PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Empresários cobram R$ 330 milhões do Cruzeiro por rescisão de Dedé

05/08/2021 18h56


O Cruzeiro e o zagueiro Dedé não possuem mais vínculo, depois de quase oito anos de contrato entre o jogador e a Raposa. Mas, mesmo com a saída do jogador do clube mineiro, após uma longa batalha judicial, a equipe celeste ainda terá problemas a resolver em relação ao término do contrato do defensor, de 33 anos.

O clube azul foi notificado, extrajudicialmente pelo Grupo DIS ea GT Sports, que atuam no futebol representando atletas entre outros negócios do esporte, além de além de Marcos Vinícius Secundino e Giscard Salton, empresários, a pagar R$ 330 milhões referente à cláusula indenizatória do contrato de Dedé.

A cobrança é a maior em um processo contra um clube brasileiro na história. O Grupo DIS e da GT Sports ajudaram o clube mineiro a trazer Dedé, então no Vasco, em 2013, para jogar na Raposa.

Os empresários deram prazo de até cinco dias para o Cruzeiro realizar o pagamento do valor antes que haja um processo judicial para que o clube quite o montante. A informação foi veiculada inicialmente pelo GE e confirmada pelo L!.

Em 2013, Dedé custou R$ 7,758 milhões, que foram pagos ao Vasco. Os direitos do atleta foram divididos da seguinte forma: 97% dos direitos econômicos ficariam com o grupo DIS e os outros 3% restantes ao clube Villa Rio, quando a FIFA ainda permitia que terceiros poderiam ter participação nos direitos de jogadores. O Cruzeiro nunca teve participação nos percentuais ligados ao zagueiro.

Futebol