PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Mancini fala sobre dores de Hernanes e vê São Paulo "oscilando demais"

Marcello Zambrana/AGIF
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

03/03/2019 21h11

A vitória por 2 a 0 sobre o Bragantino não convenceu, e o próprio técnico Vagner Mancini admite que o São Paulo tem muito a evoluir pela frente. Em entrevista coletiva após a partida, ele admitiu a oscilação da equipe e falou sobre as condições físicas de Hernan, que em sua visão ainda não atingiu o ápice do seu rendimento porque está inseguro.

"O Hernanes é um atleta que consegue jogar em várias funções. Do que ele precisa? De jogo! Em um certo momento, perguntei até como ele estava porque sei que ele precisa jogar os 90 minutos", disse o treinador interino, que cuida do elenco enquanto Cuca não estreia. "Ele é um cara que pode jogar como segundo, terceiro homem, mais solto... Mas ele precisa ter a convicção de estar em um bom momento na parte técnica. A gente está refém do tempo, e sabe que Hernanes não está zerado da dor", revela Mancini.

Com o meia em baixo ritmo, o São Paulo encontrou dificuldades ao enfrentar o Bragantino na tarde de hoje. A equipe até iniciou bem o jogo, mas perdeu fôlego e criatividade ao longo do primeiro tempo e não conseguiu intimidar o time do interior. Foi só após Mancini desistir dos três zagueiros e trocar Bruno Alves por Diego Souza que a coisa funcionou - em parte por insistência, mas também por sorte. O primeiro gol saiu após chutão de Tiago Volpi; o segundo na bola aérea; e aí a equipe ficou bem mais confortável em campo.

O desempenho foi melhor do que nos jogos anteriores, mas ainda longe do que a equipe pode render. "A gente ainda oscilou muito na partida, mas era de fundamental importância que vencêssemos", pondera Mancini, que relaciona o alívio no Campeonato Paulista com a reconstrução após os danos que o estádio do Morumbi sofreu com as chuvas de sábado.

"Era fundamental por uma série de detalhes, entre eles o que aconteceu no Morumbi. Enquanto conselheiros e direção tentavam resolver o problema, os únicos que poderiam amenizar essa perda eram os jogadores em campo. Então, se faltou um pouquinho de futebol, e eu acho que faltou, sobrou vontade", avalia o treinador.

Esporte