PUBLICIDADE
Topo

MMA


Ela lutou grávida sem saber: como atletas evitam o risco no MMA

Kinberly Novaes, em uma das lutas de sua carreira - Reprodução/Instagram
Kinberly Novaes, em uma das lutas de sua carreira Imagem: Reprodução/Instagram

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

18/06/2020 04h00

Kinberly Novaes venceu Renata Baldan por decisão unânime dos jurados depois de uma longa batalha para conseguir alcançar os 52kg da categoria dos palhas do Noxii Combat 1. Ela não entendia por que havia sido tão difícil cortar peso.

A resposta veio enquanto se preparava para sua primeira luta nos Estados Unidos. A dificuldade para bater o peso estava ainda maior, mesmo com as dietas cada vez mais rígidas e os treinos mais pesados. Algo estava errado. Era hora de ir ao médico.

Na consulta, a indicação de um raio X. Mas antes, um teste de gravidez por precaução. Grávidas não podem fazer esse tipo de exame por ser perigoso. Kinberly foi fazer com a certeza de que não estava. Voltou com a informação de que não só esperava um bebê, como lutou com um filho na barriga. O raio X foi cancelado.

Kinberly Novaes e o filho. Ela chegou a lutar sem saber que estava grávida - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Kinberly Novaes e o filho. Ela chegou a lutar sem saber que estava grávida
Imagem: Reprodução/Instagram

"O médico disse que eu estava com 24 semanas e meia de gravidez. Quando ele me disse isso, percebi que tinha lutado grávida de três meses. Precisei fazer um ultrassom morfológico na semana seguinte e lembro que foram dias muito longos. Eu estava muito preocupada que pudesse ter acontecido alguma coisa com o bebê. Mas o exame mostrou que estava tudo bem. Por algum motivo, não aconteceu nada com ele. A gravidez foi tranquila e ele nasceu de parto normal", relembra.

Kinberly lutou grávida no evento realizado em maio de 2015, em Joinville (SC). O teste de gravidez não foi uma exigência feita pela organização para as lutadoras que iriam participar. O erro foi reconhecido por Bruno Barros, promotor do Noxii, logo após.

"Não tinha conhecimento da necessidade desse tipo de exame, reconheço que nunca me passou isso pela cabeça, porém, se tivesse seguido o padrão dos grandes eventos saberia. Mais um erro que cometi!", escreveu ele na época nas redes sociais, junto com um pedido de desculpas pelo ocorrido.

"A realidade é que quase nenhum evento pedia o teste. Depois disso, principalmente no Brasil, começaram a pedir para as lutadoras. Mas eu tinha contrato com o Invicta até ano retrasado e também não tinha. O que acontecia era você assinar um termo dizendo que não estava grávida", diz Kinberly.

O Invicta FC é um dos maiores eventos femininos de MMA do mundo. Questionado pela reportagem, a organização afirmou que, atualmente, todas as lutadoras são testadas poucos dias antes dos combates para evitar o risco que Kinberly correu.

Ciclo menstrual irregular dificulta descoberta de gravidez

A demora em descobrir uma gravidez em atletas não é incomum. Por causa dos treinos e da estrutura muscular diferente, elas, muitas vezes, deixam de menstruar. "A maioria quer ficar sem menstruar para não ter aquele problema de ficar sem treinar ou até perder algum evento por causa de cólica e dores", explica Mariana Rosario, ginecologista do hospital Albert Einstein e pesquisadora da Faculdade de Medicina do ABC.

A menstruação irregular afetou Mackenzie Dern, lutadora do UFC. A brasileira-americana chegou a treinar por três meses antes de saber que estava esperando Moa, sua filha com o surfista Wesley Santos.

Mackenzie Dern, Wesley Santos e Moa, filha do casal - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Mackenzie Dern, Wesley Santos e Moa, filha do casal
Imagem: Reprodução/Instagram

"Eu sentia um cansaço nos treinos, mas achava que era porque estava treinando forte. Nunca pensei que fosse por causa disso. Cheguei a fazer um teste de farmácia que deu negativo, por isso que pensei que o cansaço pudesse ter relação com os treinos. Como não passava, fiz o teste de sangue, que é o mais seguro. Assim que soube, parei de treinar jiu-jitsu e muay-thai", explicou.

Mesmo que não tivesse descoberto, o risco de Mackenzie lutar grávida seria menor que o de Kinberly. Assim como o Invicta FC, o UFC tem como política testar todas suas lutadoras na semana que antecede o evento.

A menstruação irregular faz com que os métodos anticonceptivos sejam a maneira mais segura de evitar o risco de lutar grávida sem saber. Campeã do evento japonês Pancrease, Sidy Rocha usa a tradicional pílula. "Como já estou com 42 anos, o risco de engravidar diminui também, mesmo com meu ciclo sendo regular".

"Como os hormônios prejudicam o ganho de massa muscular, o que para uma lutadora é ruim, uma solução anticoncepcional seria o DIU (dispositivo intrauterino)", explica a ginecologista Mariana Rosario. "Ele não tem hormônio nenhum e a lutadora pode ficar com aquilo sem se preocupar. Outra opção seria o implante de hormônios bioidênticos. São métodos mais duradouros que a pílula".

MMA