Topo

Futebol


Instabilidade política pode fazer com clássico entre Real e Barça seja transferido para o Bernabéu

16/10/2019 09h52

O momento da Catalunha é delicado. Líderes separatistas foram presos e os protestos tomaram conta da região. O momento de instabilidade política fez com que o comando da La Liga solicitasse à Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) que trocasse o mando de campo do próximo clássico entre Barcelona e Real Madrid.

FALTA DE SEGURANÇA

A ideia da direção do Campeonato Espanhol é que o 'El Clasico' seja realizado no Santiago Bernabéu ao invés de ser no Camp Nou, como estava programado. A partida é no dia 26 de outubro. Segundo o jornal espanhol 'As', a cúpula da La Liga teme pela segurança no dia da partida. O Comitê de Competição da RFEF é que vai tomar a decisão.

NOVA DATA

Caso o mando seja, de fato, trocado, a partida do returno vai ser no Camp Nou, no dia 1º de março de 2019. O Real Madrid lidera a competição com 18 pontos, enquanto o Barcelona vem logo atrás, na segunda posição, com 16. A partida é importante para ambos os clubes na competição.

ENTENDA O CASO

Em 2017, líderes independentistas da Catalunha tentaram oficializar o processo de independência, com um referendo de "autodeterminação". A declaração parlamentar à favor da independência foi cancelada pelo Tribunal Constitucional Espanhol.

Nesta segunda-feira, o Tribunal Supremo da Espanha condenou Oriel Junqueras a 13 anos de prisão. Raül Romeva, Jordi Turull e Dolors Bassa, ex-conselheiros do governo autônomo, foram condenados a 12 anos de prisão por insurreição e desvio. Carmen Forcadell, ex-presidente do Parlamento autônomo catalão, foi condenada a 11 anos e seis meses de prisão. Ao todo, são nove condenados, que já cumprem prisão preventiva.

BARÇA SE POSICIONA

O Barcelona também reagiu às prisões e soltou um comunicado oficial em defesa dos líderes separatistas. O clube apontou que, devido à sua história e cultura, não podia concordar com as prisões e que o melhor caminho para a resolução seria o "diálogo político". Em seu Twitter, o zagueiro Gerard Piqué celebrou o comunicado e também prestou apoio à causa da Catalunha.

Futebol