PUBLICIDADE
Topo

Ao L!, vice do Pachuca confirma saída de Cueva e desconhece pendência com o Santos

03/06/2020 14h37

A passagem de Christan Cueva pelo Pachuca-MEX durou apenas três meses, 49 minutos em campo e nenhuma titularidade. Com exclusividade ao LANCE!, o vice-presidente dos Tuzos, Andrés Fassi, confirmou o desligamento do meia com o clube.

- Todos (jogadores) com contratos altos sairão do Pachuca - respondeu, quando questionado sobre a saída de Cueva.

O salário do peruano na equipe mexicana é de 40 mil dólares mensais (R$ 201,9 mil na cotação atual), valor que está acima da média da equipe, que busca diminuir 40% da sua folha.

No entanto, há na Fifa uma ação do Santos contra o Pachuca cobrando uma indenização que pode variar entre 7 milhões de dólares (R$ 35,5 na cotação atual), valor investido pelo Santos na contratação do jogador junto ao Krasnodar-RUS, e 100 milhões de euros (R$ 571,5 atualmente), quantia referente à multa rescisória.

Como o Peixe acionou diretamente a equipe mexicana, a saída de Cueva não modifica a condução do processo que tramita na entidade máxima do futebol.

À reportagem, Fassi, quando questionado sobre o posicionamento do Pachuca referente ao imbróglio com o Peixe e após a saída de Cueva, disse desconhecer sobre o processo.

Em contato com integrantes da diretoria santista, a situação foi analisada semelhantemente a de Rony, atacante que está atualmente no Palmeiras. O jogador retornou ao Brasil, em 2018, para atuar pelo Athlético-PR, após defender o Albirex Nigata, do Japão, através de uma liminar na Fifa, assim como Cueva fez para integrar o elenco do Pachuca, há três meses.

Contudo, os japoneses pleiteiam junto ao Furacão o pagamento de 10 milhões de dólares pela quebra do contrato, que tinha validade até 2019. Com isso, o Palmeiras, clube no qual Rony transferiu-se nesta temporada, está protegido de qualquer ação contratual.

Cueva chegou ao Santos em fevereiro de 2019, junto ao Krasnodar-RUS. O contrato previa empréstimo durante 2019 com compra obrigatória a partir de março de 2020, com três parcelas que totalizariam 7 milhões de dólares (R$ 26 milhões à época). Em acordo com o clube russo, o Peixe ainda não desembolsou a primeira parte e espera o resultado final da ação contra o Pachuca para quitar. Por outro lado, Cueva afirma que o Alvinegro Praiano possui uma dívida de R$ 1 milhão com ele, referente ao não pagamento de cinco meses de direitos e imagem. A diretoria santista nega a pendência.

Futebol