PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Endrick marca, ajuda em fim de jejum do Palmeiras e garante coroa de craque do ano na Copinha

25/01/2022 12h05


Tão logo o apito final foi dado após a goleada do Palmeiras sobre o Santos por 4 a 0, na manhã desta terça-feira (25), não havia dúvidas para a torcida sobre quem foi o craque da edição: Endrick, a joia da base de apenas 15 anos.

Poderia ter sido pelos seis gols marcados, dois deles concorrendo ao prêmio de mais bonito da competição. Poderia ser pelos números, afinal o jovem acumula uma média invejável de quase um gol por jogo na base alviverde.

Mas a verdade é que Endrick conseguiu, apesar do curto período da competição e da concorrência do grande número e clubes, se sobressair. Tudo isso tendo seis anos a menos que o limite da FPF (Federação Paulista de Futebol ) para se disputar a Copinha. Não é pouca coisa para um clube que historicamente só valoriza suas crias da base neste milênio. Não é pouca coisa para quem ficou sete dias afastado ainda por ter contraído Covid-19.

Em menos de um mês, Endrick passou de reserva de luxo do time da Copinha a opção palmeirense para a disputa do Mundial de Clubes, em fevereiro. Chegou a treinar com o time profissional na pré-temporada e o técnico Abel Ferreira teve de recomendar "uma viagem à Disneylândia" à joia para fazer com que a torcida tenha a necessária calma com um adolescente.

Foram 30 dias da joia sendo destacada e elogiada não só pela imprensa brasileira, mas também, por europeus, asiáticos e até a própria Fifa, que relembrou os craques históricos palmeirenses para anunciá-lo em seu site oficial. Tudo isso a meio a sondagens dos gigantes do Velho Continente.

Deixem o 'miúdo' brincar, disse Abel. A torcida deixará. E seu novo ídolo tem até julho, quando assinará o primeiro contrato profissional, para ser moleque, divertir e manter vivo os sonhos alviverdes de que a solução para a camisa 9 estava perto deles o tempo todo.

Futebol