Topo

Futebol


Em carta, Diego Alves se derrete pelo Flamengo e explica por que a final 'desta vez é diferente'

21/11/2019 14h25

Às vésperas da final da Copa Libertadores, Diego Alves teve a sua carta aberta à torcida do Flamengo publicada nesta quinta-feira, no site The Players' Tribune. O goleiro, que pode levantar mais um caneco pelo Flamengo neste sábado, quando a equipe rubro-negra enfrenta o River Plate, em Lima, abriu o coração.

Diego Alves tem 125 jogos pelo Flamengo. Na carta, contou sobre o início da sua carreira, inclusive afirmando que teve que superar a desconfiança por ser "gordo" na infância, trajetória na Espanha, contratempos no clube e o peso de Jorge Jesus nesta temporada.

Além disso, o goleiro se derreteu pelo clube carioca, sobretudo pela atmosfera construída pela torcida nos jogos realizados no Maracanã.

- o Flamengo é o maior time do mundo. E só quem já entrou no Maracanã lotado em dia de jogo decisivo pela Libertadores ou pelo Campeonato Brasileiro sabe do que estou falando. Irmão, a atmosfera é diferente. Eu mesmo, quando era pequeno, não tinha noção do que era ser Flamengo. Só quando você chega no Rio de Janeiro é que você começa a ter ideia da grandiosidade. É outro patamar. São 45 milhões de torcedores. Em qualquer lugar do mundo, tem gente com a camisa do Flamengo. É muito difícil colocar em palavras a sensação de vestir a camisa do Flamengo.

- Imagine, então, pegar um pênalti com o Maracanã nessas condições? Posso falar porque já peguei pênalti no Bernábeu, no Mestalia, em outros estádios do mundo. Não há nada parecido com pegar um pênalti no Maracanã. Não que eu torça por isso. Acho que a decisão por pênaltis é desgastante para todos os envolvidos. Mas nesse ano eu já defendi alguns pênaltis: contra o Emelec e contra o Vasco. Se tiver decisão por penalidade máxima, irmão, estarei tranquilo - escreveu.

Por falar na decisão, Diego Alves não se esquivou e afirmou que "Desta vez, é diferente", quando tecia comentários a respeito das últimas decisões não conquistadas pelo Flamengo - Diego Alves já foi vice da Copa Sul-Americana, em 2017, por exemplo.

- Nos últimos anos, nós também buscamos os títulos. Não chegamos lá porque, muitas vezes, nós também ficamos ansiosos com a decisão. Desta vez, é diferente. O time tem mais experiência, e os jogadores estão mais confiantes - e a torcida é parte fundamental dessa história.

CONFIRA A CARTA NA ÍNTEGRA

"Torcedor rubro-negro,

Escrevo esta mensagem antes da final da Libertadores, o jogo mais importante do Flamengo nos últimos anos, e um momento de reconciliação do nosso clube mais querido com a sua história de sucesso internacional.

Você sabe, torcedor rubro-negro, que não foi fácil chegar até aqui. Nunca é fácil chegar à decisão da Libertadores ao mesmo tempo em que se alcança o topo do Campeonato Brasileiro.

É um momento de provar a si mesmo o que você pode conquistar.

Acredite em mim, torcedor rubro-negro. Eu sei como é se sentir assim, tendo de provar aos outros e a si mesmo o quanto você é capaz.

Talvez você não saiba, mas a minha história pessoal tem muito a ver com superar obstáculos para chegar até onde estou hoje.

Vou começar do início.

Quando era criança, aos 5, 6 anos de idade, eu já estava ligado em futebol. Muito por causa do meu pai, que quis ser jogador, mas teve de fazer uma escolha por sustentar a nossa família. Ele sempre foi apaixonado pela bola, mas não foi ele quem me forçou a ser jogador de futebol. A responsabilidade é minha.

E por mais estranho que possa parecer, eu sempre quis ser goleiro. Sim, você está lendo direito: eu quis experimentar ser goleiro de futebol de salão, ainda quando ainda morava em São José dos Campos. Desde essa época, eu já gostava de observar os grandes goleiros dos anos 1990. Taffarel. Zetti. Eles eram as minhas referências.

Ainda nessa fase, nós mudamos de cidade e, de repente, estava lá em Ribeirão Preto para jogar num clube chamado. Regatas! Não tinha como saber, mas já naquela época eu jogava contra um craque, que tem o mesmo nome que eu, e que já mostrava muito talento: Diego Ribas. O que posso dizer? Só que eu sofria muito tendo um adversário como ele.

Mas deixa eu me concentrar no que é importante: visão de jogo. Eu desenvolvi naturalmente um olhar para as partidas de futebol, assim como apareceu em mim uma liderança para defender o time. Coisa de goleiro, né?

Eu jogava no gol, me destacava, mas, às vezes, as coisas acontecem de um jeito que não compreendemos à primeira vista. Mesmo atuando com confiança, muitas pessoas desconfiavam de mim. Na verdade, elas simplesmente não acreditavam, ou não queriam aceitar, que eu pudesse ser o mais indicado para a posição. É que eu tinha um "problema", na visão de muitos: eu era gordo.

Para que você possa entender mais da minha história, uma vez tive paralisia facial por conta de uma infecção de ouvido. O tratamento exigia corticoide. Só que corticoide retém muito líquido, mas meus amigos que não sabiam disso se surpreenderam com o peso que ganhei.

Eu sofri.

Uma vez, o pai de um menino chegou até mesmo a rir de mim quando me apresentei como goleiro. Não teve problema: nesse mesmo jogo, defendi um pênalti e aquele mesmo pai veio me cumprimentar depois da partida.

Sim, torcedor rubro-negro, eu também tive de enfrentar muitos obstáculos.

Mas de uma coisa eu não posso me queixar. Sempre tive sorte de poder contar com ótimos treinadores de goleiros.

Alguns anos mais tarde, o futebol se tornou uma realidade mais concreta para mim. Do interior de São Paulo, fui parar num clube de grande expressão no país, o Atlético-MG. O ano era 2004 e as coisas, não posso negar, estavam acontecendo muito rapidamente.

Até que, em 2007, uma grande oportunidade apareceu: transferência para a Espanha, para jogar no Almería. Não vou mentir, eu tive a sensação de que, chegando lá, as coisas também dariam certo rapidamente. Só que não foi bem assim que ocorreu. Na verdade, demorou mais que eu podia imaginar naquela época.

E eu tive inclusive de responder uma pergunta que parecia estranha demais para ser verdade: "Mas o Brasil tem uma boa escola de goleiros? Aqui a gente conhece os atacantes".

Sim, eu sei que era a época dos Ronaldos, do Robinho, do Kaká. Mas será que eles jamais tinham ouvido falar do Taffarel, do Zetti ou do Dida? Resumindo, foi como se eu tivesse de começar de novo, porque se nem mesmo na coletiva de imprensa os jornalistas estavam informados do meu potencial.Tive de provar que, sim, eu podia jogar em alto nível.

E isso não foi tão simples assim. Quero explicar com mais detalhes. Quando me transferi para a Espanha, o futebol jogado ali era muito dinâmico. A bola corria com velocidade. Eu ainda estava na reserva, podia observar o posicionamento, os goleiros.

E então aconteceu. Tive a minha oportunidade. O primeiro goleiro brasileiro a jogar na La Liga. E a estreia era contra o Sevilla. Foi um dia histórico. Fui eleito o melhor jogador da partida.

Ao mesmo tempo, fui me adaptando a outra vida, a outra cultura, que não era a minha. E isso foi tão difícil, que eu sequer sabia o que pedir nos restaurantes, assim como não tinha confiança de fazer coisas simples, como ir cortar o cabelo. Era a primeira vez que estava fora do país. 22 anos. De uma realidade no Atlético-MG para uma promessa no Almería. Começar de novo.

Quando estava na Espanha, ainda que não fosse meu objetivo principal, logo fui destacado como pegador de pênaltis, ou parapenaltis. É um momento decisivo do jogo, o pênalti, e eu penso que cada goleiro tem suas características para deter os cobradores, ainda mais porque hoje em dia todo mundo tem acesso às informações e às análises de desempenho. Com a tecnologia, aumentou o número de pênaltis defendidos.

Mas eu prefiro apostar em outra técnica. Vou contar aqui para você. Eu sempre tento permanecer tranquilo, passando a responsabilidade para o cobrador. É assim que eu vejo: uma batalha psicológica.

Na minha vida, já tive várias batalhas psicológicas comigo mesmo, especialmente na minha infância. No pênalti, o cobrador pode tomar a decisão que quiser, mas quando estou no gol, eu me concentro, lembro de quem eu sou e do que eu passei. Do pai do garoto rindo de mim. Da influência do Taffarel e do Zetti. Do meu próprio pai que me apoiava sem me pressionar. Tudo isso moldou a minha personalidade e hoje em dia me dá a tranquilidade necessária para defender o maior time do mundo.

Sim, você leu certo, o Flamengo é o maior time do mundo. E só quem já entrou no Maracanã lotado em dia de jogo decisivo pela Libertadores ou pelo Campeonato Brasileiro sabe do que estou falando. Irmão, a atmosfera é diferente.

Eu mesmo, quando era pequeno, não tinha noção do que era ser Flamengo. Só quando você chega no Rio de Janeiro é que você começa a ter ideia da grandiosidade. É outro patamar. São 45 milhões de torcedores. Em qualquer lugar do mundo, tem gente com a camisa do Flamengo.

É muito difícil colocar em palavras a sensação de vestir a camisa do Flamengo.

Quando você entra nesse templo sagrado do futebol, a sensação é a de um bolo dentro do forno. O manto rubro-negro age como se fosse um fermento e a torcida faz aquilo virar um forno.

Imagine, então, pegar um pênalti com o Maracanã nessas condições? Posso falar porque já peguei pênalti no Bernábeu, no Mestalia, em outros estádios do mundo. Não há nada parecido com pegar um pênalti no Maracanã. Não que eu torça por isso. Acho que a decisão por pênaltis é desgastante para todos os envolvidos. Mas nesse ano eu já defendi alguns pênaltis: contra o Emelec e contra o Vasco. Se tiver decisão por penalidade máxima, irmão, estarei tranquilo.

Quando decidi voltar ao Brasil para jogar no maior clube do mundo, a primeira pessoa que fui ouvir foi minha esposa. Não quero desmerecer ninguém e sei que não falo por todo mundo, mas é sempre a partir da opinião dela que eu sigo. Não dá para jogar em um lugar onde a sua família não quer estar. Quando a minha esposa disse "tamo junto", as negociações evoluíram para a minha contratação.

Mesmo assim, eu não sabia o que poderia encontrar aqui. Quando saí do futebol brasileiro, há mais de dez anos, o contexto era outro. Os clubes estavam vendendo os atletas; agora, estão contratando. Quando eu cheguei, estavam por aqui Juan, Diego, Everton Ribeiro. Os estádios e os gramados tinham passado pelas transformações exigidas pela FIFA para a Copa do Mundo; então, nessas novas arenas a bola corria mais rápida. E ainda tinha de me adaptar ao estilo do futebol brasileiro, que costuma exigir muito dos goleiros com os chutes de longa distância.

Então, torcedor rubro-negro, não vou negar: no começo a adaptação foi bem difícil para mim. Até mesmo os treinamentos eram diferentes. Mas nós sabemos que nada que é duradouro e prazeroso vem fácil. E hoje posso dizer que acertei em cheio quando aceitei jogar no Flamengo.

Não vou negar: no começo a adaptação foi bem difícil para mim.

E eu digo isso mesmo tendo passado por aquele momento difícil, no final de 2018. É muito provável que você não saiba o que, de fato, aconteceu. Pessoas com outros interesses quiseram me prejudicar, só que naquele instante eu é que não queria atrapalhar o Flamengo, que ainda disputava o título brasileiro daquele ano. Foi um momento bastante difícil, e é bastante possível que eu não estivesse aqui hoje, defendendo as cores do Flamengo, se não tivesse ocorrido uma mudança tão importante na passagem do ano.

Quando achava que não ia dar mais certo, o clube e os atletas me apoiaram. Quando imaginava que não teria mais chance, a comissão técnica, começando pelo Abel Braga, e os dirigentes me abraçaram, mostrando o quanto eles contavam comigo para o projeto do Flamengo neste ano.

Foi um novo recomeço, sem dúvida.

Na verdade, essa mudança se estendeu ao longo deste ano de 2019, com a chegada de outros jogadores importantes, que se juntaram à equipe que já era boa de grupo, criando um bom ambiente no clube.

Só que tudo isso ganhou ainda mais força com a chegada de Jorge Jesus. Para nós, o Jorge. Para vocês da torcida, "Mister".

"Olê, olê, olê, olê/ Mister, Mister".

A atmosfera, irmão, é diferente.

Jorge Jesus, o Mister, chegou para transformar o jeito que o Flamengo joga e, de quebra, a maneira que o futebol brasileiro se apresenta.

A mudança parece óbvia quando se olha para o resultado. Só que existe uma proposta de jogo, que é diferente do que se fazia por aqui. O Flamengo não apenas controla o jogo. O Flamengo também domina a partida. Controlar e dominar. É parecido, mas não é a mesma coisa. Quando nós controlamos, nós temos a posse de bola, o que pode ser feito em qualquer momento do jogo. Agora, quando nós dominamos, nós temos a posse de bola e matamos o jogo.

E nós conseguimos chegar nesse patamar por uma série de fatores, que tem a ver com o ambiente do clube, com a qualidade dos jogadores, que entenderam o que significa ser Flamengo e, claro, com a intensidade exigida por Jorge Jesus ao longo desse período que ele está à frente do clube.

Nós não imaginávamos que o encaixe seria tão rápido, mas isso tem a ver com o perfil do Jorge Jesus. Como poucos treinadores, ele sabe não apenas preparar o time, exigindo o máximo dos jogadores - com broncas, com cobrança e personalidade -, mas, também, sabe ler as equipes adversárias. Ele mostra o caminho para seguirmos dentro de campo. Nós entendemos o que deveria ser feito, e os resultados começaram a aparecer.

Ele quer fazer do Flamengo uma marca, um modelo de jogar futebol. E esse modelo tem um estilo: pressionar o adversário. Ele diz para gente: "Hoje vamos jogar à Flamengo".

O resto, você já sabe.

"Olê, olê, olê, olê/ Mister, Mister".

Nada disso teria a mesma força, torcedor rubro-negro, sem a sua participação contagiante. Sim, isso nos motiva e nos incendeia dentro de campo. Até mesmo nossos adversários sabem disso.

Um dos momentos mais difíceis dessa temporada foi a partida de volta contra o Emelec, no Maracanã, pela Libertadores. Você se lembra, porque estava lá no campo com a gente, ou torcendo pela TV, ou ouvindo no rádio, daquele jeito, na raça, superando os obstáculos.

Nós tínhamos perdido o jogo de ida, no Equador, por 2 a 0. E no jogo de volta, você, torcedor, junto com a nação rubro-negra, tinha feito um pacto. Apoiar o time nos 90 minutos. Isso fez toda a diferença, porque logo no primeiro tempo nós fizemos dois gols. Fomos para o intervalo animados com o resultado, mas.

. No segundo tempo, o Emelec cresceu no jogo e começou a contra-atacar. De repente, a equipe adversária estava chegando mais ao nosso gol. E houve um lance naquela partida que eu jamais vou esquecer. Se eu fechar meus olhos agora, lembro daquela bola, que sobrou de rebote, e o jogador do Emelec bateu com formça. Eu não me mexi. O estádio, naquele instante, ficou em silêncio. E a bola foi. para fora! Foi um instante que quase tudo foi por água abaixo. Um lance.

Só que a Nação Rubro-Negra logo recuperou o fôlego e a partida foi pros pênaltis. Consegui defender uma cobrança; outra foi para fora. E avançamos.

E no jogo de volta, você, torcedor, junto com a nação rubro-negra, tinha feito um pacto. Apoiar o time nos 90 minutos.

Você, torcedor rubro-negro, sabe o quanto faz a diferença em jogos assim. E nós também sabemos o quanto essa temporada tem sido especial, diferente, emocionante para todos nós.

Só que desta vez nós queremos mais. Queremos marcar a história do clube com títulos. Se vamos ganhar tudo ou não, é outra situação, mas nós temos nos preparado para isso, buscando nos aperfeiçoar a cada jogo.

Nos últimos anos, nós também buscamos os títulos. Não chegamos lá porque, muitas vezes, nós também ficamos ansiosos com a decisão. Desta vez, é diferente. O time tem mais experiência, e os jogadores estão mais confiantes - e a torcida é parte fundamental dessa história.

Nós sabemos que a Nação Rubro-Negra é exigente, mas que também é apaixonada e não mede esforços para torcer pelo seu clube. Para ser sincero, eu só consigo ter uma pequena noção do que é pegar o metrô cantando pelo Flamengo, chegar ao estádio gritando pelo time, passar a partida inteira torcendo e, depois, voltar para casa comemorando pelo Flamengo. Eu queria, um dia, viver essa experiência, porque lá do campo a energia que vem é eletrizante.

É a avalanche vermelha.

Por isso, a gente lá do campo sabe que, quando a gente faz um gol, o segundo está mais próximo do que nunca. Não é arrogância, é porque se parece com uma luta de boxe. O adversário vai à lona, abre a contagem e, quando volta, ainda grogue, não consegue suportar a pressão.

É a avalanche vermelha.

Quando, em 1981, o Flamengo chegou à final da Libertadores da América, eu não era nascido. Muitos torcedores do Flamengo de hoje não puderam ver aquele esquadrão do Zico e companhia. Trinta e oito anos depois, nós temos a chance de fazer história na final contra o River Plate.

Nós sabemos que nem todos os torcedores estarão no estádio, em Lima, no próximo sábado. Mas, aqui e ali, já sentimos o calor da torcida, como num bolo dentro do forno. Onde quer que eu vá, sempre ouço: "é dia 23, é dia 23". Outro dia, no restaurante, um garçom veio e me disse: "Já pedi dispensa no dia 23, hein". A expectativa por parte da torcida é grande e nós, jogadores, entendemos isso.

Torcer para o Flamengo é isso: sofrer. Xingar. Gritar. Apoiar. Comemorar.

Da nossa parte, torcedor rubro-negro, você pode esperar o jogo do nosso jeito, pressionando o adversário; pode esperar a nossa concentração e a nossa dedicação. Nós não vamos sofrer pelo que está em jogo, nós vamos jogar o jogo.

"Jogar à Flamengo", como diz o Mister.

Eu não sabia o que era ser Flamengo, mas hoje eu sei. É diferente. Exige superação.

E ao longo de toda a minha carreira, eu superei muitos obstáculos para chegar onde cheguei.

Tive de me acostumar a provar a mim e aos outros que tinha condições de jogar e podia ser goleiro.

Tive de desafiar os que riam de mim pegando pênaltis.

Quando fui jogar na Espanha, tive de me adaptar a outra cultura e a outro estilo de jogo, mostrando que, no Brasil, tinha goleiro, sim.

Depois, tive de reaprender a jogar no Brasil e superar as desconfianças quando voltei ao meu país para defender o maior clube do mundo.

Agora, é a final da Libertadores.

Vai ser um dia especial, tomara que marcado com um título. É o que nós queremos.

Nação Rubro-negra, nós sabemos que vocês estão conosco.os motivos para a escolha."

Futebol