UOL Esporte Futebol
 
16/02/2009 - 19h57

Presidente do Atlético diz não temer punição por suas declarações

Do UOL Esporte
Em Belo Horizonte

Depois de fazer duras críticas ao presidente da Federação Mineira de futebol, Paulo Schettino e ao presidente da Comissão de Arbitragem, Lincoln Afonso Bicalho, o presidente do Atlético-MG Alexandre Kalil disse, nesta segunda-feira, não temer possível punição. Schettino e Bicalho revelaram no mesmo dia que será feita uma representação contra o dirigente atleticano junto ao Tribunal de Justiça Desportiva (TJD).

UOL Esporte
UOL Esporte
Alexandre Kalil revela que continuará sua "cruzada" para moralizar arbitragem mineira
VELÓRIO EM CLIMA DE REVOLTA
LEIA MAIS NOTÍCIAS DO ATLÉTICO-MG
KALIL TERÁ DE EXPLICAR ACUSAÇÕES
"Isso é conversa para boi dormir, porque o chefe de arbitragem de Minas Gerais, só tem um clube que não reclama dele, os três últimos presidentes do Atlético pediram a saída dele, o América já pediu a saída dele uma vez, o Villa Nova já pediu, ele só serve para o Cruzeiro", disse Alexandre Kalil em entrevista à Rádio Itatiaia.

O presidente da Federação Mineira de Futebol (FMF), Paulo Schettino, revelou, em entrevista, na tarde desta segunda-feira, que vai encaminhar ao Tribunal de Justiça Desportiva (TJD), fitas com as declarações do presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil, que denunciou a existência de uma quadrilha relacionada à arbitragem na entidade.

Apesar da possibilidade de receber punição por causa das declarações dada após a derrota para o Cruzeiro no último domingo, Kalil frisou que irá brigar pela renúncia de Lincoln Afonso Bicalho.

"Aquela conversa de vai punir, isso não me interessa, vai punir sim o presidente do Atlético, mas ele (Lincoln Bicalho) vai sair, eu vou lá, converso com o presidente da Federação, peço desculpas, pago a minha punição, não tem problema, desde que ele saia", salientou.

Segundo o dirigente atleticano, a "cruzada" ao chefe de arbitragem mineira irá continuar até que aconteçam mudanças. "O Atlético não vai parar de falar, o Atlético tem voz para gritar, nós vamos à Federação, vamos à CBF, vamos questionar, vamos mandar fita, vamos mandar dados, vamos investigar, vamos fazer o capeta, mas não vamos desistir de moralizar a arbitragem de Minas Gerais para o próprio bem", finalizou Alexandre Kalil.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host