PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Um ano após Mundial sub-17, Talles Magno ganha mais liberdade no Vasco sob o comando de Sá Pinto

31/10/2020 08h00

Há um ano e cinco meses, o jovem atacante Talles Magno despontava no cenário nacional como uma das grandes promessas do Vasco. Diante disso, o atleta foi convocado para a Copa do Mundo sub-17, disputada no Brasil, na temporada passada. E os anfitriões conquistaram o título ao derrotar o México por 2 a 1 na final, no estádio Bezerrão.

Em meio à uma bela campanha da seleção, o camisa 11 do Gigante da Colina, no dia 29 de outubro de 2019, marcou o seu primeiro gol com a amarelinha na vitória por 3 a 0 sobre a Nova Zelândia. Ele ainda balançaria as redes contra Angola. Contudo, o atacante sofreu uma lesão na partida contra o Chile e ficou de fora do restante da competição.

- Foi um dia especial marcar com a camisa da seleção, realizei um sonho no Mundial. Parece que foi ontem. Não pude jogar uma parte da competição por conta da lesão, mas jamais vou esquecer a homenagem que os meus colegas fizeram para mim na premiação. Me sinto honrado em ter feito parte dessa conquista - disse Talles.

O jogador tornou-se titular do Vasco e atuou mais pelo lado esquerdo em 2020, nos esquemas 4-3-3 montados por Abel Braga e Ramon Menezes. No entanto, contra o Flamengo, o interino Alexandre Grasseli mudou para o 4-4-2, o colocou mais próximo do centroavante e o atleta voltou a marcar. Até o momento, Talles é o líder de assistências da equipe com 5, assim como é o atleta mais caçado com 47 faltas sofridas em 15 jogos.

Com a chegada de Ricardo Sá Pinto, um dos primeiros desafios do português é solucionar a dor de cabeça dos últimos comandantes, e armar um esquema que faça o jovem render o esperado pela torcida vascaína. Uma das escolhas do técnico foi dar mais liberdade a Talles e o colocar mais próximo do centroavante e da área adversária, tentando explorar mais as suas qualidades e lapidar a joia cruz-maltina.

- O Talles tem como preferência inicial jogar do lado esquerdo. Eu tive a preocupação, obviamente, de querer saber a preferência dele e dos outros jogadores. Mas eu concordo que é na frente que ele realmente é um talento, um diamante a ser lapidado. Tem uma qualidade técnica excepcional, mas ainda não pensa o jogo, não interpreta o jogo como queremos. Portanto, ainda não consegue desequilibrar no último terço como poderia com o talento que tem. Temos de ajudá-lo a tornar-se um jogador 'desequilibrador' - disse Sá Pinto ao Canal 11, de Portugal.

Na etapa final contra o Corinthians, o jogador cresceu e participou da jogada do gol de Ribamar. Já no duelo com o Caracas, ele também teve mais liberdade no segundo tempo. Porém, a comissão técnica sabe que pode extrair mais do atleta, que tem um viés de evolução por ser muito jovem e talentoso. A confiança é que com a entrada dos reforços Léo Matos e Torres, o retorno dos lesionados Cano e Benítez, e com o avanço do trabalho do novo treinador, o atacante cresça na fase final da temporada.

- Ele (Talles) é muito talentoso, mas tem continuar o trabalho de evolução. Ele é um jogador muito conhecido também fora do Brasil, é difícil jogar contra qualquer adversário. Dei liberdade para ele ir trocando com Carlinhos, não tivemos tempo de treinar outra dinâmica. Na primeira ele se mostrou pouco, na segunda ele começou a jogar entre linhas, se aproximar do Ribamar, ajudou o time no processo de crescimento - analisou Sá Pinto.

Futebol