PUBLICIDADE
Topo

Zagueiro Ruan Tressoldi avalia pausa no futebol e mostra paciência para ajudar o Grêmio

01/04/2020 13h34

Os elencos gremistas dos últimos anos têm chamado muita atenção de torcedores e jornalistas. Sempre com uma mescla de jogadores rodados, experientes e as vezes tachados de 'refugos', mas com a juventude dos garotos da base aparecendo e tendo muitas oportunidades com o técnico Renato Portaluppi.

É nisso que se apoia o zagueiro Ruan Tressoldi, destaque e capitão dos times de base do Grêmio e promessa que a torcida pode esperar um grande futuro com a camisa tricolor. O jogador de 20 anos de idade renovou seu contrato com o Imortal no ano passado e tem multa rescisória estipulada em 200 milhões de reais.

No grupo profissional do clube desde o ano passado, Ruan lamenta a paralisação do futebol brasileiro e ausência dos treinamentos em grupo para adquirir experiência com os mais velhos. Mas o atleta enaltece a importância da pausa para o bem estar da população.

- Eu vejo como uma parada necessária, para o momento difícil que estamos vivendo nos últimos dias. É difícil treinar em casa, não ter meus companheiros e a comissão pra sempre estar auxiliando, mas a gente tenta manter a forma com o que temos de equipamento - disse.

Ainda sem ser muito utilizado pelo treinador gremista, o zagueiro reconhece a boa fase dos defensores do time e não se preocupa com a pressa para estar jogando. Ruan avalia o momento da equipe do Grêmio na temporada e como o time pode manter a pegada durante essa pausa por causa do novo Coronavírus.

- Nos estávamos numa fase de evolução e começo de entrosamento, sei que todos os atletas são profissionais e cuidarão da forma física durante essa parada, acho que o time voltará bem e responderá a altura de um time grande como sempre fez - concluiu.

No fim do ano passado, Ruan Tressoldi foi o capitão do Grêmio campeão da Copa RS Sub-20. O jogador também se destaca por sua velocidade. Em treinamento no CT, o defensor chegou a atingir em uma atividade a marca de 37,1 km/h.

Futebol