PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Simpósio da CBF debate medicina no esporte com médico da Seleção

26/11/2018 17h09

Nesta segunda-feira, o doutor Rodrigo Lasmar, médico da Seleção Brasileira, ajudou a detalhar o trabalho feito pela comissão técnica durante a Copa do Mundo de 2018. A discussão aconteceu no IV Simpósio de Educação Continuada da Comissão Médica e de Combate à Dopagem, que teve início nesta manhã e segue nesta terça-feira.

Um dos tópicos abordados por Lasmar foi o número de desafios impostos à comissão durante um torneio de alto nível como o Mundial. O doutor expôs muitos pontos sobre o trabalho junto à Seleção, desde a escolha da sede em Sochi até o rendimento dentro das quatro linhas.

Antes da Copa do Mundo, Fagner e Douglas Costa passaram por lesões. Além destes, Neymar Jr sofreu uma fratura no quinto metatarso do pé direito. Por seis semanas, o camisa 10 ficou sem descarga de peso, mas se apresentou plenamente apto para treinos físicos - mesmo assim, ele ainda vinha em um processo de recuperação física.

- Com o tempo de descondicionamento que ele teve, de dois meses praticamente sem atividade de campo intensa, você demora a readquirir sua condição física - analisou o doutor.

Além disso, outra novidade apontada foi a presença fixa de um ultrassonografista com a Seleção antes e durante o torneio. Douglas Costa, por exemplo, se apresentou à Canarinho dois dias depois de ter um estiramento muscular no bíceps - contando com o profissional, ele teve a lesão diagnosticada logo que se uniu ao grupo, o que permitiu que ele se recuperasse a tempo da Copa do Mundo.

Medicina esportiva na imprensa

?Outro tema debatido no Simpósio foi a relação entre a imprensa e a medicina esportiva; o debate contou com as presenças de Igor Siqueira (Jornal O Globo) e Douglas Lunardi (diretor de Comunicação da CBF). Os doutores trocaram experiências sobre situações delicadas que envolveram a mídia e o tratamento médico de esportistas. Um dos casos mais discutidos foi a lesão de Neymar antes da Copa do Mundo.

Lasmar reforçou a urgência de manter-se fiel ao código de regras da medicina dentro ou fora de um contexto esportivo. No mais, eles destacou que a postura se estende desde o atendimento dentro de campo a comentários feitos sobre diagnósticos.

Citando o caso de Neymar Jr, Igor abordou a urgência dada ao caso do camisa 10 na imprensa, o que forçou uma corrida desesperada por palavras do time médico da Canarinho. Lasmar reforçou que nem sempre é possível dizer o que o público quer ouvir, como tempo de recuperação e expectativa de retorno dos jogadores, entre outros prazos.

Futebol feminino na Seleção Brasileira

Falando de medicina e Seleção Brasileira, uma mesa foi dedicada a discutir especialmente o desenvolvimento do futebol feminino. Responsável pela Canarinho Feminina, o médico Nemi Sabeh pontuou a necessidade de evolução da preparação física da modalidade.

O doutor também detalhou os procedimentos por trás da organização de exames na Seleção Feminina, visando combiná-los para traçar o perfil de cada atleta. As diferenças físicas e fisiológicas entre homens e mulheres, o nível de desenvolvimento físico das mulheres no futebol e o uso da medicina neste caso também foram assuntos abordados pela mesa.

Médica do Corinthians, atual campeão brasileiro feminino, Cristiane Gambre Franco Ferreira contou um pouco dos percalços superados pelo clube na adaptação do departamento médico à modalidade, que foi criada em 2016 no Parque São Jorge. A presença de mulheres nas comissões técnicas de futebol feminino foi muito discutida, assim como seus prós e contras em uma equipe formada por mulheres.

Esporte