PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Porta 12: o local do Monumental que remete a um drama de Boca e River

23/11/2018 08h00

A Argentina conta milhares de mortes induzidas por corrupção, negligência ou imprudência pública e privada. Não obstante, o dia 23 de junho de 1968 marcou a data mais negra do futebol nacional. Justamente no dia do clássico de maior rivalidade do país: River Plate x Boca Juniors.

Se disputava o Torneio Metropolitano, um campeonato dividido em dois grupos de onze equipes. River e Boca protagonizaram um empate sem gols no Monumental, palco do decisivo jogo deste sábado, pela Libertadores. A porta 12, correspondente do setor visitante, havia sido fechada após o apito final. Torcedores xeneizes estavam aglomerados e um caos começou. Resultado da tragédia: 71 pessoas morreram esmagadas e sufocadas, enquanto tentavam deixar o estádio.

Após o episódio, o acesso não é mais identificado pelo número 12, e sim pela letra L, por ser a décima segunda letra do alfabeto. Além da mudança, o River Plate decidiu dar o nome de "Centenário" ao setor visitante.

Cinquenta anos depois, River e Boca se encontram novamente em uma decisão. Disputarão a grande final da Copa Libertadores, neste sábado (18h de Brasília), mais uma vez no Estádio Monumental. Apesar de toda magia criada em torno da partida que marcará o século, as verdadeiras causas da barbárie de 68 ainda são desconhecidas e deixam grande marcas.

Na época, hipóteses começaram a surgir por meio da mídia: portas fechadas ou semi fechadas, catracas que não haviam sido removidas, ou a irresponsabilidade funcionários. No entanto, nada se falava sobre a polícia. Eram tempos da ditadura de Juan Carlos Onganía, repressões nas ruas, tribunais e universidades.

Nem mesmo a passagem de cinco décadas trouxe justiça às vítimas ou às suas famílias. O caso que o juiz Oscar Hermelo instruiu foi arquivado. Em um artigo publicado pela Agência de Notícias de Buenos Aires, Victor Ego Ducrot, testemunha do incidente, contou sua versão:

- Saímos mais cedo, justamente pelo portão 12. Havíamos caminhado alguns metros quando ouvimos a polícia gritar e passar com a cavalaria, dando golpes e bloqueando a saída do Monumental. Eles assassinaram mais de 70 pessoas, fomos salvos por alguns minutos - contou.

Além de Victor, uma segunda testemunha alegou que duas famílias chegaram a um acordo econômico com o River Plate. Mais tarde, Carmen Palumbo, que defendia os familiares das vítimas, afirmou que trinta e quatro famílias foram secretamente compensadas pelo clube, pela AFA, e pelo Estado.

A tragédia de Hillsborough, que matou 96 torcedores do Liverpool em 1989, ainda respira na Inglaterra. A Justiça concluiu como "homicídio involuntário" e o processo foi aberto ao público. Ao contrário da Argentina, que nunca obteve um decreto final, nem mesmo um culpado. A Federação Inglesa, 25 anos após o fato, colocou camisetas do Liverpool nas arquibancadas da semifinal disputada entre Arsenal e Wigan.

Em Buenos Aires, faltando apenas cinco dias para a final da Libertadores, a dor de 68 ainda é vivida. Relatos de familiares contam que os clubes apagaram o acontecimento da história e nada fizeram em homenagem às vítimas da fatalidade. O que para alguns representará uma final inesquecível, para outros, será mais uma data de grande silêncio.

Esporte