MMA

Anderson Silva quer se dedicar à escrita após MMA: 'Roteirizo muita coisa'

Colaboração para o UOL

29/10/2020 03h29

O ex-Campeão Peso Médio do UFC, Anderson Silva, disse que após encerrar a carreira profissional no MMA, pretende se dedicar à profissão de roteirista. Nas palavras do lutador, ele pretende "fazer a diferença nesse caminho" e "deixar uma mensagem subliminar para as pessoas sobre um determinado assunto".

"É uma coisa que as pessoas não sabem muito [sobre mim], eu gosto de escrever. Eu escrevo e roteirizo muita coisa", revelou Anderson no programa "Conversa com Bial" desta madrugada (29). "Eu assisto a muitos filmes de ação e estou sempre colocando as ideias no papel. Já venho a bastante tempo estudando", completou.

Sobre a expectativa de adentrar ao mundo do cinema, o brasileiro continuou: "Quando você tem boas ideias e bons roteiristas, você consegue tocar as pessoas de verdade. Então, acho que vou conseguir fazer a diferença nesse caminho, deixando uma mensagem subliminar para as pessoas sobre um determinado assunto".

A despedida

Neste sábado (31), Anderson subirá ao octógono pela última vez ao enfrentar o jamaicano Uriah Hall na luta principal do card do UFC, em Las Vegas, Estados Unidos. O duelo será o derradeiro do brasileiro na organização.

Para o combate final de sua carreira profissional, "Spider" contou que vem sendo treinado por uma mulher há um ano. "A Amanda me colocou no 'shape'", afirmou o lutador, e brincou: "Eu sofro bullyng dela a toda hora. Ela é muito mais forte do que eu e acabo sendo o sexo frágil nessa história toda".

Desde 1997 no MMA, com 34 vitórias, sendo 22 por nocaute, dez derrotas e um 'no contest' (luta sem resultado), o campeão Peso Médio do UFC de 2006 a 2013 mostrou estar bastante ciente de que o momento certo de parar é agora.

"Eu me questionava bastante em relação a isso, mas chegou o momento. Não existe mais uma complacência entre as relações e me sinto um pouco fora do game. Então, é a hora de rever os conceitos do que vale a pena manter e deixar de lado o que não vale", disse ele.

O lutador de 45 anos ainda pontuou que essa será a sua última luta no UFC: "Eu amo lutar, eu adoro lutar, é o meu ar, mas eu acho que a minha história com o UFC acaba por aqui".

Sobre possíveis lutas amistosas e apresentações no futuro, ele "deixou no ar" a possibilidade de acontecer.

"Maior Surra"

Anderson também relembrou um dos gloriosos momentos de sua carreira, quando, em agosto de 2010, venceu o americano Chael Sonnen em uma virada histórica. No combate, o brasileiro estava sendo massacrado em quatro rounds e, no quinto e último round, a dois minutos do fim da luta, conseguiu uma finalização a seu favor.

"Eu acho que essa foi a maior surra que eu tomei em toda a minha vida", brincou Anderson que está há quase 25 anos no esporte. O lutador ainda contou que trincou a costela na semana anterior à luta, mas mesmo assim não correu do octógono.

"Tiveram algumas situações que antecederam essa luta que foram bem complicadas. No treinamento durante a semana, eu tive uma queda em que o meu adversário caiu com o joelho em cima de mim, e trinquei a minha costela", relembrou.

Ao levar uma "bronca" do apresentador por ter lutado com a costela trincada, "Spider" respondeu: "Pois é, Bial, já fiz tanta coisa estúpida. Apanhei todos os cinco rounds, mas graças a Deus deu tudo certo no final".

"Não conseguia nem ver"

Em julho de 2013, o mundo assistiu a uma das cenas mais chocantes do UFC quando, na luta mais esperada do ano, Anderson não conseguiu reconquistar o cinturão de campeão ao sofrer uma fratura na perna esquerda ao aplicar um chute em Chris Weidman, no segundo round.

"Durante muito tempo eu não conseguia ver essa imagem", revelou o brasileiro. "Eu olhava e passava mal, precisava sair da frente da TV. A primeira vez que eu assisti de verdade foi quando o 'Fantástico' foi na minha casa para me entrevistar".

"Mas o ruim mesmo foi durante os meses que passaram [na recuperação]. Era uma dor insuportável que não desejo a ninguém", afirmou.

Doping

Os dois episódios de doping da carreira de Anderson, em 2015 e 2018, também foram abordados durante o programa e o lutador se defendeu.

"Quando você toma qualquer tipo de suplemento, qualquer tipo de substância que você não sabe o que é, a responsabilidade é sua. Então, houve a minha responsabilidade, sim. No entanto, o que aconteceu é que eu tinha tomado uma coisa e estavam me acusando de outras".

Segundo relatou, na primeira vez ele ingeriu um estimulante sexual. "Quando foi feito toda a investigação, foi constatado que eu não tinha feito nenhum uso de nenhum tipo de anabolizantes". Ele ainda brincou com a situação: "Na época, meus amigos me alopravam falando que eu tinha saído de 'bombado para broxa'".

Já na segunda, Anderson contou que estava tomando remédio manipulado e somente depois de o punirem, e checarem os fatos, é que viram que o suplemento estava contaminado. "Fui absolvido, mas o estrago na carreira já estava feito", lamentou.

Maior de todos?

Considerado por grande parte da comunidade das lutas como um dos maiores lutadores de todos os tempos, Anderson Silva finalizou o papo tendo que responder, sem falsa modéstia, se é o maior de todos.

"Olha, Bial, acho que eu cheguei ali. Estou perto dos melhores que estão nesse game, dos que foram referências para mim e que fizeram história no UFC", concluiu.

O "Conversa com o Bial" vai ao ar de segunda à sexta-feira após o Jornal da Globo.

MMA