Topo

Flu adota discurso em prol do reforço psicológico na reta final do ano

Fluminense precisa melhorar campanha para evitar a queda - Lucas Merçon/Fluminense FC
Fluminense precisa melhorar campanha para evitar a queda Imagem: Lucas Merçon/Fluminense FC

19/11/2019 06h00

Uma cena já se tornou corriqueira no Campeonato Brasileiro, nos jogos do Fluminense. O Tricolor muitas vezes joga melhor do que os adversários na maior parte do tempo, cria chances claras, mas não consegue sair de campo com a vitória. O empate em 1 a 1 com o Atlético-MG, no último sábado, foi mais um exemplo deste comportamento da equipe. O discurso da comissão técnica e dos jogadores parece apontar para um fator como vilão: a ansiedade.

Em coletiva logo após a frustrante partida para os torcedores tricolores que foram ao Maracanã, o técnico Marcão falou sobre a necessidade de reforçar a parte mental de uma equipe pressionada pelo risco de rebaixamento.

"Queríamos o resultado, até por tudo o que trabalhamos na semana. A nossa situação requer vitória, requer essa luta. Em um momento ou outro, poderíamos ter mais tranquilidade para fazer uma escolha melhor. Temos criado situações de gols, que é o mais difícil. Na oportunidade que aparecer, os jogadores têm que estar mentalmente e fisicamente preparados", afirmou Marcão.

O discurso do treinador foi reforçado pelo goleiro Marcos Felipe, na coletiva de imprensa antes do treinamento da última segunda-feira, no CT Carlos José Castilho. O jogador de 23 anos, que teve a primeira chance como titular na temporada, graças à uma lesão do titular Muriel, destacou a a necessidade de reforço psicológico do grupo na reta final do Brasileirão.

"O que a gente precisa trabalhar é a parte mental e alguns detalhes táticos. Precisamos errar o mínimo possível porque essa reta final do campeonato não permite muitos erros. Precisamos trabalhar bastante essa parte mental para ter a melhor atuação nestes cinco jogos que restam", afirmou o goleiro.

Mais experientes concordam

O discurso afinado do elenco sobre a necessidade de trabalhar o fator psicológico não é novidade. Logo após o empate sem gols com o Vasco, pela 30ª rodada, no início de novembro, o experiente meia Nenê não teve dúvida de apontar o caminho a ser seguido pelo Fluminense na competição. Na partida, o nervosismo tomou conta do Tricolor e a equipe pecou como no último passe e nas finalizações.

"O que atrapalha é a ansiedade, mas precisamos manter a cabeça no lugar. O erro no último passe e nas finalizações não deixam a gente marcar gols, o que já aconteceu no início do campeonato. Não temos mais margem de erros e precisamos melhorar nas últimas rodadas", resumiu Nenê na ocasião.

Em setembro, logo depois da derrota para o lanterna Avaí, no Maracanã, ainda sob o comando de Oswaldo de Oliveira, o goleiro Muriel já havia levantado a questão.

"Temos que controlar a ansiedade. Não podemos deixar que o momento de dificuldade faça com que deixemos de acreditar. Temos feito bons jogos, mas um detalhe ou outro não está pesando a nosso favor. Precisamos estar mentalmente fortes para esse próximo jogo", disse Muriel no dia seguinte à partida válida pela 17ª rodada.

O Fluminense tem uma semana inteira de treinamentos pela frente para reforçar a parte mental, antes de voltar a campo para enfrentar o CSA, na próxima segunda-feira, em Maceió. A partida pela 34ª rodada é decisiva para o clube, por tratar-se de duelo direto na luta contra o rebaixamento.

Ouça o podcast Posse de Bola, a mesa redonda do UOL sobre futebol, com Arnaldo Ribeiro, Eduardo Tironi, Juca Kfouri e Mauro Cezar Pereira.

Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

Fluminense