PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Barroca exalta 2019 e faz críticas às constantes demissões de técnicos: 'CBF precisa colocar regras e filtros'

06/12/2019 09h00

Alguns clubes já pensam na próxima temporada, e o comando técnico é o primeiro a ser debatido. No entanto, na reta final do Brasileiro, houve uma série de demissões: Abel Braga, Argel Fucks e Mano Menezes foram últimos a deixarem suas funções. A longevidade dos treinadores é quase sempre questionada nesses casos. E um técnico que teve três clubes em um ano deu sua opinião sobre o assunto. Em entrevista ao LANCE!, Eduardo Barroca, que conquistou o acesso com o Atlético-GO, ressaltou que a CBF precisa colocar filtros e regras para que isso deixe de acontecer. Além disso, ele relembrou sua trajetória em 2019.

- Entendo que enquanto não houver uma regra clara sobre os padrões de quantidade de treinadores, a forma em que cada treinador vai atuar em cada divisão, quantidade, o futebol fica cada vez mais suscetível a resultados. As escolhas ficam cada vez mais a opiniões externas e não há critérios para se escolher. Isso, só vai acabar no dia em a organizadora da principal competição (CBF), colocar os filtros e as regras da quantidade de treinadores por clubes, da quantidade de clube para os treinadores por divisão. Com isso, ficaria tudo mais correto. Os clubes teriam mais critérios para fazer a escolha dos técnicos e vice-versa - afirmou.

Fora isso, Eduardo Barroca pode soltar o sorriso. Em 2019, o treinador explanou grande conhecimento no futebol. Nesta temporada, assumiu o comando das categorias de base do Corinthians, retornou ao Botafogo, já que tinha dirigido o Alvinegro no Sub-20. Ele não conseguiu ter uma sequência e foi chamado para o Atlético-GO, onde teve o objetivo de garantir o clube na elite.

- Fico muito feliz, porque meu ano foi muito especial. Comecei no Corinthians, disputando uma Copa São Paulo e saindo invicto na competição. Ela tem grande importância para o clube paulista, jogos com 35, 40 mil pessoas. Logo depois, recebi o convite do Botafogo, muito especial, porque eu trabalharia a terceira vez no Botafogo. Além de toda relação profissional, eu tenho um carinho muito especial. A gente fez um primeiro turno do Brasileiro excelente. Depois, por questão de resultados, meu trabalho não teve sequência, mas vou sempre exaltar a oportunidade que tive no Botafogo. Em sequência, ter a chance de levar um clube à Primeira Divisão, que é algo tão importante para o Atlético-GO. Este ano é só agradecer por isso tudo - disse.

No ano, Eduardo Barroca não teve grandes resultados, porém conseguiu impor seu pensamento de jogo dentro das quatro linhas. Em 41 jogos, conquistou 16 vitórias, 9 empates e amargou 16 derrotas. A maior sequência invicta foi de quatro partidas sem perder. Coincidentemente, este feito aconteceu duas vezes enquanto comandou o Atlético-GO.

Apesar da conquista, o treinador comentou que precisa estar com a família, indicou os planejamentos para 2020 e relembrou momentos durante o jogo, que culminou na classificação à elite do futebol brasileiro. Confira abaixo o bate-bola com Eduardo Barroca:

LANCE!: No momento em que foi demitido do Botafogo, pensou em treinar uma equipe ainda na temporada?

Barroca: Quando sai do Botafogo, no primeiro momento, não era trabalhar mais em nenhum clube de 2019. Tinha algumas pendentes da vida pessoal. Só seis dias depois da minha saída, o presidente do Atlético-GO, Adson Batista, me ligou, fez o convite e entendi que valeria concluir meu ano com uma experiência como essa. Era uma oportunidade de nove jogos para consolidar o acesso à Série A do Dragão.

LANCE!: O acerto para comandar o Atlético-GO foi rápido?

Barroca: O contato foi bem rápido. Sai do Botafogo em um domingo e no outro domingo, o Adson me ligou e fechamos. Na segunda-feira, eu já me apresentei ao clube e na quinta-feira eu já estava dirigindo a equipe diante do Botafogo-SP. Foi um contato muito rápido, muito direto e fácil de acerto.

LANCE!: Como foi sua recepção da torcida e dentro do clube?

Barroca: Minha recepção foi muito boa. Eu também já conhecia muitos profissionais que estavam lá, pois tinha trabalhado com eles. O Atlético-GO tem uma estrutura muito boa, corpo funcional fixo do clube com muita capacidade, bastante organizado, então, fica fácil para quem chega. Foi uma recepção muito boa e rapidamente me integrei. Nesses 45 dias que estive lá, eu morei dentro do clube, facilitou o entendimento do que o clube precisava.

LANCE!: Ficou preocupado com resultado dos jogos de América-MG e Coritiba durante o jogo?

Barroca: Pedi para que ninguém me avisasse no primeiro tempo, quando estava o resultado dos outros jogos, para que soubesse somente no intervalo. Mas acaba que você fica sabendo, porque o pessoal da arquibancada se manifesta. Então, soube no intervalo que os resultados estavam favorecendo a gente. O jogo foi bem difícil na tomada de decisões, porque a gente não podia se abrir muito, pois se a gente tomasse o gol, ficaríamos fora. Porém, ao mesmo tempo, não podíamos deixar de atacar, porque se o América-MG empatasse, também ficaríamos fora. Naquele momento procuramos ter equilíbrio nas tomadas de decisões. Eu cheguei a falar para meus atletas que deveríamos trabalhar mais a razão do que a emoção.

LANCE!: Por que não permaneceu no Atlético-GO para próxima temporada?

Barroca: O presidente do Atlético-GO queria que eu ficasse em Goiânia para adiantar todo o planejamento, mas optei por não ficar. Precisei dar uma atenção à minha família. Tinha uma demanda e me organizei bem para isso. Fiquei 45 dias longe dos meus filhos e precisava neste tempo exercer a função de pai, de marido. Ajeitar algumas coisas familiares para voltar em 2020 com foco total.

LANCE!: Como fica o seu planejamento para 2020?

Barroca: Meu planejamento para 2020 começa em dezembro. Vou concluir o curso da licença PRO, maior licenciamento para os treinadores do Brasil. Depois, me preparar para um próximo desafio, oportunidade. Espero que na próxima temporada seja igual ou melhor que 2019.

Futebol