Topo

Esporte


Cristiano Ronaldo, sobre aposentadoria: "Posso jogar até os 41 anos"

Cristiano Ronaldo comemora o segundo gol da Juventus diante do Atlético de Madri pela Liga dos Campeões 2018/2019 - Alberto Lingria/Reuters
Cristiano Ronaldo comemora o segundo gol da Juventus diante do Atlético de Madri pela Liga dos Campeões 2018/2019 Imagem: Alberto Lingria/Reuters

20/08/2019 18h34

Novamente entre os melhores jogadores do mundo, Cristiano Ronaldo está se preparando para a segunda temporada com a camisa da Juventus, após a badalada chegada em Turim. Em entrevista ao canal 'TVI', o craque português abriu o jogo sobre vários assuntos, entre eles, aposentadoria.

"Nunca pensei nisso. Posso terminar a carreira no próximo ano ou com 40 ou 41 anos, não sei. Neste momento, o que quero é desfrutar ao máximo. Não preciso do futebol para viver bem, estou tranquilo a nível financeiro. Preciso é de projetos que me animem, e este projeto da Juventus me animou. Sempre gostei desta equipe, é a melhor da Itália e uma das melhores do mundo. Foi mais um desafio, porque ganhei na Inglaterra e na Espanha, chego à Itália e volto a ganhar. Nunca ninguém tinha conseguido fazer isso e eu fiz. Gosto de desafio, não gosto de estar numa zona de conforto", declarou.

O português também falou sobre estar duas vezes no ranking das maiores transferências da história do futebol. Cristiano Ronaldo conseguiu isso quando deixou o United a caminho do Real por 94 milhões de euros e quando deixou o Real rumo a Juventus por 117 milhões de euros.

"Qual seria o meu valor agora? Como está o futebol? É difícil calcular. Agora apostam muito no potencial do jogador, a indústria do futebol está diferente. Colocando o caso de João Félix à parte, hoje, qualquer jogador vale 100 milhões. Sem provas dadas. Há mais dinheiro no futebol, um goleiro e um zagueiro valem muitos milhões. O mercado é assim e temos de respeitar. Se um goleiro vale 75 milhões, um jogador que está no auge e tem feito o que eu fiz nos últimos anos vale 3 a 4 vezes mais". disse Cristiano.

Veja outros assuntos da entrevista:

Mais uma Bola de Ouro?

"Claro que todos os anos gostaria de ganhar a Bola de Ouro, a Liga dos Campeões, os campeonatos.. Trabalho para ganhar todos os títulos individuais e coletivos, mas não sou obcecado por isso. Sei que é algo que não depende só de mim, tem a ver com os votos dos outros, e admito que muitas das vezes que perdi foi justo. Agora, o que eu sei é que todos os anos trabalho muito para ganhar e me colocar em posição de ser nomeado."

Treinamentos

"Se você comer sopa todos os dias, vai enjoar. Se focar apenas no mundo do futebol, vai ser pequeno. Foi uma experiência nova, ganhei novas técnicas de corrida. Aperfeiçoamos qualquer coisa, se tu acha que sabe tudo não chega ao nível a que eu cheguei."

Ida para o Manchester United

"As pessoas acham que eu só saí por causa daquele jogo (um amistoso entre Sporting, onde CR7 foi revelado, e Manchester United), mas antes disso eu estive apalavrado com Manchester United, Valencia, Arsenal, Barcelona, Real Madrid, Inter de Milão. Falei com muitos clubes, mas depois de jogar com o United, o interesse aumentou. Eu não esperava sair logo naquele ano, mas o Manchester United teve medo de me perder, por isso quiseram me contratar logo."

Problemas extra-campo

"2018 foi o ano mais difícil da minha vida a nível pessoal. Dói, dói muito quando põem tua honra em dúvida. Graças a Deus, mais uma vez provou-se que sou inocente. Os amigos, família, quem gosta de mim, todos sabiam que eu sou inocente. Mas foi muito duro."

Mais Esporte