PUBLICIDADE
Topo

MMA


MMA

Johnny Walker fraturou costela do irmão antes de luta em que deslocou ombro

Johnny Walker comemora vitória sobre Misha Cirkunov no UFC 235 em Las Vegas, nos Estados Unidos - Hans Gutknecht/MediaNews Group/Los Angeles Daily News via Getty Images
Johnny Walker comemora vitória sobre Misha Cirkunov no UFC 235 em Las Vegas, nos Estados Unidos
Imagem: Hans Gutknecht/MediaNews Group/Los Angeles Daily News via Getty Images

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

05/03/2019 04h00

Aos 26 anos, Johnny Walker é candidato a nova sensação do UFC no Brasil. Ele tem um cartel de 17 vitórias em 20 confrontos, sendo 14 por nocaute, e está invicto no UFC com três nocautes consecutivos em primeiro round. O último deles foi no sábado, em Las Vegas, contra o letão Misha Cirkunov, com uma joelhada voadora que levou o adversário ao chão. Mas o que chamou mesmo a atenção foi a comemoração do brasileiro, que se jogou no chão e deslocou o ombro. Johnny fará exames, mas diz que está bem. Só quem se deu mal nisso tudo foi seu irmão, Valter.

LEIA MAIS

Cinco anos mais jovem que Johnny Walker, ele é sparring do irmão mais velho sob a supervisão do treinador Leonardo Gosling. Eles são toda a equipe de suporte da nova promessa do UFC. E foi justamente durante a preparação da luta com Cirkunov que um acidente interrompeu o trabalho do sparring: em treino, golpes de Johnny causaram fraturas em duas costelas de Valter. "Foi a sexta e a sétima. A sétima dobrou com um soco", conta Valter, ao UOL Esporte. O irmão mais novo terá que ficar um mês parado e nem sequer compareceu ao evento do último fim de semana.

Irmãos Johnny Walker e Valter - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Irmãos Johnny Walker e Valter Ignácio treinam juntos na Tailândia
Imagem: Reprodução/Instagram

Os irmãos vivem atualmente na Tailândia, onde encontraram boa estrutura de treino. Johnny Walker, aliás, já chegou a lutar como representante do Reino Unido, pois morava na Europa e havia feito camp na Inglaterra. Ele não tem uma academia, um espaço próprio de treinos, e busca apoiadores no Brasil para a sequência da carreira. Ele se destacou no reality show "Contender Series Brasil" e foi fisgado por Dana White, presidente do UFC. Desde então, são três lutas em quatro meses no campeonato e a expectativa de realizar mais cinco em 2019 para poder disputar em breve o cinturão dos meio-pesados.

"Fomos criados em Tinguá, parte rural de Nova Iguaçu. Meu irmão começou a treinar já velho, enquanto eu comecei com 14 anos por causa dele. Aí ele foi descoberto pelo Leonardo Gosling, que levou o Johnny para a Inglaterra. Depois, me levaram para ajudar", conta Valter, que é irmão de Johnny Walker por parte de pai. Walker, inclusive, é uma tentativa para se parecer, sonaramente, com Valter, que é o nome do pai. E Johnny foi uma escolha da mãe para ter um nome parecido com o dela, que é Joelma.

Johnny Walker chama atenção pela personalidade. No último sábado, por exemplo, ele entrou na arena ao som do sucesso "Parado No Bailão", do MC L da Vinte. A dança não é novidade, mas até pouco tempo atrás as entradas eram com músicas com pegada erótica e o lutador fazia uma espécie de strip tease até a subida no octógono. Ele já chegou a entrar com gravata borboleta, mas o hábito foi deixado de lado. A dança continua - já fez até aula. Ele se diz exibido, comunicativo e irreverente. Tanto é que foi justamente isso que causou o ombro deslocado depois da vitória contra Cirkunov.

Após a vitória, Walker bateu continência e se jogou no chão. Ao cair ele fez um leve movimento de contração no ombro, acusando a lesão. Mesmo assim, ainda fez o movimento da "minhoca louca" antes de se levantar com a mão no ombro. "Tenho que treinar mais comemoração, viu? Porque se não treina dá errado", brincou o lutador.

Johnny Walker estava em 15º lugar no ranking de sua divisão antes mesmo da apresentação no fim de semana. Com o novo nocaute, que rendeu o terceiro bônus consecutivo de "Performance da Noite" no UFC, é provável que suba posições na próxima atualiação da lista.

MMA