PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Após anúncio oficial, confira os desafios de Zé Ricardo no comando do Vasco na próxima temporada

05/12/2021 06h51


A permanência do Vasco na Série B do Brasileiro foi definida matematicamente no dia 10 de novembro. Desde então, o clube demorou, mas trabalhou de maneira silenciosa para definir um dos nomes do Departamento de Futebol. Trata-se de um velho conhecido: o técnico Zé Ricardo. Que terá desafios importantes que vão desde a montagem do elenco até a formação de um time competitivo dentro de campo, o que não aconteceu em 2021.


Montagem do elenco para a temporada - Série B 2022

O primeiro desafio será justamente definir quem fica e quem sai deste criticado elenco. A direção vascaína ainda não conseguiu definir o substituto de Alexandre Pássaro, mas cabe ao treinador analisar os nomes que tem à disposição. Além disso, necessita já mapear o mercado para dialogar com o futuro profissional da pasta.

+ Confira e simule a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

Na montagem do elenco, o comandante precisa entender as nuances da competição mais importante para o Vasco em 2022: a Série B. O time necessita ser mais forte fisicamente, eficiente na bola aérea e ter qualidade nas transições ofensivas. Em 2021, o clube contratou alguns jogadores que não rendiam há algum tempo em suas carreiras e não conseguiram se firmar com a Cruz de Malta no peito.

Apresentar um sistema defensivo mais seguro e consistente

O sistema defensivo do Vasco sofreu com a bola aérea desde a estreia no Campeonato Carioca, em março. A fragilidade era nítida com problemas nas saídas de bola e vulnerável aos contra-ataques adversários. Esses problemas fizeram com que equipe deixasse pontos importantes pelo caminho. Foram 52 gols sofridos, mesmo número do lanterna Brasil de Pelotas, à frente apenas do Brusque, que levou 56.

+ Posições: atuações frustrantes dos experientes e revelação com destaque marcam as laterais do Vasco em 2021

Cabe ao novo treinador buscar equilíbrio entre as linhas e acabar com vulnerabilidade defensiva. Em vários momentos, o Vasco sofria gols com facilidade, sendo presa fácil para os adversários. Falhas coletivas individuais imperavam e nenhum dos três treinadores (Marcelo Cabo, Lisca e Fernando Diniz) conseguiram solucioná-las. O que culminou em algumas derrotas expressivas como para Avaí, Botafogo, CSA, Vitória e Londrina.

Buscar estilo de jogo que torne o time mais competitivo

Para organizar a defesa, o treinador terá que encontrar não só uma tática equilibrada, como definir bem o estilo de jogo proposto. Um meio-campo que dê mais proteção aos zagueiros e auxilie na cobertura dos laterais com mais consistência. Além disso, proximidade entre os setores para trazer um time mais compacto, intenso na construção das jogadas, e vibrante em campo.

Na frente, faltou, em boa parte do ano, um protagonista que organizasse o setor e tivesse qualidade na bola parada. Nenê chegou na reta final, assumiu esse papel, e fez o time crescer em determinado momento. Contudo, não teve tempo e a curta reação não foi suficiente. Com isso, a bola pouco chegava em condições de Cano finaliza e o atacante caiu bruscamente de rendimento. Mesmo assim, ele foi o artilheiro do time na temporada (19 gols).

O camisa 77 tem contrato até o fim de 2022 e prometeu ficar até o clube voltar à Série A. Por outro lado, o futuro do artilheiro argentino segue uma incógnita. Outro que ainda não sabe se fica é o atacante Daniel Amorim, que pertence ao Tombense, e termina o contrato de empréstimo dia 31. Os pontas não renderam o esperando e por vezes o ataque tornou-se improdutivo, mais um ponto a ser trabalho por Zé Ricardo.

Potencializar a qualidade dos meninos da base

Nas últimas duas temporadas, a base do Vasco teve que se transformar em solução dentro de campo. Com pouca idade, os meninos da Colina irão oscilar em determinado momento e devem ser usados para compor elenco. No entanto, o clube passa por uma grave crise financeira e os meninos são colocados no fogo muitas vezes. Cabe ao novo treinador trabalhar melhor com os jovens e potencializar suas principais características.

Dos garotos, Bruno Gomes, Lucão, Ricardo Graça, MT, Juninho e Gabriel Pec oscilaram, o que é comum para jovens em início de carreira na equipe profissional de um clube grande. Entre os meninos, Riquelme foi quem encerrou melhor a temporada ao conquistar a vaga no time titular e mostra qualidade e personalidade. O lateral é uma joia a ser lapidada em 2022 com uma pré-temporada bem feita.

Futebol